Jogamos

Análise: Blackguards (PC) é uma aventura com muita ação, magia e tática

Em um mundo cheio de perigos e mistérios, você vai precisar planejar muito antes de desferir o primeiro golpe.


A Deadelic Entertainement já se firmou como uma empresa de games que adora jogos ao estilo “point n’ click”, como a trilogia Deponia. Mais recentemente, ela decidiu se aventurar pelo gênero RPG. Com uma proposta ousada, Blackguards foi lançado em 2014 para reviver uma das vertentes do RPG: a estratégia por turnos. Apresentando um enredo clichê mas uma mecânica bem trabalhada e muitas possibilidades de combate, Blackguards é um título interessante para aqueles que adoram investir horas planejando cada ataque com cuidado.

Estratégia é a chave para o sucesso

Blackguards não inova em seu enredo. Na verdade, o game tenta constantemente imergir o jogador na história que cerca os personagens da aventura, mas não consegue prender a atenção. Passando-se no reino imaginário de Aventuria, no Império de Horassia, o jogador controla o protagonista que é totalmente personalizável, desde seu nome até suas características físicas e classe de herói. Começando com um misterioso assassinato, o jogador deve desbravar as perigosas terras desse mundo ao lado de outros companheiros que encontra pelo caminho para descobrir a verdade por trás da morte de uma princesa. Enfim, a receita mais básica de um RPG.
Selecionando o caminho de seu personagem até o alvo, o combate se baseia na estratégia.

O jogo é fortemente baseado no clássico RPG de mesa alemão “The Dark Eye”. A equipe artística da Deadelic fez um excelente trabalho ao adaptar o imaginário em torno do jogo de tabuleiro para o mundo eletrônico. O visual do jogo é muito bem trabalhado e, em alguns momentos, é normal se perder nos detalhes de alguma construção ou mesmo no fundo. O level-design também foi trabalhado com cuidado, uma vez que o jogador não conta apenas com as posições no cenário para movimentar seu personagem mas também com elementos para utilizar em seu benefício, seja para o ataque ou para a defesa.
O visual de Blackguards é belo e muito detalhado.

O problema é o excesso de tutoriais no início do game. Apesar de essa ser uma prática muito comum na indústria de games atual (e algo que seria esperado no gênero RPG), o jogador não precisa de tantas explicações e dicas. Dado que o game funciona por turnos, a única coisa que o jogador precisa fazer é bolar uma estratégia, mover seus personagens e selecionar os ataques. Todo o resto deveria ficar por conta do próprio jogador para explorar e descobrir e não o game ficar a todo momento lhe dizendo o que fazer e o que não fazer.
Não são necessários tantos tutoriais para saber o que fazer no jogo.

Paciência é a maior das virtudes

Blackguards certamente traz uma brisa nova ao gênero de RPG por turnos, mas peca em elementos básicos que, além de tornarem o game pouco atrativo, exigem muita paciência do jogador. A primeira falha fica por conta do visual dos menus e dos ícones de seleção de ação do jogador. Não existe nenhum refinamento ou preocupação em deixar essa parte do game bonita ou atrativa ao jogador. Parece que simplesmente alguns ícones foram colocados com texto em formato padrão. O pior é que o tamanho da fonte é tão pequeno que não é inesperado ficar com a cara quase grudada na tela do computador tentando lê-los, isso para quem não tem nenhum problema visual. A falta do uso de cores nos menus e ícones é algo que consegue deixar o jogo esteticamente feio, principalmente quando se pausa para conferir o inventário ou personalizar as habilidades.
Os desenvolvedores poderiam ter dedicado mais tempo fazendo um menu de personalização mais agradável aos aos olhos.

Mesmo se tratando de um game do gênero RPG, no qual o jogador precisa estar preparado para passar muitas horas enfrentando desafios e melhorando seus personagens, Blackguard é um jogo extremamente lento. Unindo esse aspecto a uma história que não consegue conquistar o jogador, a experiência em geral pode se tornar entendiante. Apesar disso, se você não se importa em passar horas na frente do computador e quer ver qual o potencial de seus personagens, Blackguards é um prato cheio para um jogador entusiasta do gênero.
São muitas horas de caminhar, selecionar um ataque ou magia e esperar, esperar e esperar...

Prós

  • Possibilidades de estratégia;
  • Variedade de itens, habilidades e magias.

Contras

  • Menus pouco atrativos;
  • Excesso de tutoriais.


Blackguards - PC - Nota: 7.5

Revisão: Luigi Santana
Capa: Stefano Genachi


Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook