Ubisoft na E3 2015: expectativas para a conferência

Apesar de previsível, a Ubisoft pode render boas surpresas na E3 2015.

Por um breve momento, eu fiquei muito tentado a simplesmente escrever “A conferência da Ubisoft nesta E3 será a mesma coisa de 2014, mas com lançamentos para 2015/16” e terminar o texto por aí. Haveria grandes chances de eu estar certo. De todas as grandes conferências para E3 2015, a da Ubisoft é provavelmente a mais previsível — até mais do que a da EA.


Entretanto, justamente por se esperar tão pouco da conferência da Ubisoft, ela é a empresa que tem mais potencial de surpreender. Ainda mais se considerarmos o grande portfólio da publicadora, além de sua já demonstrada capacidade de criar novas propriedades intelectuais. Mas antes de falarmos de todo esse potencial para surpreender, vamos lidar com aquilo que já sabemos que acontecerá.

O que já foi confirmado


Dois dos carros-chefes para E3 2015 foram revelados em E3 passadas. Tom Clancy’s Rainbow Six Siege (Multi), o FPS tático sendo desenvolvido pela Ubisoft Montreal, deu as caras pela primeira vez na E3 2014. Na época, foi uma surpresa bem-vinda, um desejado retorno da série Rainbow Six — que não via um grande lançamento desde Rainbow Six: Vegas 2 (Multi), em 2008. A apresentação do jogo ano passado foi bem completa, com bastantes detalhes da gameplay, então não há muito o que revelar este ano além de novos vídeos e imagens.

O caso de Tom Clancy's The Division (Multi) é ainda pior. Esta será a terceira E3 consecutiva que o jogo ganha os holofotes na conferência da empresa. Pelo menos The Division é uma série nova, então será interessante ver como anda o desenvolvimento do jogo de tiro com mundo aberto.

Como estamos falando da Ubisoft, é claro que não poderia faltar Assassin’s Creed. A presença da franquia anual, que certamente receberá boa parte da atenção, já estava confirmada antes mesmo dele existir — para a alegria (e, principalmente, ódio) de muitas pessoas. Dado o lançamento conturbado de Assassin’s Creed Unity (Multi), Syndicate terá bastante o que provar. É bem provável que a Ubisoft Quebec, estúdio responsável pelo jogo, gaste a maior parte da conferência tentando demonstrar que aprendeu com as lições do antecessor.

O que não foi confirmado (mas se aparecer não será surpresa)

Porém, ano passado tivemos dois Assassin’s Creed — Unity e Rogue. Este ano, podemos ter até três! Assassin’s Creed Chronicles (Multi), spin-off da série com jogabilidade de plataforma e stealth reminiscente de Mark of the Ninja (PC/X360), foi dividido em três capítulos. O primeiro, ambientado na China, já foi lançado. Nada impede que mais detalhes dos jogos planejados para Rússia e Índia sejam revelados.

Mas não se vive só de crenças assassinas. Outra série anual da Ubisoft que certamente aparecerá é Just Dance. Esse é o tipo de jogo que não precisa de confirmação para termos certeza que vai aparecer. Na verdade, surpreendente seria se um Just Dance 2016 não fosse revelado.

Um quinto capítulo da franquia Far Cry também é possível, provavelmente com lançamento para 2016. A empresa já fez pesquisas com os compradores de Far Cry 4 (Multi) sobre que localidade eles gostariam de ver o próximo jogo da série.
Por que não?

Falando em possibilidades, a aparição de um Watch_Dogs 2 também não surpreenderia. Boatos de que eles está sendo desenvolvido já rolam na internet há algum tempo, inclusive com supostos vazamentos de informação através do Linkedln. A Ubisoft já deixou claro mais de uma vez que planejava que o jogo se transformasse numa franquia — e, apesar de bom, o primeiro jogo tinha bastante potencial para melhorar, que pode ser usado em uma sequência.

O que talvez possa aparecer (mas não é certeza)

Em vez de dar sequência a uma IP nova, a Ubisoft poderia resgatar uma de suas franquias clássicas há algum tempo na geladeira… Sim, estou falando de Prince of Persia. O Príncipe não teve muita sorte na sétima geração: o Prince of Persia (Multi) de 2008, apesar de lindo e original, vendeu aquém do esperado; The Forgotten Sands (Multi) foi menos lindo e menos original, por conseguinte vendendo menos ainda. Mas já faz cinco anos e estamos numa nova geração. Talvez não seja a hora de um reboot? Inclusive, reboots estão na moda. Fica a dica, Ubisoft.

Outro veterano é Might and Magic, que completa 20 anos em 2016. Seu spin-off mais famoso, Heroes of Might and Magic, completa 15 anos ainda em 2015 e já tem o sétimo lançamento — Heroes of Might and Magic VII (PC) — programado para setembro. Na verdade, a única coisa que o impediria de aparecer é o fato dele, teoricamente, já estar entre nós: o beta do game já está disponível no Steam para quem fez a pré-compra.

Mas a Ubisoft não é feita só de grandes franquias clássicas e arrasa-quarteirões. Nos últimos anos, seus estúdios menores têm nos agraciado com jogos extremamente originais e bem-feitos, como Child of Light (Multi), Valiant Hearts: The Great War (Multi) e Grow Home (PC). A feira seria uma grande oportunidade para vermos mais projetos do tipo. Diga-se de passagem, Child of Light recebeu ótimas críticas e seus criadores disseram que tinham interesse em revisitar o mundo.

O que provavelmente não vai aparecer (mas vai que, né?)

Uma franquia clássico que infelizmente tem poucas chances de aparecer é Rayman. Mesmo sendo amada por muitos, seu último lançamento, Rayman Legends (Multi), vendeu pouco. É provável que o personagem fique algum tempo na “geladeira” até que seja resgatado de novo. No máximo, um novo título para smartphone similar a Fiesta Run deve aparecer.
Os jogos de Rayman para dispositivos mobile são ótimos, mas o que queremos mesmo é um jogo de plataforma tradicional novo!

Rayman não está sozinho nessa geladeira metafórica em que franquias que venderam pouco são colocadas. Ghost Recon e Splinter Cell o fazem companhia, sofrendo do mesmo mal: apesar de terem seu público, tiveram um último lançamento fraco em vendas.

Por fim, vale a pena citar The Crew (Multi). Em muitos aspectos, a nova propriedade intelectual é similar a Watch_Dogs: criada com a intenção de virar uma franquia, apresentou várias ideias interessantes, mas poderia ser bem melhor e seu potencial poderia ser aproveitado numa sequência. Há uma grande diferença entre os dois, entretanto: oito milhões de cópias. Enquanto Watch_Dogs vendeu cerca de dez milhões de unidades, The Crew vendeu “meras” duas milhões. Uma sequência para o título não é prioridade.

O que não vai aparecer

Beyond Good & Evil 2 não vai aparecer nem nesta, nem em E3 alguma. Nunca. Mesmo sendo um grande sucesso de críticas, o primeiro jogo foi um fiasco comercial e está no "inferno do desenvolvimento" desde 2003. Aquele teaser apresentado em 2008 durante a Ubidays tinha como único propósito nos dar falsas esperanças. O jogo ocupa o mesmo vão interdimensional compartilhado por Half-Life 3 e The Last Guardian, de onde não há saída.


Nope.
Em outra nota, Dark Messiah of Might & Magic 2 também não será anunciado, mas eu devo ser o único ser humano na face da Terra a se importar com isso.

A conferência da Ubisoft na E3 2015 acontecerá no dia 15/06, segunda-feira, às 19:00.

Revisão: Vitor Tibério
Capa: Peterson Barros

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook