Jogamos

Análise: Super Time Force Ultra (PC) mistura ação frenética e viagem no tempo

Volte para o passado e ajude a si mesmo nesse maluco e divertido título indie que combina várias mecânicas distintas.


Viagem no tempo é um recurso muito explorado no mundo dos jogos, seja em uma aventura pelas eras como em Chrono Trigger (SNES/PS/DS) e Radiant Historia (DS); ou até mesmo como mecânica de jogabilidade, como no surrealista jogo de plataforma Braid (PC/X360/PS3). Super Time Force Ultra é um título de tiro e plataforma 2D no qual o tempo é uma ferramenta essencial para superar os desafios: a qualquer momento é possível rebobinar a ação para corrigir erros e ajudar a si mesmo. Lançado originalmente para as plataformas Xbox, a versão de PC recebeu um “Ultra” no nome e trouxe mais conteúdo.

Passeando nas eras e deixando tudo mais legal

Um cientista chamado Repeatski descobre a fórmula da viagem do tempo. De posse disso, no futuro, ele cria o Super Time Force, um grupo de heróis que viaja no tempo tentando impedir catástrofes. Depois de salvar o mundo de uma invasão de robôs malignos, Comandante Repeatski decide alterar a história e deixar tudo mais legal, por puro capricho — coisas malucas como impedir a extinção dos dinossauros (pois, segundo ele, os dinos são muito legais) ou como viajar para o futuro distante com o objetivo de baixar um plugin para ver um vídeo de gatinhos em seu computador.

Claro que essa bagunça toda não vai ficar impune. O grupo é confrontado a todo momento por Dr. Infinity, membro de uma força especial que luta para manter o equilíbrio do tempo e espaço do Universo — em outras palavras: ele tem como objetivo acabar com a festa e diversão do Super Time Force. Com várias referências à cultura pop, o humor é um dos pontos fortes do jogo, que é repleto de situações absurdas e diálogos bobos. A sensação é que todos, até mesmo o vilão, não levam a sério toda essa maluquice. O resultado é algo bem divertido.
O texto de Super Time Force Ultra é repleto de passagens divertidas

Rebobinando o tempo repetidamente

Em um primeiro momento, Super Time Force Ultra parece um shooter 2D nos moldes de Contra, afinal as únicas ações disponíveis são atacar (normalmente com armas de fogo) e pular. O que difere o jogo de outros títulos do gênero é a mecânica de viagem no tempo. Cada personagem sobrevive somente por 60 segundos, mas, a qualquer momento, é possível “rebobinar” a ação e recomeçar em qualquer ponto do passado. O mais interessante é que as ações executadas anteriormente não são perdidas: cópias dos heróis passados participam da partida atual de maneira simultânea, sendo que seus ataques e ações afetam o presente.

Voltar no tempo torna o jogo uma espécie de puzzle de ação, um “multiplayer co-op de um só jogador” — afinal todos os heróis têm que trabalhar em conjunto para superar as fases. No começo tudo é muito confuso e a tela vira um caos, mas com o passar do tempo as coisas passam a fazer sentido e mil estratégias legais surgem. Dominar essa mecânica é essencial, pois o tempo para concluir os estágios é bem apertado. Uma estratégia para vencer é a divisão de tarefas: um primeiro personagem pode derrotar os inimigos e coletar itens, liberando o caminho; já um segundo somente aproveita as ações do herói anterior e avança rapidamente pelo cenário, economizando segundos preciosos.

Os chefes apresentam os momentos mais interessantes do jogo. As batalhas contra eles são divididas em várias fases e é impossível derrotá-los em menos de 60 segundos. A solução, como era de se esperar, é voltar no tempo repetidas vezes, atacando simultaneamente e de ângulos diferentes. Cada trecho do combate é como se fosse um pedaço de quebra-cabeça, logo é necessário estratégia para ser rápido e sair vitorioso. Essas batalhas são intensas e divertidas. Fora da aventura principal, está o Helladeck: ele é um local repleto de desafios e puzzles, que exigem personagens e estratégias muito distintas para serem resolvidos. O mais legal desse modo é que ele apresenta várias situações complicadas e interessantes que não aparecem nos estágios principais. Prepare-se para passar muito tempo tentando resolver esses puzzles.

Salvando a si mesmo e a outros personagens exóticos

Super Time Force Ultra conta com vários heróis, cada qual com habilidades diferentes. Todos eles têm um ataque normal e um especial, que é ativado ao segurar o botão de ataque por um breve tempo. Jean Rambois usa uma metralhadora para dar fim rapidamente nos inimigos; a arma de Aimy McKillen lança projéteis que rebatem pelas paredes e um laser que atravessa inimigos e obstáculos; já Shieldy Blockerson usa um escudo que reflete projéteis. Esses são só alguns exemplos, sendo que vários personagens malucos podem ser desbloqueados, como: um dinossauro skatista vestido em uma camisa floral, uma espécie de Jedi gordinho de roupão e até mesmo figuras conhecidas como Merlin (vestindo somente uma tanga e uma capa). Essa versão do jogo conta também com personagens extras como Saxton Hale e Pyro de Team Fortress 2, e Zoey de Left 4 Dead. Com tantas habilidades diferentes, é possível montar diferentes estratégias para superar os desafios.

Outra utilidade de voltar no tempo é salvar heróis derrotados. Os personagens morrem com um único ataque inimigo, mas se você voltar para o passado e conseguir impedir esse fato, será possível absorver os poderes do herói salvo. Ao fazer isso, seu personagem atual ganha um ponto de defesa extra e é capaz de desferir o ataque carregado do personagem salvo, o que resulta em um golpe combinado bem útil. Voltar no passado, salvar a si mesmo e ainda unir forças é só mais um dos paradoxos malucos do jogo.
Salvar heróis abatidos no passado dá mais defesa ao personagem atual

Explosão de pixels

Os gráficos seguem o estilo retrô e conta com visual pixelizado, mas modernizado. Tudo é bem acabado e os cenários contam com vários pequenos detalhes interessantes. O maior destaque é a festa de cores que domina a ação depois de um tempo: é uma chuva de tiros coloridos e espectros de personagens, repleta de explosões e outras maluquices. Em um primeiro momento, é um pouco confuso visualmente, mas aos poucos você se acostuma e passa a apreciar o caos. A trilha sonora segue a mesma linha retrô, no estilo chiptune, com composições repletas de sintetizadores.

Desgaste no tempo e espaço

Super Time Force Ultra é bem divertido, mas conta com alguns defeitos. O principal problema está na duração das fases: elas são muito curtas e apresentam situações que podem ser resolvidas de maneira muito parecida. Vários segredos estão espalhados por elas e ajudam a diminuir sua simplicidade, mas não existem muitos incentivos para coletar todos os itens. Depois de alguns estágios, fica bem aparente a repetição de algumas situações.

Outra questão é a subutilização da mecânica de viagem no tempo: na maioria das vezes, ela só é utilizada para tentar corrigir erros e superar desafios que exigem muitos heróis atacando simultaneamente. Alguns poucos puzzles a utilizam de maneira interessante, mas na maioria das vezes basta ser rápido e cuidadoso. Felizmente os desafios do Helladeck trazem grande variedade de situações e enigmas.

Por fim, é complicado atirar nas diagonais, já que a mira é feita pela mesma alavanca utilizada para se movimentar. Isso é problemático em alguns momentos nos quais precisão é essencial — um ataque errado pode significar morte certa. Um esquema opcional de controles, com uma alavanca dedicada somente para mirar, seria uma boa alternativa.

Viagens no tempo nunca foram tão divertidas

Usar viagens no tempo em jogos de maneira interessante é uma tarefa complicada, mas, felizmente, Super Time Force Ultra consegue utilizar o recurso muito bem com uma mecânica muito bem pensada. É muito divertido voltar para o passado para corrigir erros e ajudar a si mesmo, sendo resultado uma aventura que é uma mistura insana de jogo de plataforma, puzzle e tiro. A mecânica de viagem no tempo é divertida, mas tem alguns custos: os estágios são curtos e a pequena variedade de situações podem deixar a experiência meio repetitiva. Mesmo assim, Super Time Force Ultra é uma experiência bem única e mostra como é possível trazer coisas novas ao gênero de plataforma.

Prós

  • Jogabilidade única, que mistura bem vários conceitos diferentes;
  • Visual retrô interessante;
  • Vários puzzles desafiantes no modo Helladeck;
  • Texto divertido.

Contras

  • A mecânica de viagem no tempo é um pouco subutilizada na aventura principal;
  • As situações podem se tornar repetitivas e previsíveis após algum tempo;
  • Alguns pequenos problemas com os controles.
Super Time Force Ultra — PC — Nota: 8.5
Revisão: Alberto Canen
Capa: Diego Migueis


é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de roguelikes, game music, fotografia e livros. Pode ser encontrado no seu blog pessoal e nas redes sociais por meio do nick FaruSantos.


Disqus
Facebook
Google