Perfil

O que você sabe sobre GLaDOS, seu monstro?

Criada pela Aperture por volta de 1982, GLaDOS se tornou uma vilã icônica. Sua personalidade sarcástica e homicida ficou famosa nos jogos... (por Marcelo Alonso em 11/04/2013, via GameBlast)


Criada pela Aperture por volta de 1982, GLaDOS se tornou uma vilã icônica. Sua personalidade sarcástica e homicida ficou famosa nos jogos Portal e Portal 2. Passou de supermáquina a uma batata e voltou como uma supermáquina um pouco mais consciente. Sabe cantar e já até emprestou sua famosa voz para o trailer de um filme. Conheça aqui a história da vilã mais carismática da Valve, seu monstro.

O projeto da Genetic Lifeform and Disk Operating System (forma de vida genética operada por disco), agora conhecida por GLaDOS, começou em meados da década de 70, sendo abortado mais tarde por Cave Johnson devido a indicações de comportamento homicida. Foi retomado em 1982, possivelmente por Cave não se lembrar dos motivos que o levaram a abandoná-lo, já que fora envenenado pelas pedras lunares usadas nos testes do projeto Portal.

“Esse teste foi um erro. Se fossemos você, desistiríamos agora.”


Em 1986, devido a constante rivalidade entre a Aperture e a Black Mesa, surgiu a necessidade de acelerar o projeto Portal e, assim, a construção da primeira versão de GLaDOS foi iniciada. Uma década depois, Cave Johnson, já com o pé na cova, decide fazer um “upload” de sua consciência para o componente de forma de vida da máquina. Infelizmente, ou felizmente, Cave Johnson faleceu antes de conseguir ser “instalado”. Sabendo que não conseguiria durar todo esse tempo, deixou instruções para que Caroline, sua assistente, ficasse no lugar dele. Assim ela comandaria a empresa por toda a eternidade; se isso foi feito ou não com seu consentimento permanece um mistério.

Em 1998 começaram os testes de ativação da GLaDOS. Todas as tentativas de ligar a máquina foram rapidamente abortadas devido aos impulsos de assassinar todo mundo durante apenas “um sexto de picosegundo”. Assim começaram produções dos núcleos de personalidades, tentando controlar a tendência homicida inerente a ela. Vários desses núcleos foram adicionados e outros acabaram em algum depósito da empresa, sendo que um deles, Wheatley, é designado mais tarde a cuidar dos humanos no Centro de Relaxamento Extendido, que é onde Chell acorda no segundo jogo.

“Se passar mal por sede, sinta-se à vontade para desmaiar”


Após um incidente misterioso no dia do “Traga sua filha para o trabalho”, um núcleo de moral foi adicionado à GLaDOS e pouco tempo depois ela afirmou ter desistido da sede de matança, agora tudo o que importava era a ciência. Sendo assim pediu aos engenheiros para que a deixassem fazer um teste no dia do “Traga seu gato para o trabalho”. Algo envolvendo caixas e gatos, uma clara alusão ao experimento de Shrödinger. O único item que faltava para o teste era um pouquinho de neurotoxina e os cientistas concordaram desde que fosse tudo “pela ciência”. Em meados dos anos 2000 GLaDOS conseguiu a substância, seu comportamento agressivo retornou e no dia do “Traga seu gato para o trabalho” ela fechou as saídas da empresa, aprisionando todos e inundando o lugar com neurotoxina.


“O regulamento me obriga a avisar que o próximo teste... está muito bom!”


Assim começou o reinado da vilã na Aperture. Usando os funcionários aprisionados como cobaias, ela adquiriu um vício em experimentar, se divertindo com o medo dos seus “ratos de laboratório”. Só que um dos cientistas, mais tarde apelidado como “ratman”, fugiu do cárcere e andou pela empresa através de corredores e acessos que GLaDOS não monitorava, manipulando assim a planilha de objetos de teste, e despertando Chell. Ela, que antes havia sido rejeitada por sua tenacidade, é guiada e enganada pela vilã até ser forçada a caminhar para a morte em um incinerador. Usando a arma de Portal Chell consegue escapar e chega até o centro de inteligência artificial, onde GLaDOS comanda a po... empresa toda.

Após a longa batalha, Chell e GLaDOS voam pelos ares até o estacionamento da Aperture. Com ambas desacordadas, um Robô de Escolta aparece e leva Chell de volta para o Centro de Relaxamento Extendido. Enquanto isso o sistema de backup de GLaDOS ativa uma sala cheia de Núcleos de Personalidade e envia uma carta a Chell dizendo que “Ainda está viva”.


“Estive muito ocupada. Sabe, depois que você ME MATOU.”


Por um erro de Wheatley, enquanto ajudava Chell a escapar, GLaDOS acorda. Logo os dois conseguem substituir o núcleo de GLaDOS por Wheatley que subitamente se comporta de maneira agressiva. Como vingança ele coloca GLaDOS em uma bateria feita com uma batata e uma nova jornada começa para a vilã.

Resgatada das garras de um pássaro por Chell, as duas percorrem várias câmaras da Aperture. Ao encontrar um quadro de Caroline e Cave Johnson, ela se pergunta por que os dois lhe parecem tão familiares. Depois de longo silêncio, por parte de GLaDOS, claro, ela começa a lembrar de suas origens e como foi a consciência de Caroline que permitiu sua criação. Ela explica como a personalidade dela se manifesta como uma espécie de consciência e isso é extremamente desagradável.

“Salvar você me ensinou uma lição: onde Caroline fica no meu cérebro. Adeus, Caroline.”


Ellen Mclain, GLaDOS para os gamers
Após Wheatley quase destruir toda a Aperture, GLaDOS, com ajuda de Chell retoma o controle da empresa. Ela explica a Chell que eliminar Caroline do seu cérebro lhe ensinou uma importante lição, a solução para um problema normalmente é a mais fácil. Como matar Chell foi algo muito difícil GLaDOS decide expulsá-la de lá e a manda de volta para a superfície.

Recentemente GLaDOS, dublada por Ellen McLain, fez uma participação no trailer do próximo filme de Guillermo Del Toro, Pacific Rim. Del Toro pediu e conseguiu aprovação da Valve para isso e explica que apesar de Ellen McLain atuar como um I.A. no filme, foi apenas para o trailer que a voz de GLaDOS aparece e nas telonas não se parecerá com a personagem.

Confira:



Jogos em que aparece:
  • Portal (2007)
  • Portal 2 (2011)

Revisão: Bruna Lima
Capa: Vitor Nascimento

Marcelo Alonso é formado em Cinema pela Faap. Seu sonho é que a linha entre cinema e videogames fique cada vez menos perceptivel. A vontade de discutir sobre o assunto o levou a escrever textos para o Blast. Pode ser achado no Facebook e no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook