Blast from the Past

Euro Truck Simulator 2 (PC) é muito mais do que um simulador de “fretes”

O título é um belo exemplo de como nem todo jogo precisa oferecer uma aventura épica ou ação desenfreada para ser divertido e atrair milhares de players mundo afora.

Euro Truck Simulator 2 (PC) é atípico, embora não seja o primeiro do gênero. Em um primeiro momento, surgiu a dúvida se, entre os diversos títulos analisados quase que diariamente no Game Blast, o jogo desenvolvido pela SCS Software e lançado em 2012, possuía o devido apelo para chamar a atenção dos leitores.


Por outro lado, com os diversos fóruns de discussão espalhados mundo afora, páginas de mods, a constante interação da desenvolvedora com seu público, centenas de vídeos produzidos no YouTube — isso sem contar as gameplays transmitidas ao vivo — dedicados exclusivamente ao jogo, este redator decidiu que valeria a pena atender a nostalgia dos fãs e apresentar o título a um público que o desconhece. Acompanhe conosco!

Um “simulador de entregas”, sério?

Mais do que levar uma carga entre o “ponto A” e o “ponto B”, Euro Truck Simulator 2 é, de longe, o melhor simulador de caminhões já desenvolvido até então — superando seu antecessor e mesmo a série que o precedeu, 18 Wheels of Steel, também desenvolvido pela SCS.

A primeira coisa que o jogador fará será criar um motorista que o representará, se limitando basicamente à escolha do nome e de um dos diversos avatares disponibilizados pelo jogo. As skills, por outro lado, se desenvolverão única e exclusivamente à forma como joga, como por exemplo: a habilidade em entregar encomendas rapidamente ou a experiência na entrega de determinados produtos, como maquinários agrícolas ou produtos inflamáveis.
Tempo e dedicação recompensarão com os melhores trabalhos.
Em outras palavras, quanto mais o jogador se dedicar a determinados trabalhos e formas de realizá-los, maiores e melhores trabalhos nas mesmas características lhe serão oferecidos, oferecendo, por sua vez, maiores recompensas.

Como a maioria dos motoristas da vida real, na ausência de recursos financeiros para obtenção do próprio veículo, o jogador se submeterá a realizar trabalhos para diversas empresas, que se encarregarão do veículo, combustível, manutenção e obtenção de contratos — por outro lado, as margens de ganho serão consideravelmente menores.
Quanto maior a viagem, maiores as responsabilidades — e recompensas.


Conforme a boa execução dos trabalhos, o jogador adquirirá seus próprios caminhões, sendo emocionante a sensação de visitar uma das diversas concessionárias — todas com veículos reais licenciados por montadoras como Volvo, Scania, Iveco, DAF, Renault, MAN e Mercedes-Benz —, escolher um dos modelos disponíveis e… seguir para adquirir seu reboque, essencial para obter os próprios trabalhos.

É importante que o jogador se atente à capacidade do veículo, a quantidade de eixos e o reboque adquirido, afinal, os trabalhos que eventualmente assuma com caminhões próprios exigem que estes ofereçam exatamente as qualidades que eventuais clientes necessitem.
Pense sempre na combinação entre veículo e reboque na escolha de contratos.


Neste caso, as alternativas estão em acumular recursos por algum tempo (trabalhando como terceirizado) a fim de adquirir veículos mais robustos, intercalar entre trabalhos próprios e terceirizados ou se dedicar tão somente a determinadas cargas até obter recursos para a aquisição de novos e melhores veículos — qualquer que seja a opção, todas são muito divertidas e variadas.

Não basta ser um bom motorista, é necessário gerenciar

O gerenciamento é um dos aspectos mais interessantes de Euro Truck Simulator 2: dos trabalhos obtidos à manutenção dos veículos próprios, do combustível ao sono, tudo deve ser calculado com muito cuidado.

Embora a habilidade em entregar cargas em um tempo reduzido seja um fator importante — afinal, há prazos pré determinados para cada uma delas —, ser diligente ao volante, respeitando limites de velocidade e parar em postos de combustível para descansar são aspectos levados em consideração, visto que, violações de normas de trânsito, especialmente as de segurança, geram multas, que reduzirão pontuações finais e valores recebidos pelo serviço.
Nós avisamos...


Quando se trabalha como terceirizado, despesas com combustível ou manutenção do veículo são responsabilidade do empregador, o que fará com que a atenção do jogador se volte à boa execução do trabalho. Por outro lado, ao se trabalhar com veículos próprios, as preocupações outrora exclusivas de empregadores serão agora todas do jogador — em contrapartida, as recompensas serão consideravelmente maiores.

Com um bom valor acumulado, será a hora do jogador planejar o desenvolvimento de sua própria transportadora, incluindo a aquisição de novos caminhões, reboques, garagens e a contratação de motoristas, sendo provavelmente uma das formas mais divertidas de se explorar o título.

Visual bonito, jogabilidade irrepreensível

Um dos pontos fortes de Euro Truck Simulator 2 certamente é o visual, que varia conforme o clima e horários em que estamos na estrada. Crepúsculos, chuvas, tempestades e alvoradas são simplesmente lindos e o fato de que há diversos ângulos de câmera para visualizar apenas contribui para que o jogador sinta tais momentos de forma introspectiva — ou os compartilhe na página World of Trucks, criada oficialmente pela desenvolvedora para que os players compartilhem tais momentos entre si — além de utilizarem fotos reais como avatares e personalização de placas.


As cidades disponibilizadas tanto no jogo principal quanto nos DLCs não possuem os detalhes ou a grandiosidade como em jogos sandbox, o que é plenamente justificável, dado o objeto de Euro Truck, no entanto, as paisagens, estradas, zonas industriais e portuárias são um show à parte.

Nesse mesmo sentido são os caminhões, detalhadamente retratados como os veículos reais em que se inspiraram, com uma enorme gama de personalizações disponíveis ao jogador, que variam desde adesivos decorativos a faróis, buzinas e enfeites internos para a cabine.


Como um simulador que se preze, todas as funções de um veículo do tipo são completamente manipuláveis, do limpador de para-brisas ao sistema de troca de marchas, e mesmo que a melhor forma de explorar o jogo seja com o apoio de kits com volantes e pedais, o uso do teclado do PC será uma constante, diante da inevitável ausência de botões e alavancas suficientes para todas as funções de um veículo real.
Toda a simplicidade de meu guerreiro Iveco Stralis.


Os comandos respondem com precisão milimétrica, logo é muito importante que o jogador se atente a curvas e os respectivos limites de velocidade pois um único erro poderá incorrer no tombamento do veículo, forçando com que se contrate um serviço de reboque, com os devidos custos do serviço, além de eventuais consertos no caminhão e atrasos na viagem.

DLCs, mods, multiplayer online e o maravilhoso brasileiro

Todos temos o conceito de que DLCs possuem prós e contras e Euro Truck Simulator 2 está inevitavelmente nessa categoria de jogos que arrecadam — e muito — para a obtenção do jogo em sua totalidade.

A grande questão é que a maior parte do conteúdo extra servirá para desbloquear novos países do continente mas, para sermos justos, em dado momento torna-se meramente uma opção do usuário, especialmente pelo fato de que o jogo “bruto” possui material suficiente para manter o jogador entretido por dezenas de horas, logo não há como se sentir “injustiçado” pelos complementos dada a grandiosidade do título original.
Há muito a se explorar antes do primeiro DLC...


Em mesmo sentido, a SCS é uma daquelas desenvolvedoras que andam de mãos dadas com seu público, não apenas atendendo eventuais solicitações como o apoiando em qualquer projeto envolvendo seu principal título.

Com isso, o conteúdo extra relacionado a novas localidades ou simples skins são facilmente encontrados — devidamente apoiados pela desenvolvedora — Internet afora de forma gratuita ou remunerada — e isso inclui caminhões baú do serviço postal Sedex ou de mudanças como Granero, obviamente todos desenvolvidos por brasileiros.
Como não amar o brasileiro?
Outros vão além e desenvolvem mapas de estradas brasileiras que buscam retratar exatamente os trechos disponibilizados a um custo relativamente baixo, estendendo a vida útil do jogo e despertando o interesse de diversos jogadores que eventualmente procurem um ambiente que nos seja familiar.
Com calma todos chegarão ao destino no modo online.


Mas, de todas as possibilidades, talvez o modo online (não oficial) seja o mais interessante para os jogadores de Euro Truck: milhares de jogadores em todo o mundo realizam suas atividades concomitantemente — alguns inclusive assumem o mesmo trabalho para comboios —, com regras específica criadas pelos desenvolvedores que vão além das regras de trânsito convencionais do título original, com direito aos administradores atuarem como patrulheiros rodoviários para controlarem jogadores problemáticos. Em outras palavras, surreal e divertidíssimo.

Vale mesmo a pena?

De fato, Euro Truck Simulator 2 é um jogo atípico e, talvez justamente por isso, possua um público cativo. Novos jogadores se rendem diariamente ao mesmo “para ver o que rola” e nunca mais o abandonam. Somado a isso, a ampla liberdade que a desenvolvedora oferece a criadores de conteúdo reforça um dos aspectos positivos de qualquer produtora de jogos: a aproximação com o público que consome seus produtos.
Uma das melhores experiências em um jogo eletrônico.


A despeito do jogador não enfrentar desafios interestelares, exércitos inimigos ou perigos mundiais, é uma experiência gratificante se sentir na pele de um motorista que, pouco a pouco, progride na carreira e se torna chefe de uma frota de caminhões, administrando o próprio negócio enquanto opta por prosseguir na estrada.

Os controles fazem jus ao conceito de simulação e, embora soe confuso no início, o domínio dos mesmos será nada menos senão pura questão de prática, como em qualquer outro jogo em que nos dediquemos. Somado aos lindos gráficos, a “trilha sonora” é formada por dezenas de rádios online acessíveis pela Internet de todos os países europeus e, caso o jogador prefira, ainda poderá criar sua própria playlist com canções que eventualmente possua em seu computador.
A garagem deste redator.
Em suma, é um título recomendado mesmo para aqueles que nunca experimentaram algo do gênero, já que a grande variação de negociações — que ultrapassam o simples ato de “entregar algo a alguém em algum lugar” — e gerenciamento do negócio divertem quem quer que esteja à procura de um jogo bem desenvolvido e divertido. E quanto a vocês, quais suas experiências com o título? Compartilhem conosco!

Revisão: Farley Santos

Mineiro, apaixonado por livros, música, filmes, discussões, Magic: The Gathering e, claro, jogos eletrônicos.

Comentários

Google
Disqus
Facebook