Hands-on

Project CARS (Multi) diverte, mas não surpreende

Apesar de prometer uma grande revolução nos simuladores de corrida, Project CARS parece ser mais do mesmo. Ainda assim, é divertido e tem belos visuais.

Em evento fechado para jornalistas, a Bandai Namco trouxe o tão esperado Project CARS para que nossa equipe pudesse testar. Rodando em um PlayStation 4, com volante e pedais, o jogo atraía a atenção de todos os que caminhavam ao redor. Prometendo grande dificuldade e sendo desenvolvido para todos os grandes consoles da geração atual, uma das grandes apostas dos criadores é a possibilidade de utilizar óculos de realidade virtual para tornar a experiência ainda mais realista.


Há muitos anos em desenvolvimento, Project CARS está sendo feito com a ajuda de diversos fãs e entusiastas de corridas através de fóruns na Internet. Apesar de em seu anúncio original ele ter sido previsto como lançamento para a geração anterior de consoles, no ano passado teve as versões de PlayStation 3 e Xbox 360 canceladas, migrando para o PlayStation 4 e Xbox One. Através de vídeos, o jogo tem como um de seus pontos fortes os gráficos extremamente bem trabalhados, mostrando grande semelhança com a realidade. Após atrasos e mudanças, o lançamento está previsto para março de 2015.
O título aqui descrito se trata de uma versão em desenvolvimento. A versão final pode diferir.

Gráficos espetaculares? Só no computador

Project CARS é enorme. Com mais de 60 pistas garantidas e centenas de carros customizáveis, há um modo história no qual será possível criar um piloto e fazê-lo subir na carreira. Cada carro e pista foram minuciosamente estudados para criar sensações únicas, fazendo com que haja diferenças em pesos, velocidades e muito mais. Jogá-lo utilizando equipamentos de simulação é mais do que uma experiência única — é algo que deveria ser essencial para todos os jogadores.
Durante o replay é possível ver o potencial do console: tudo fica muito mais bonito.
Não há como não julgar os gráficos antes de qualquer outro quesito. Por ter grande ênfase na sua divulgação, é esperado que encontremos um visual nunca visto antes em jogos de corrida. Curiosa, nossa equipe ficou atenta a todos os detalhes durante as três voltas percorridas em um carro de kart. Infelizmente, não ficamos surpresos com o que vimos.

Tendo em vista os vídeos já divulgados pela Namco, a versão apresentada para nós de PlayStation 4 apresentava diversos problemas. Algumas texturas, como a roupa do piloto e pedras na estrada, podiam pertencer à geração anterior de consoles. Além disso, mesmo estando muito bonito, ainda era fácil perceber que estávamos vendo um jogo, e não a realidade (nas propagandas do jogo, havia diversas comparações entre a imagem real e a digital, criada pela empresa). Mas isso não tiraria a diversão do jogo, já que há muito mais.

Não é só acelerar e frear

Durante as três voltas em um circuito na Califórnia, percebemos que o jogo leva a sério os elementos que o tornam um simulador. Mesmo sem aparentar os danos físicos, basta uma pequena colisão para que o veículo comece a se locomover diferentemente, o que dificulta o trajeto do jogador. O Force Feedback do volante, que reproduz as forças reais de um carro, fazia tudo ficar mais pesado quando a pista mudava de textura, e as curvas se tornavam extremamente leves quando em alta velocidade. Ainda assim, dirigir karts é algo mais simples do que carros pesados, então vencemos a corrida com facilidade. Nos divertimos e conseguimos nos empolgar com o lançamento. E garantimos: a inteligência artificial do game não facilita em nenhum momento, já que fomos jogados para fora da pista várias vezes.
Mesmo sem aparentar danos, todos os carros podem quebrar e parar de funcionar no meio de uma corrida.
Para que pudéssemos sentir a complexidade da física do jogo, resolvemos jogar novamente em outro veículo e pista. Desta vez, em um Mazda, vimos o quão diferente tudo pode se tornar. As curvas se tornaram pesadas e ficou muito mais fácil perder o controle. Algumas batidas foram o suficiente para que levássemos o carro ao pit stop (o que causou erros grotescos à câmera, que focou no céu e começou a girar em torno de uma nuvem), e quase não conseguimos completar a corrida. Apesar da frustração, isso apenas mostrou que o jogo está em boas mãos.

Imersão completa

A linda capa do jogo.
Mesmo gostando do que jogamos, tivemos a sensação de que a versão final ainda sofrerá modificações e que os visuais devem melhorar, ficando o mais próximo possível da qualidade dos computadores. Não sabemos como será jogar com controles convencionais, mas com o volante e os pedais a experiência será completa. Resta esperar a versão de Wii U, que deverá utilizar o poderio máximo do console, e a possibilidade de jogar utilizando a realidade virtual no PlayStation 4 e computador: tudo indica que finalmente poderemos nos sentir verdadeiros pilotos, sem que sejamos milionários para isso.

Project CARS será lançado para PlayStation 4, Xbox One, Wii U (este sem data definida) e PC no dia 17 de março de 2015.

Revisão: Luigi Santana
Capa: Felipe Araújo


Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google