Perfil

Walt, o cãozinho de Valiant Hearts, será o seu melhor companheiro

Hoje vamos nos aprofundar na história do cachorrinho Walt, direto dos frontes de Valiant Hearts: The Great War.

Ao longo das eras, o ser humano empregou diversas espécies de animais em seus conflitos. Desde os cavalos, usados para montaria e meio de transporte, e até as aves, como o pombo correio, usados para a comunicação. Mas são os cachorros, conhecidos por serem o melhor amigo do homem, que vêm desempenhando um dos papéis mais fundamentais nas guerras travadas pela raça humana. No perfil de hoje vamos conhecer a história de Walt, um adorável cãozinho que conquistou os jogadores com sua simpatia.

Mais astuto do que a Lessie

Há séculos que os cães deixaram de ser meros animais de estimação. Devido ao seu nível de inteligência e sua facilidade de aprendizado e adestramento, os cães passaram a realizar as mais variadas tarefas ao lado de seus donos, em nome da lealdade e do companheirismo. E em tempos de guerra esse cenário não é diferente. Os cães compartilharam o mesmo dia-a-dia dos soldados, passando frio, fome ou se sacrificando no campo de batalha, sem nunca deixarem de cumprir o dever que lhes é dado.


Os cães exerciam inúmeras funções nos frontes, serviam de sentinelas, alertavam os soldados em situações de perigo, farejavam inimigos escondidos, detectavam minas terrestres, se infiltravam em locais inacessíveis para resgatar feridos e até mesmo carregavam mensagens ou suprimentos que precisavam ser entregues com urgência. No game Valiant Hearts: The Great War, Walt representa seus colegas caninos, que serviram na Primeira Guerra Mundial, transportando medicamentos e auxiliando os soldados no resgate de vítimas.


A raça de Walt não é especificada durante o gameplay, no entanto, ele aparenta pertencer à raça doberman. Walt possui pelo preto, com manchas em castanho nas patas, sobre a boca e ao redor de um dos olhos. Seu antigo dono era um dos médicos que tratavam das forças alemãs, servindo no regimento do Barão Von Dorf, o vilãozão representado no jogo. Durante a investida das forças britânicas a Neuve-Chapelle, em meio ao caos do bombardeio, Walt acaba se separando de seu dono e por obra do destino ele se depara com Emile, um dos protagonistas controláveis do jogo. Após resgatar Emile dos escombros, Walt passa a acompanhá-lo em sua jornada.

Mais obediente do que o Marley

Em Valiant Hearts, o jogador controla mais de um personagem principal, vivenciando a história por pontos de vista diferentes. Walt é o único personagem que não pode ser controlado diretamente, entretanto, o jogador pode lhe dar ordens por intermédio de comandos. Deste modo, o cachorro pode realizar várias tarefas, como, por exemplo, adentrar em locais inacessíveis para alcançar objetos ou cumprir objetivos, ou até mesmo distrair guardas inimigos para que o personagem passe despercebido por determinadas áreas. Afinal, quem é que consegue não se afeiçoar por essa carinha fofa?
Walt: "Já tá na hora do almoço?".

Não apenas mandando Walt obedecer a comandos, mas o jogador também pode interagir com ele, dando objetos para que ele possa transportar até determinados pontos ou até mesmo o recompensando com um cafuné ou coçando a barriga do bichinho. Em retribuição, o nosso companheiro de quatro patas vai alertar ao jogador sobre locais perigosos no cenário, latindo ou apontando para pontos importantes nos quebra-cabeças. Walt vai trabalhar em parceria com o personagem que você estiver controlando, buscando peças dos puzzles ou colecionáveis escondidos. Além disso, Walt pode mover alavancas ou se deslocar através de túneis para outros planos do cenário.


Mais corajoso do que o Rin-Tin-Tin

Um ponto curioso que percebemos logo de início é que Walt, inicialmente, fazia parte do exército alemão. Depois dos eventos em Neuve-Chapelle, Walt passa a trabalhar para o lado dos franceses, na companhia de Emile e Freddie. No entanto, mais para frente na história (não se preocupem, não soltarei spoilers), quando passamos a controlar Anna a enfermeira belga Walt volta a ajudar o exército germânico, tanto que, inclusive, o cachorrinho passa a acompanhar Karl, um jovem soldado alemão e genro de Emile. Isto se deve ao fato de que Walt, por ser um cachorro, não diferenciar alemães de franceses. Aos olhos do animalzinho, são todos humanos, independente de sua nacionalidade ou aliança política. Walt não é fiel a uma bandeira, ele é fiel ao ser humano, principalmente quem estiver em apuros, necessitando de sua ajuda, seja aliado ou inimigo. Walt foi adestrado para salvar pessoas e ele cumpre sua tarefa com uma lealdade incondicional.
Anna e Walt: afinal, todo o cão adora pôr a cara para fora da janela do carro.

Bem, meus amigos, vamos encerrar por aqui. Mas agora é a vez de vocês. Escrevam aí nos comentários qual foi a experiência que vocês tiveram ao jogarem com o Walt. Ou não me digam que vocês preferem gatos?

Revisão: Luigi Santana
Capa: Daniel Silva

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook