Série The Witcher: tudo o que você precisa saber da história

Em preparação para o terceiro título da franquia, preparamos esse especial para deixar você por dentro da história dos jogos e livros, mas atenção, spoilers!

Baseado nos livros do escritor polonês Andrzej Sapkowski e produzido pela CD Projekt RED desde 2006, a série de videogames The Witcher ganhou muito espaço nos últimos anos e vem deixado muitas pessoas surpresas e ansiosas desde a revelação do último título da franquia, The Witcher 3: Wild Hunt. Tendo marcado e conquistado fãs por todas as partes do mundo, a série narra a história de Geralt de Rívia, um bruxo ou bruxeiro que sempre prefere por manter a neutralidade diante de escolhas e que possui o velho hábito do heroísmo, apesar de com ele vir seu preço.


Como muitas pessoas das que estão interessadas nunca jogaram nenhum dos jogos anteriores ou leram os livros, estarei explicando alguns dos detalhes de localidades, personagens e o que você deve esperar em termos de história. E sim, como a série de jogos se passa após os livros, o texto entrega muito da história dos dois, então esteja avisado e prossiga com cautela.

Atenção: Spoilers a seguir!

O que são os bruxos/bruxeiros?

Tirarei um trecho do Tempo do Desprezo, quarto livro da série:

"Bruxeiros - Denominação dada a bruxos entre os nortelungos (v.), casta de sacerdotes-guerreiros elitista e secreta, provavelmente uma facção de druidas (v.). Dotados, segundo a crendice popular, de forças mágicas e capacidades sobre-humanas, os bruxeiros enfrentavam maus espíritos, monstros e toda espécie de forças do mal. De fato, em virtude de sua maestria no manejo de armas, eram usados pelos governantes do Norte nas lutas intertribais. Uma vez em combate, os bruxeiros entravam num transe provocado, acredita-se, por hipnose ou ervas alucinatórias, lutando com cega energia e totalmente insensíveis a dor ou até graves ferimentos, o que reforçava a crença em seus poderes sobrenaturais. A teoria segundo a qual os bruxeiros seriam fruto de mutações ou de engenharia genética nunca foi comprovada. Os bruxeiros figuram como heróis em diversas lendas dos nortelungos (v. F. Delannoy, Mitos e lendas dos povos do Norte)."
Effenberg e Talbot, 
Encyclopaedia Maxima Mundi, Volume XV



Então, os "bruxeiros" são basicamente seres altamente treinados na arte da espada, alquimia e magias básicas (sinais), que possuem, durante seu treinamento, uma dieta à base de ervas que ajudam a melhorar o seu desempenho e mudam a estrutura do seu corpo. Essas ervas fazem com que o corpo fique mais resistente, sentidos ficam mais aguçados e a tolerância a elixires que normalmente seriam mortais a humanos, cresce. Porém, essas mutações os deixam estéreis, para que as mudanças genéticas não sejam passadas adiante. E são esses elixires e poções que os bruxeiros usam para caçar os monstros mais perigosos que ameaçam reis e camponeses: é possível enxergar na mais completa escuridão, adquirir uma audição e reflexo sobre-humanos, resistência a dor e regeneração, e a lista continua.

Entretando, eles são uma raça em decadência, pois, temendo sua força, muitos bruxeiros foram mortos em conspirações ou em exercício da sua função. E, já que apenas poucos dentre eles sabem o segredo das ervas que os fazem o que são, viraram figuras raras. Mas não pense que são tratados como heróis ou agem como tal, a maior parte das pessoas os tratam como monstros ou mercenários, pois possuem habilidades e aparência sobre-humana, o que instiga, na maior parte das vezes, medo.


E onde se passa?

Primeiramente, vamos entender as regiões e locais em que se passam a trama: o Norte é composto por vários reinos que são vitais aos conflitos políticos que se passam durante os jogos, os mais importantes são Aedirn, Cintra, Kaedwen, Kovir e Poviss, Líria e Rívia, Redânia, Temeria e as ilhas Skellige. Há ainda outros vários reinos dentre essa região nortenha, mas a importância deles não é tão grande quanto a dos citados, apesar de exercerem alguma influência. Para o sul está apenas o Império de Nilfgaard. Vale lembrar que Kaer Morhen é uma fortaleza de treinamento dos bruxos.

Os seus reis são Demawend de Aedirn, Henselt de Kaedwen, Radovid de Redânia (durante os livros é Vizimir), Foltest de Temeria, Esterad Thyssen da Casa Thyssen de Kovir e Poviss, Rainha Meve de Líria e Rívia e Cintra sendo comandada pelo Imperador Emhyr Var Emreis de Nilfgaard, antes de ser ocupada era comandada pela rainha Calanthe de Cintra, a leoa de Cintra.

Mas, por que estou te dizendo tantos nomes e localidades? Porque os reinos e seus senhores desempenham papéis muito importantes durante a trama dos jogos e livros. The Witcher não é apenas sobre seres fantásticos, mas em grande parte sobre política, similar aos jogos de poder de Game of Thrones. Então, em algum momento enquanto joga, irá ouvir ou ler alguns desses nomes.

O primeiro jogo da série se passa apenas em Vizima (capital de Temeria) e suas redondezas. Já o segundo se passa em Temeria (La Valette Castle), Aedirn (Vergen e Flotsam) e por último, Loc Muinne.

Personagens importantes



Geralt de Rívia: é o bruxo conhecido como Gwynbleidd, que significa "o lobo branco" em língua antiga (élfica). Protagonista da série e dado como o mais conhecido dentre todos os bruxos, Geralt tem uma sede natural de ajudar os que estão com problemas e aceita trabalhos que mal pagam o curativo de suas feridas. Não é meramente um mercenário, como muitos gostam de chamar os bruxos, e preza pela qualidade de seus trabalhos, além de possuir uma moral e código que não o deixam agir de qualquer maneira. Foi treinado em Kaer Morhen e, ao tomar os mutagênicos que o transformaram em bruxo, ganhou seus cabelos brancos.

Ele é dado como morto durante o massacre de Rívia ao sofrer um pogrom e Triss Merigold e Zoltan Chivay testemunham sua morte e dizem que o corpo nunca foi encontrado. Tempos depois, Geralt é encontrado e levado para Kaer Morhen sem memórias de seu passado. Nos acontecimentos do primeiro jogo, Geralt acaba de ser encontrado e está buscando recuperar sua memória e os artigos roubados de Kaer Morhen durante uma invasão.


Yennefer de Vengerberg: amante de Geralt e membro do conselho de magos, é uma mulher de belos cachos negros e presença intimidadora, sendo conhecida por sua imutável e indescritível beleza. É uma personagem vital para a trama do livro. Seu principal papel é treinar a jovem Cirilla nas artes da magia e também agir como uma figura materna. Sentimento esse evidenciado, principalmente, por sua obsessão em engravidar, coisa que por ser maga não pode, pois a maioria dos magos são estéreis. Era também conselheira imperial para o Rei Demawend de Aedirn. Geralt, por não ter memória do passado, não se lembra dela e nem a encontra durante os eventos do primeiro até o fim do segundo jogo. Vale lembrar que Yennefer, até então, também perdeu sua memória.


Triss Merigold: uma maga de belos cabelos castanhos acobreados que mantém um relacionamento próximo de Geralt e Yennefer. É interesse romântico de Geralt durante os dois primeiros jogos e potencialmente no terceiro. Porém, nunca foi a paixão do bruxo, lugar esse ocupado por Yennefer. Durante os jogos, Triss ajuda na recuperação das memórias de Geralt e tem um papel bem importante no segundo jogo. Vale lembrar que ela faz parte do conselho real de Foltest de Temeria.


Princesa Cirilla Fiona Elen Riannon, a leoazinha de Cintra: É a filha da princesa Pavetta de Cintra e Duny, de linhagem nilfgaardiana. É ligada a Geralt pelo destino como recompensa, quando resolve a maldição que deixava Duny com aparência de ouriço. Ciri é o prêmio do bruxo ao pedir "aquilo que você tem e não sabe" (lei da surpresa) para Duny, que acaba sendo a criança que Pavetta carrega em sua barriga. Após dizer que, futuramente, irá aparecer para reclamar seu direito pela criança, o bruxo acaba encontrando ela várias vezes ao acaso e se apega à garota, dando evidência ao destino dos dois, isso quando Geralt ainda não sabia quem era a criança.

Ao ter desistido de Ciri após descobrir que era menina e que assim não poderia se tornar um bruxo e seu pupilo, Geralt deixa a menina com a família, pois não tinha certeza de que seria útil levá-la. Após a queda de Cintra para o Império de Nilfgaard, Ciri, que estava sob os cuidados da avó Rainha Calanthe (Duny e Pavetta morrem em um acidente no navio em que estavam durante uma tempestade), desaparece e é depois encontrada pelo bruxo, novamente, por obra do destino. Só que dessa vez, Geralt resolve finalmente cuidar dela, pois vê de vez que estão ligados de verdade.

Ciri então é treinada na arte da espada e conhecimento dos bruxos em Kaer Morhen por Geralt e, logo depois por Triss (por pouco tempo, pois nota que não está apta para o trabalho) e Yennefer, que a ensina os básicos da magia e como controlar o seu poder de fonte (uma pessoa que já nasce com grande poder mágico), além de ser uma criança de sangue antigo. Ciri então, depois do treinamento com Yennefer e Geralt, descobre que tem um poder excepcional, bem maior do que o esperado. Cirilla some devido aos eventos do fim dos livros e agora retornou misteriosamente.


Emhyr Var Emreis: conquistador nato, adota políticas expansionistas e é o inteligentemente brilhante Imperador de Nilfgaard, o próspero império das terras do Sul, que declara guerra contra os Reinos do Norte. Nos eventos do livro, Emhyr está à procura de Ciri pelo simples fato de seu sangue estar atrelado à família real de Cintra. Com Ciri, ele poderia reinar por direito em um dos reinos estratégicos (faz divisa do norte e sul pelo rio Jaruga) e isso poderia ajudar a sua ocupação do Norte. Pule o seguinte se não quiser um spoiler massivo:

Spoiler!
Na verdade o que aconteceu foi o seguinte: Emhyr é, na verdade, Duny, o pai de Cirilla e marido de Pavetta, a antiga princesa de Cintra. Quando a maldição é quebrada por Geralt (foi feita por um usurpador ao trono, e o transforma em algo parecido com um ouriço humanoide), Emhyr volta a ser o verdadeiro herdeiro ao trono de Nilfgaard, então tenta secretamente levar Cirilla e Pavetta consigo para reinar em Nilfgaard. Porém, antes da viagem para seu trono de direito, Pavetta descobre a verdadeira identidade de Duny e temendo o pior, deixa Ciri em um local seguro. E sobre o acidente, não fica claro se Emhyr mata Pavetta em ódio pela traição, ou se ela morre na tempestade.
Fim do spoiler.

Tendo dito isso, Emhyr agora está em busca de Cirilla, pois conseguiu pistas de que ela reapareceu.


The Wild Hunt: A Perseguição Selvagem (de acordo com a publicação brasileira dos livros) é um grupo de espectros que são presságio de guerras e desastres, ou seja, quando eles são vistos, coisa ruim vai acontecer. Chamados de Aen Elle na língua antiga, possuem o ínfimo poder de atravessar dimensões e têm o hábito de raptar pessoas para se juntarem a sua cavalgada mórbida.

É dito no segundo jogo que, em algum momento, tanto Geralt quanto Yennefer foram sequestrados pela Perseguição Selvagem, mas lá vemos eles novamente nos jogos. Coincidência? Certamente não, algo que acontece durante os livros e é explicado no fim do segundo jogo mostra o que aconteceu antes de Geralt ser dado como morto. O fato de o Rei da Perseguição estar em busca de Ciri é mais profundo e complexo, e se dá, principalmente, por conta da profecia da criança do destino e os poderes que Ciri carrega. Só saiba que com ela a Perseguição Selvagem pode adquirir um poder terrível.


Dandelion: chamado de Jaskier nos livros brasileiros, é um dos mais influentes bardos do Norte e melhor amigo de Geralt. Formou-se na academia de Oxenfurt, onde, logo depois de começar a dar aulas, vê que é perda de tempo e sai pelo mundo para cantarolar poesias. Sempre canastrão e mulherengo, costuma confidenciar histórias de Geralt e narrá-las em suas músicas.


Inumanos: elfos, gnomos, anões, dríades e todo tipo de raça que não seja humana. São tratados com racismo e sempre vivem nas piores condições possíveis, o que gera muitos conflitos. Uma guerrilha de inumanos que tem muita participação em acontecimentos são os Scoia’tael (os esquilos, compostos em sua maioria por elfos), que por seu intenso ódio gerado pela discriminação sofrida, aliam-se a Emhyr var Emreis e fazem muito estrago pelo caminho.

Como ainda não lançaram todos em português, vai em espanhol mesmo.

E os livros?

São nove livros no total que contam a saga do bruxo Geralt. No Brasil, ainda estamos no quarto livro, e o quinto será lançado no segundo semestre de 2015. Os livros são, em sequência cronológica: O Último Desejo, A Espada do Destino, Sangue dos Elfos, Tempo do Desprezo, Batismo de Fogo, A Torre da Gaivota, A Dama do Lago (dois livros, parte um e dois) e Caminho sem Retorno.

E os primeiros dois jogos?

Vou ser bem simples e direto: para aproveitar a riqueza de detalhes dos primeiros jogos só tendo jogado, pois envolvem escolhas e uma porção de diálogos importantes que fica meio complicado de explicar em poucas linhas, então vou fazer um resumão bem por cima dos pontos importantes, lá vai:


O primeiro The Witcher (PC)

O primeiro The Witcher conta basicamente como Geralt, depois de acordar sem memórias em Kaer Morhen, persegue membros de uma organização que invadiu e roubou documentos sobre os métodos de poções e elixires para a transformação em Bruxos, de Kaer Morhen. Após perseguir os possíveis culpados por alguns capítulos e encontrar e derrotá-los, Geralt percebe que ainda há alguém por trás de tudo, mas, antes de conseguir saber disso, o Rei Foltest aparece para abafar uma rebelião que estava eclodindo em Vizima (entre inumanos e a Order of the Flaming Rose) e diz que se o bruxo o ajudar, terá as informações que precisa. A ajuda consiste em salvar sua filha bastarda novamente da maldição da Striga (ser gerado de magia negra e incesto). E, quando terminar, terá seu prêmio sem falta.



Tendo completado seu trabalho, Geralt volta ao Rei e descobre que o chefe da Order of the Flaming Rose que está por trás de tudo. Após confrontá-lo, Jacques (chefe da ordem) conta que fez isso pois queria criar humanos resistentes o suficiente para sobreviver a uma catástrofe que estava por vir, e os mutagênicos ajudariam. Tendo recusado a visão de Jacques, Geralt o mata.

Depois disso, no momento em que o bruxeiro volta para buscar sua recompensa e avisar que o culpado pela rebelião foi subjugado, Foltest de Temeria é atacado por um assassino e Geralt o salva, apenas para descobrir que o assassino era também, um bruxo. Foltest, no meio tempo, acaba nomeando Geralt guarda costas real, mesmo que de forma relutante pelo bruxo. E esse é o fim do primeiro jogo da série.


The Witcher 2: Assassins Of Kings (PC/Xbox 360)

Depois dessa deixa para um segundo jogo da franquia e seu título óbvio, O The Witcher 2: Assassins Of Kings começa de um modo muito mais caótico: logo na introdução, um dos bruxos assassinos do jogo anterior sobe num barco em que Demawend de Aedirn está e o mata sem cerimônia. Quando o jogo inicia de fato, Geralt, ao ser encontrado e capturado no meio de uma floresta por soldados temerianos sem se lembrar de nada que aconteceu, é levado para a prisão e acaba descobrindo que está sendo acusado de matar o Foltest de Temeria.

Ele, então, acaba se lembrando: antes de ser preso, Geralt e o Rei Foltest saíram em uma missão para recuperar os filhos do próprio Rei com a baronesa de La Valette (que era casada) e que estavam sendo mantidos em um monastério no Castelo de La Valette. O negócio é que quando eles chegam lá, o monge que estava cuidando dos garotos era na verdade um dos bruxos assassinos do primeiro jogo, que, diferentemente desse, consegue realmente matar Foltest. Geralt, pego com a mão na massa, é acusado de matar o Rei. E então começa a jornada do bruxo para se livrar da acusação e tentar nesse meio tempo reaver suas memórias.


Como o jogo é feito por missões que se ramificam a depender das escolhas do jogador, é muito complicado falar de maneira concisa sobre os eventos que transcorrem, pois vários eventos podem mudar durante a jogada se você escolher um lado diferente. Só para dar um exemplo do que acontece, as histórias envolvem maldições, contratos de monstros, conspirações e confrontos políticos em que os Reis Henselt e Radovid estão envolvidos. Isso tudo enquanto Geralt rastreia Letho, o assassino.

Ao fim do jogo, depois de se encontrar de vez com o assassino de reis, Geralt finalmente relembra a maior parte das suas memórias, inclusive do fato de que Yennefer tinha sido pega pela Perseguição Selvagem e que ele mesmo oferece sua própria alma em troca da liberdade dela, e Letho acaba contando a ele uma informação importante: Yennefer está em Nilfgaard possivelmente sem memória.

Após um embate com o bruxo assassino Letho, Geralt emerge vitorioso (ou não se você escolher não enfrentá-lo) e descobre que quem está por trás dos assassinatos é, na verdade, Emhyr Var Emreis, Imperador de Nilfgaard. Com isso, Emhyr pretendia jogar os reinos do Norte em caos para poder retomar a sua campanha de conquista dos reinos nortenhos, que havia sido paralisada em virtude de um acordo de paz. Isso também faz com que Emhyr possa agir com sua conquista de maneira mais fácil, já que o reino está em desordem e alguns reis foram mortos. E é assim que termina o segundo jogo.


O que esperar?

Com isso, ficamos esperando pelo terceiro jogo da franquia, quando Cirilla aparecerá novamente de maneira misteriosa e será caçada pela Wild Hunt e Geralt, este já tendo recuperado por completo as suas memórias. O jogo tem tudo para ser um dos melhores RPGs do ano, tanto para os amantes do gênero, quanto para os amantes de boas histórias.

Espero ter conseguido esclarecer detalhes dessa adaptação genial feita pela CD Projekt RED para aqueles que não tiveram a oportunidade nem de jogar ou de ler os livros. E que estejam tão curiosos e ansiosos como eu, para o terceiro e possível último jogo da série The Witcher.

E você, leitor, já conhecia a história de The Witcher? Conte-nos nos comentários.

Revisão: Jaime Ninice
Capa: Angelo Gustavo

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook