Jogamos

Análise: Team Sonic Racing (Multi) tem bons elementos, mas peca pelo conteúdo raso e falta de carisma

Apesar dos belos visuais e trilha sonora bacana, a turma do ouriço tenta sem sucesso se apoiar em um elenco enxuto e uma narrativa sem sal.

Desde o seu anúncio, Team Sonic Racing (Multi) dividiu a opinião de críticos e fãs do velocista mais famoso dos games. Com concorrentes de peso, como Mario Kart 8 Deluxe (Switch) e Crash Team Racing: Nitro-Fueled (Multi), ficou na cara que Sonic e sua trupe não teriam vida fácil.

Trabalho em equipe

Esse novo jogo da série já denuncia no nome como funciona. Agora a corrida funciona em prol do trabalho em equipe. Cada posição rende pontos que são somados entre os integrantes do trio. A equipe com mais pontos é a vencedora, logo não adianta chegar em primeiro e ter seus companheiros nas últimas posições.

As corridas em trio funcionam de maneira que os pilotos se ajudem constantemente. Quem está na frente gera uma trilha luminosa que confere um turbo para os que estão atrás, esse é o Slingshot. Outra possibilidade é o camarada que está logo atrás e mais rápido te dar um empurrão, o chamado Skimboost.

Outra possibilidade bacana é a troca de itens. Você pode tanto pedir itens para seus companheiros quanto passar os que são encontrados. Por fim, todas essas ações preenchem uma barra que liberam o Team Ultimate, que concede por um breve instante invencibilidade e turbo para toda a equipe.

Cada personagem pertence a uma categoria que possui uma habilidade distinta. Os speed-type conseguem liberar uma onda para destruir projéteis que os perseguem. Os technique-type conseguem passar por qualquer tipo de terreno sem perder velocidade. Já os power-type podem quebrar barreiras e continuar sem problema algum.

Toda equipe, obrigatoriamente, deve conter um membro com cada especialidade. Exceto pelo piloto escolhido pelo jogador, os demais são controlados pela inteligência artificial, que não faz feio e manda bem nas horas de necessidade. Também é possível um multiplayer local, com cada jogador assumindo um membro.

Corrida curta

O jogo conta apenas com modos básicos, sem grandes novidades. No local, é possível fazer uma corrida única, um Grand Prix de quatro etapas ou tentar bater o recorde de tempo de uma pista.

O principal aqui é o Team Adventure, que faz uso de uma história bobinha para justificar o porquê de todas as corridas e desafios. São sete capítulos com variadas provas que vão desde corridas únicas e torneios até desafios de coletar moedas e acertar alvos pelo circuito com mísseis.

A aventura é até bem simples e a repetição de desafios torna tudo um pouco enjoativo. A bronca maior fica por conta dos rivais, principalmente nos Grand Prix. Não importa o quão bem você corra, a CPU vai dar um jeito de usar um Team Ultimate ou disparar um míssil certeiro quando você estiver perto da linha de chegada. Isso irrita bastante, mas não é nada fora do normal.

De encher os olhos e ouvidos

O conjunto visual de Team Sonic Racing é bem trabalhado, trazendo diversos detalhes. As pistas tem um look bacana e vibrante, marca registrada dos jogos da trupe do ouriço.

Um defeito bem incômodo é uma estranha queda no frame rate em momentos aleatórios. Seja durante um Team Ultimate, em que a tela se enche de brilho, ou durante a largada, com a tela cheia de oponentes, a queda de quadros por segundo é brusca, mas dura pouco.

Outro destaque péssimo é exclusivo da versão para Switch. Ela é a única que não possui animação de abertura. Em comunicado oficial, a Sega disse que esse corte se deu por causa das restrições de armazenamento do cartucho.

Já a parte sonora é impecável. Trazer Jun Senoue para compor cada faixa foi uma sacada de mestre. Cada pista ganhou um tema que combina perfeitamente com cada curva e ajuda a empolgar, mesmo nos momentos em que a aventura se torna um pouco cansativa. Confira o tema de abertura, tocado por Senoue e sua banda, Crush 40:

Garagem brilhante

A customização dos veículos está separada em dois aspectos. No visual, pode-se escolher a pintura do carro e das rodas baseada em temas que são inspirados nos times e nas pistas. Também é possível escolher o tipo de pintura, adesivos diversos e buzinas. Nada disso influencia nos atributos do carro e as possibilidades de combinações são inúmeras.

Já a personalização performática é um pouco mais modesta. As partes que podem ser alteradas são dianteira, traseira e rodas. Cada piloto conta com seis modificações. Na verdade são três, com uma variação normal e outra lendária. A única diferença é que a lendária deixa o veículo com a cor dourada, mas tem os mesmos atributos que sua versão básica.

As peças liberadas trazem diferentes focos. O jogador pode escolher partes que priorizem velocidade, defesa ou direção. Também é possível misturar uma de cada, buscando a configuração que melhor desejar.

Tudo isso pode ser conseguido aleatoriamente em uma espécie de loja, onde se gastam créditos ganhos após cada corrida. Além das peças, esquemas de cores e adereços visuais, também é possível liberar itens específicos para a corrida, como mísseis triplos e raios laser.

Fora do pódio

Team Sonic Racing (Multi) consegue divertir a curto prazo. Sua mecânica em trios é uma ótima ideia, sem dúvidas. Porém, não poder variar seus integrantes, pelo menos nos modos livres, é algo que faz falta.

Os poucos modos extras também tornam o fator replay do jogo bastante dispensável. Partindo do ponto que a própria Sega já disse que não haverá nenhum conteúdo posterior, infelizmente Sonic vai acabar ficando para trás mais uma vez.


Prós

  • Funcionalidade em trios é divertida e os companheiros controlados pela IA não te deixam na mão;
  • Jogabilidade sem complicações e de fácil aprendizado;
  • Pistas cheias de detalhes e com visuais bem bonitos;
  • Customização visual é bacana e oferece inúmeras possibilidades divertidas;
  • Trilha sonora empolgante e música de abertura muito boa.

Contras

  • Poucos personagens. Não ter convidados deixa o elenco muito enxuto e é necessário a utilização de personagens sem carisma algum, como Zavok;
  • Não poder variar os personagens dentro dos trios. Cada piloto obrigatoriamente tem que ser acompanhado por seus dois companheiros de origem;
  • Customização de performance pouco influencia no desempenho do carro
  • Modo aventura curto e com desafios repetitivos;
  • Poucos modos de jogo;
  • Queda de frames por segundo em momentos aleatórios.
  • Versão para Switch sem animação de abertura.
Sonic Team Racing — PC/PS4/Switch/XBO — Nota: 7.0
Versão utilizada para análise: PS4
Análise feita com cópia digital cedida pela Sega
Revisão: Francisco Camilo

é pai do próximo Batman, tio de uma princesa e viúva da Sega. Só sabe jogar títulos de luta, se mata frequentemente em FPS e adora uma velharia (que todo mundo agora gosta de chamar de retrô). Ah, ele está esperando até agora pelo Ridge Racer dessa geração também.

Comentários

Google
Disqus
Facebook