Jogamos

Análise: Dungeonland (PC), o impiedoso parque de diversões para heróis

No dia-a-dia de um herói de dungeon crawler é rotineiro explorar cavernas e calabouços, derrotar inimigos impiedosos, caçar dragões e, s... (por Unknown em 10/04/2013, via GameBlast)


No dia-a-dia de um herói de dungeon crawler é rotineiro explorar cavernas e calabouços, derrotar inimigos impiedosos, caçar dragões e, se tudo correr bem, juntar o dinheiro que faltava para comprar aquela espada nova com o mercador da cidade. O problema disso tudo é que nem sempre é possível encontrar novas aventuras nas mesmas masmorras em meio a tantos mundos virtuais. Para resolver essa questão os cariocas da Critical Studio resolveram desenvolver Dungeonland (PC), o parque temático perfeito para guerreiros, paladinos e magos. Um hack’n’slash com bons conceitos, um modo multiplayer fantástico e uma dificuldade assustadora para os padrões atuais.

Sejam bem-vindos heróis errantes 

Dungeonland, como dito anteriormente, é um hack’n’slash cooperativo para computadores (PC e Mac) desenvolvido pela equipe de doze brasileiros da Critical Studio. O game que foi lançado no início desse ano pela Paradox Interactive é o primeiro game produzido em terras nacionais a chegar ao Steam (e em outras plataformas internacionais) com relativo sucesso, ganhando destaque entre grandes títulos e configurando entre os mais vendidos em sua semana de estreia.


No jogo devemos escolher uma entre as três opções de parques para se aventurar ao lado de outros dois personagens formando um grupo de guerreiros que deverá vencer os obstáculos do maléfico Dungeon Master em mais típico dia na disneylândia dos heróis. Entre três classes distintas (Mago, Ladino e Guerreiro) os candidatos a aventureiros devem tentar progredir nas mais diversas fases dos mapas de Dungeonland até onde conseguirem se manter vivos ou completar o mapa — esse último caso sendo o mais improvável. 

Um pouco mais simples, mas nem por isso é mais fácil

Um fato que logo de cara irá chamar a atenção de fãs de jogos como Diablo (PC) e Torchlight (PC) é a falta de um complexo sistema de perks ou mesmo níveis de personagens. Aqui temos a total liberdade de a cada nova partida trocar o nosso protagonista ou mesmo seus itens e habilidades sem temer perder o seu progresso na aventura. O upgrade dos heróis, tal como sua customização acontece através da compra de novos itens — adquiridos por moedas do jogo. Por exemplo, além da opção padrão de magia, o mago possui outras duas habilidades que podem ser desbloqueadas. Aliado a isso, o jogador pode comprar perks e poções que funcionam de maneiras semelhantes à habilidades passivas de outros games dando bônus em atributos específicos como pontos extras de dano, maior velocidade ao personagem e por aí vai.
Uma ovelha pode ser um item importante na sua estratégia
De certo modo podemos dizer que Dungeonland é mais simples do que outros representantes do gênero dungeon crawler. E isso é proposital. A dificuldade do game não vem de sua complexidade e sim do desafio que ele proporciona. O foco aqui é criar um grande modo cooperativo e para isso a interação e união dos personagens é fundamental. Não existe nenhum tipo de competitividade no trio de aventureiros, pois não há pontos de experiências que gerem a ganância. O ouro é divido igualitariamente e os únicos itens que são "dropados" servem para curar os heróis. Querer se dar bem as custas dos outros jogadores roubando os únicos itens que aparecem no jogo pode ser uma grande roubada, já que a vida dos personagens é compartilhada. Dependendo do nível de dificuldade os jogadores irão iniciar a partida com um número X de corações. Quando esse corações se esgotam a partida acaba imediatamente mesmo que outros personagens ainda estejam vivos. Em Dungeonland o coletivo é o mais importante e isso torna as coisas muito mais divertidas quando precisamos nos preocupar com fatores que usualmente não estamos nem aí.

 Vários modos de se jogar 

Antes mesmo de fazermos nossas escolhas de personagem, equipamentos e habilidades, devemos decidir como vamos encarar nossas aventuras por Dugeonland. Basicamente podemos optar por três modos de viver essa experiencia de jogo nos computadores: sum jogador offline, multijogador offline e multijogador online. Pode parecer estranho essa diferenciação entre singleplayer e multiplayer offline, pois raramente jogos de PC apresentam a possibilidade de mais de um jogador por máquina. E nesse quesito a Critical Studio conseguiu um feito e tanto ao permitir que os jogadores experimentem partidas locais com até três jogadores em modo cooperativo desde todos estejam devidamente equipados com controles.
Vamos brincar de o mestre mandou?
Já no multiplayer online, além do tradicional modo cooperativo para até três jogadores com cada um dos jogadores em suas respectivas residências, existe ainda a possibilidade de um quarto jogador entrar na brincadeira através do modo Dungeon Master. Aqui um dos jogadores assume o papel de mestre do RPG ditando as regras, controlando o cenário e invocando criaturas para impedir o progresso dos outros heróis da aventura. Esse modo inclusive parece ter sido imaginado para o novo console da Nintendo, o Wii U. É impressionante como os desenvolvedores da Critical conseguiram criar um multiplayer assimétrico tão incrível que infelizmente fica reservado ao modo online dos PCs.

Até parece desenho animado

Girafacornios
O maior mérito da equipe da Critical Studios é talvez a sua direção artística. Com gráficos cartunescos os designers conseguem corroborar todo o clima bem humorado e simplista do game. Ao mesmo tempo em que temos uma das melhores animações de derramamento de sangue dos cartoons que remetem satisfatoriamente ao nível de brutalidade e dificuldade que o jogo apresenta. Isso sem distrair o jogador para outros detalhes do cenário se não aquele que é seu objetivo principal: progredir o maior percurso possível derrotando os principais inimigos daquela fase.

É difícil sobreviver nessa terra 

Um dos pontos mais controversos é seu elevado nível de dificuldade. Mesmo os níveis mais simples apresentam um desafio que pode afugentar até mesmo jogadores experientes. O jogo exige um rápido aprendizado não só dos conceitos básicos do game como também de estratégias de combate para enfrentar os mais diversos inimigos na progressão de cenários. E isso nem sempre acontece na mesma velocidade que os adversários te atacam de modo que será natural muitas derrotas da equipe até que se alcance um resultado ideal. Então não se espante se alguém lhe disser que desistiu desse jogo devido a sua dificuldade, pois é necessário ser insistente com um jogo onde o nível mais ameno é o difícil (hard).

Além disso, a inteligencia artificial dos bots é deplorável. Os personagens controlados pelo computador, enquanto adversários, não apresentam grandes problemas. O mesmo não pode ser dito quando a máquina é seu aliado. A cada bot na sua equipe a dificuldade do game aumenta em nível, pois com certeza você perderá algumas vidas preciosas por culpa dele.
Dependo do modo como você jogar essa tela será uma constante
Outro ponto negativo que merece ser citado foi a dificuldade pela qual eu encontrei em disputar partidas online sem que nenhum dos personagens fosse um bot. A situação ainda ficava mais drástica toda vez que tentava me aventurar no modo Dungeon Master. Nada que uma reunião entre amigos não resolva, mas se você tem o costume de jogar sozinho, esse não é um jogo para você.

 Vamos tirar umas férias em Dungeonland 

Se você é um amante de “dungeons crawlers” ou mesmo de um bom desafio, Dungeonland pode ser a opção certa para você. Principalmente se levarmos em conta seu preço de R$16,99 e a promessa do contínuo apoio dos desenvolvedores por um bom tempo com novas atualizações. Mas lembre-se que esse é um game feito para se apreciar o multiplayer com pelo menos mais dois amigos. Do contrário será entediante e cansativo.

Prós

  • Multiplayer altamente divertido e viciante; 
  • Possibilidade de jogar localmente com até mais dois amigos na mesma máquina; 
  • Baixo valor (R$16,99) em comparação a grandes títulos do gênero.

Contras

  • Pouca diversidade de mapas; 
  • Inteligência artificial do game deixa a desejar; 
  • Dificuldade elevadíssima pode afastar novos jogadores.


    Dungeonland - PC - Nota: 7,0

  • Capa: Douglas Fernandes
    Revisão: Leandro Freire

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.