Crônica

Tibia (PC): o mês que eu voltei a jogar meu primeiro MMORPG

O que faz alguém revisitar um jogo tão antigo em meio a tantos jogos novos a cada mês? Bom, aqui vou passar o meu relato sobre isso.

Tibia (PC) foi bastante conhecido aqui no Brasil no início dos anos 2000 e chegou a ser um dos MMORPGs mais jogados da sua época. Lançado em 1997 pela CipSoft, uma desenvolvedora alemã, o jogo de RPG online foi um dos primeiros do seu gênero e é um dos únicos que sobrevive até hoje com atualizações constantes e uma comunidade considerável. Porém, um questionamento sempre surge quando voltamos ao assunto “Tibia”: “como alguém ainda joga isso?”, muitos perguntam.

O fato é que Tibia já “enterrou” muitos MMOs muito mais novos que ele e, por incrível que pareça, não é só de jogadores nostálgicos que o RPG sobrevive. Na verdade, é possível encontrar muitos jogadores novatos hoje em dia em Tibia. O que deixa ainda mais dúvidas sobre o porquê de, mesmo com jogos tão avançados e gráficos exuberantes, ainda existirem pessoas que se interessam por um jogo aparentemente tão arcaico. Pensando em dividir com vocês um pouco desse questionamento, vou falar da minha experiência enquanto jogador, pois, mesmo com iguarias em casa como PS4, PSVR, uma coletânea de consoles e portáteis antigos e um notebook acima da média em configurações, eu, em pleno 2019, voltei a jogar Tibia.


Lá e de volta outra vez

Falando um pouco da minha experiência com Tibia, eu conheci o jogo no início de 2005, nos meus já distantes 13 anos de idade. Como a maioria dos garotos da minha geração, conheci Tibia pelo velho boca a boca das conversas de rua e lan houses. Com um computador nem um pouco potente numa época que a conexão discada era a regra, baixei os sofridos 20mb de jogo, criei um e-mail para me cadastrar no site oficial da Cipsoft e criei meu primeiro personagem.

Aquela época foi muito boa e me mantive firme no Tibia por mais de um ano. Parando às vezes e voltando logo depois. Com muitos amigos jogando e comentando sobre nossas aventuras no colégio ou na rua, não era difícil se manter jogando Tibia. Só parávamos de jogar quando a internet ou o tempo da lan house nos obrigava, e assim seguia a vida. O interessante é que eu nunca cheguei a ser forte com esse meu primeiro personagem, alcançando no máximo o nível 35, mas isso nunca me incomodou, pois eu realmente tinha uma espécie de vida dentro do jogo.



Após vários amigos pararem de jogar, lá quase em 2008, resolvi parar também. Continuei jogando outros MMORPGs como Perfect World, Ragnarok, Tales of Pirates, inúmeros servidores privados do próprio Tibia e até World of Warcraft. Entretanto, já em 2011, no início da minha faculdade, pasmem, eu voltei a jogar Tibia! Joguei com dois amigos e nesses personagens passamos do nível 40. Lembro que cheguei a alcançar o 47 dessa vez, mas novamente, nada muito “intimidador”.

Porém, devido a quantidade de jogadores com programas ilegais e o fato de um amigo ter sido hackeado no jogo, acabei novamente desanimando de jogar lá para o meio de 2012, depois de idas e vindas. E larguei meu personagem de vez. Passados nada menos que 7 anos, aqui estou eu de novo de volta em Tibia, com uma nova conta e um novo personagem.


Pensando que iria desanimar rapidamente de jogar, por conta do choque de não ter vários elementos que me faziam ter nostalgia com o jogo, acabei me encantando pelas atualizações e novos conteúdos do RPG. Assim, já estou jogando há mais de um mês e meio e não tenho pretensão de parar tão cedo. Inclusive, mesmo criando um personagem novo, já passei do nível 50 e continuo avançando bem mais rápido do que outrora. Vale lembrar que um dos meus amigos que jogava comigo em 2011 retornou também, com sentimentos bem parecidos com os meus. Mas ainda me pego pensando: por que eu voltei a jogar?

Carisma? Saudosismo? Nostalgia?

Um dos pontos mais óbvios do motivo de se voltar a jogar Tibia é a nostalgia. Para todos que jogaram o game entre 2000 e 2010, só de voltarmos ao site do jogo a nostalgia já surge. Isso porque Tibia, bem como World of Warcraft e Ragnarok Online é de uma época onde as pessoas não simplesmente jogavam MMORPGs, mas sim habitavam esses universos. O jogo tinha sua narrativa feita em sua maioria pelos próprios jogadores, o que dá um charme a parte para a jogatina.



Entretanto, não é só a nostalgia pura e simples que guia o jogador de volta ao Tibia. Digo isso justamente por ter diversos choques e problemas de adaptação com a versão mais nova do jogo. Atualmente aqueles que jogam apenas por nostalgia não ficam muito tempo nos servidores globais de Tibia, pois acabam procurando por algum servidor privado que rode o jogo na versão que o jogador estava habituado a jogar antigamente. Quem joga Tibia nos servidores da Cipsoft atualmente se adaptou aos novos conteúdos e facilidades do jogo, curtindo a experiência de forma não tão dependente à nostalgia.

Claro que ainda existe um pouco de saudosismo para quem jogou antigamente. Fazer runas com as classes mágicas, treinar habilidades de pesca, explorar masmorras perigosas e vários outros elementos ainda estão presentes no jogo. Além é claro do seu visual bem característico, que hoje em dia acabou por virar a identidade visual do jogo, que é atualizada com o tempo, mas não deixa de ter aquele jeitinho quadrado e em 2.5D pelo qual o jogo ficou tão popular (e impopular também).



Tudo isso torna o jogo mais carismático do que muitos conseguem imaginar. Seu layout baseado em janelas, sua tela reduzida, controles de movimento ainda pelas setas direcionais do teclado, magias que usam palavras mágicas digitadas para serem ativadas, NPCs que tem como ponto de interação falas específicas que os jogadores dizem, possibilidade de atividades aleatórias como fabricar alimentos, pescar, iluminar cavernas com magias e tochas, arrastar caixas, sacolas e mochilas pelo mapa e tantas outras coisas fazem do Tibia um jogo quase único.

Desafios e facilidades

Como já falamos por aqui há alguns anos, Tibia é um jogo difícil. Entretanto, o que era considerado por muitos como problemas de execução do jogo passou a ser melhorado pela Cipsoft até o ponto que temos desafios na medida certa no jogo. O game atualmente é consideravelmente mais convidativo a ser jogado por novatos do que foi em seus anos dourados. Com tutoriais na dose certa, bônus de experiência até o nível 50 e novas áreas até para os jogadores free to play.


Claro que nem todas as modificações foram encaradas de forma positiva pelos jogadores, mas em sua maioria, Tibia se tornou um jogo muito mais agradável de se jogar atualmente. Seja para velhos ou novos jogadores. Até mesmo a política da empresa contra jogadores que utilizam programas ilegais para gerar facilidades como bots e hacks melhorou, mesmo que ainda não esteja perfeita.

Mesmo assim, Tibia ainda continua sendo um jogo desafiador se comparado aos moldes atuais, com mecânicas de sobrevivência consideráveis (como a necessidade de comer para regenerar vida e mana), exploração completamente livre e pistas do que encontrar no mundo espalhadas pelo próprio mundo, sem um guia claro do que existe por aí. Além disso, temos alguns incentivos para se jogar em equipe bem diferenciados de outros MMO, como bônus de experiência para combinação de classes durante caçadas e necessidade das quatro classes em algumas missões de exploração. Isso também ajuda Tibia a se diferenciar de outros jogos da atualidade. Afinal, que jogo do gênero que atualmente incentiva a jogatina em equipe mesmo sem elementos como dungeons e raids


Mas nada é perfeito

Claro que nem tudo em Tibia é perfeito, assim como nunca foi. Primeiramente, adequar o ritmo de jogo à vida adulta não é nada fácil. Isso porque o Tibia ainda exige bastante tempo para se ficar forte. Entretanto, o tempo que às vezes depositamos em partidas online de MOBAs ou Battle Royales é o suficiente para fazer caçadas de criaturas que possibilitam uma boa progressão no jogo atualmente. Então é possível jogar de forma casual, só logicamente vai atrasar bastante o desenvolvimento do personagem.

Além disso, o pior elemento de Tibia até hoje são as famigeradas Premium Accounts. Isso porque os pacotes de assinatura com contas premium dentro do Tibia ainda são muito abusivas se comparada com outros jogos. Além de magias exclusivas, montarias exclusivas, possibilidade de alugar casas e até um território exclusivo gigantesco, o preço para tudo isso é mais caro do que a mensalidade de World of Warcraft, por exemplo.


Claro que podemos jogar de modo gratuito sem complicações. Porém é um tanto quanto desanimador pensar que as criaturas mais poderosas do jogo, bem como itens, missões e algumas magias serão inalcançáveis para nós, ao menos que paguemos pelo serviço premium. Mas isso é algo estabelecido no Tibia desde os anos 90, então é de se assumir que Tibia é sim Pay to Win, mas que tudo bem, ele já o é há anos o suficiente para quem joga aceitá-lo como é.

Lendas que deixam a comunidade ativa

Um elemento presente em Tibia que é raríssimo de ver em outros MMOs são os aspectos de RPG presentes em sua comunidade. Muitas vezes atualizações são feitas e áreas novas são liberadas sem necessariamente que a Cipsoft informe aos jogadores onde ou como chegar até elas. Claro que existem os territórios que são publicamente liberados. Entretanto, algumas zonas de caça podem ser consideradas secretas e até desconhecidas por muitos, pois dependem de jogadores literalmente descobrirem o local ou como acessá-lo, sem nenhum guia da desenvolvedora para isso.



O mesmo vale para itens escondidos pelo mundo. Tibia é um dos únicos RPGs online que mantiveram a cultura dos itens lendários ou quase únicos. Estes itens, muitas vezes, não são lendas simplesmente por terem uma chance de drop baixíssima ou por serem absurdamente difíceis de se conquistar (isso também temos no jogo). Na verdade, alguns destes itens estão visíveis para todos os jogadores, mas sem uma explicação de como acessar a câmara onde ele se encontra. Que jogador mais antigo que nunca ouviu falar das icônicas e lendárias quests do Golden Helmet, o mistério da espada Scalibug ou então os enigmas da Serpentine Tower.

Tudo isso deixa a experiência de jogar Tibia muito mais completa e divertida. Você pode fazer coisas no mundo que realmente batem com o RPG e não simplesmente ficar horas, dias e meses apenas passando de nível. Claro que é isso que a maioria ainda faz atualmente, muito pela influência que a indústria causou no jogo. Entretanto, Tibia tem muito mais a mostrar para os jogadores do que simplesmente passar de nível. E isso continua presente no jogo mesmo com o passar dos anos, ao ponto de Wikis sobre o título terem a opção "spoiler" que esconde a resolução das missões do jogo daqueles que preferem descobri-las sozinhos.


Porque eu ainda jogo Tibia?

Hoje, refletindo sobre os motivos que me fazem voltar a jogar, mesmo com inúmeros títulos novos e ultramodernos ao acesso da minha mão, só consigo pensar em uma resposta: a experiência única. Obviamente cada gênero de jogo possui suas convenções, ao mesmo tempo em que cada jogo individualmente possui suas características que o diferenciam dos demais. Entretanto, Tibia é muito diferente de tudo que já joguei. Sua aura, se é que posso chamar assim, é literalmente única, com comparações possíveis apenas com RPGs já "extintos" como Ultima Online (PC) ou então com jogos que surgiram a partir dele, como Zezenia Online (PC).

A combinação de uma comunidade que se manteve firme e também se reinventou ao longo de duas décadas com um jogo que insiste em permanecer com uma base muito parecida com aquilo que era há 20 anos atrás, Tibia oferece algumas experiências que nenhum outro jogo, seja ele de última geração, oferece. E isso faz com que, vez ou outra, eu acabe voltando para o Tibia, por não encontrar em mais lugar nenhum nada parecido com o que eu vejo nele, seja em jogabilidade, narrativa ou comunidade mesmo.



Particularmente não sei até quando continuarei jogando Tibia. Mas é muito provável que, mesmo parando de jogar, eu ainda revisite este mundo algumas vezes ao longo dos anos. O que Tibia conseguiu fazer é realmente invejável, pois com pouquíssima tecnologia se comparado aos jogos atuais, a Cipsoft conseguiu criar um mundo realmente dinâmico e vivo, que sozinho não vale de absolutamente nada, pois este é completado pelos seus jogadores e pelo uso que estes fazem do mundo. 

Tibia já passou por maus bocados ao longo dos seus mais de 20 anos de existência. Em 2019 o jogo completa nada menos que 22 anos e seu conteúdo continua sendo atualizado a todo vapor. Os top level continuam aumentando de nível cada vez mais e novos conteúdos continuam sendo adicionados com o tempo. Com uma quantidade média de 14 mil jogadores online diariamente, não é de se surpreender que Tibia ainda dure bons anos com seus servidores oficiais.



Por lá meu apelido é Urbo Rufnor, um sorcerer buscando o nível 60 que encontra-se em Belobra. Recomendo a todos que deem uma revisitada em Tibia ao menos uma vez, seja para ter certeza que nunca mais jogarão, seja para conferir o que mudou desde que vocês pararam. Ou quem sabe, matar a curiosidade de jogar uma verdadeira relíquea de uma época onde os MMOs não eram somente dungeons, PVPs e raids.

Gilson Peres é Psicólogo e Mestre em Comunicação pela UFJF. Está no Blast desde 2014 e começou sua vida gamer bem cedo no NES. Atualmente divide seu tempo entre games de sobrevivência e a realidade virtual.

Comentários

Google
Disqus
Facebook