A trajetória de Street Fighter: Os cinco rounds pela busca do mais forte

Relembre os jogos da série principal que transformaram Street Fighter em um fenômeno dos videogames.

Com o lançamento de Street Fighter V, temos o retorno de uma das séries mais importantes da história dos videogames. Seus personagens, golpes e mecânicas transformaram a indústria e serviram de parâmetro para a consolidação do gênero de lutas. Pensando nesse lindo legado, relembramos a história da série principal pelas sucessivas gerações de videogames até chegar ao episódio V. Pronto para a luta?

Street Fighter

Foi em 1987, nos arcades japoneses, que Street Fighter surgiu para o mundo dos videogames.  Em uma época em que os Shooters e os jogos de ação dominavam as casas de jogos, Street Fighter mostrava a saga de Ryu, um jovem carateca que viajava pelo mundo batalhando contra os melhores lutadores de cada país.


Suando a camisa
A Capcom lançou o arcade de Street Fighter em duas versões. A normal, com o direcional e seis botões. E uma versão de luxo, com o direcional e dois enormes botões hidráulicos que reagiam de acordo com a força com que o jogador batesse neles — fraco, médio ou forte.
A premissa é simples, mas o suficiente para colocar frente a frente dois poderosos lutadores em batalhas frenéticas. O conceito até já existia na época, mas adquiriu profundidade com o estranho jogo da Capcom. Por exemplo, os especiais, o modo de defesa e os seis botões de ação serviram de base para o futuro das lutas virtuais.

Street Fighter II The World Warrior

Durante a década de 1980, os fliperamas eram dominados por jogos cujo único objetivo era atingir a maior pontuação. Era comum a galera se vangloriar por ter a maior pontuação registrada na máquina. Mas esses dias de calmaria estavam contados. Em 1991, o mundo dos videogames ficou um pouco mais competitivo, pois surgia Street Fighter II.

Para todos os gostos
Sucesso de público e crítica, Street Fighter II recebeu diversas versões, ports e aprimoramentos, tornando-se fonte de receita quase inesgotável para a Capcom. Por exemplo, SFII foi lançado com diversos acréscimos e melhorias ao longos dos anos, sempre como se fosse um novo título. Street Fighter II': Champion Edition (1992), Street Fighter II' Turbo: Hyper Fighting (1992), Super Street Fighter II: The New Challengers (1993), Super Street Fighter II Turbo (1994) e Hyper Street Fighter II: The Anniversary Edition (2003) fizeram a alegria — e esvaziaram carteiras — de jogadores por anos.
Após o estrondoso sucesso nos arcades, tornando-se mania mundial, as brigas virtuais invadiram os consoles domésticos. Foi no Super Nintendo que Ryu, Ken e todos os participantes do World Warriors se consagraram como símbolos de uma geração. Nessa segunda edição, a jogabilidade estava mais fluida e os comandos respondiam com mais agilidade. A adição de combos, novos lutadores e trilha sonora arrebatadora indicaram o caminho da consagração do gênero de luta e da própria franquia.

Street Fighter III New Generation

Em 1997, os combates de rua voltavam com estilo. Lançado primeiro para os arcades, Street Fighter III trouxe diversas alterações em comparação com seu antecessor. Dessa vez, apenas Ryu e Ken eram velhos conhecidos da galera. Todos os outros lutadores eram inéditos na série, como Sean, Elena, Alex e Gill. O enredo, aliás, trata de acontecimentos futuros aos vistos no segundo título.

Impacto de sobra
Com o sucesso comercial das diferentes versões de SFII — foram vendidas 6,2 milhões de cópias —, a Capcom não demorou para trazer novas versões do terceiro título da série. Street Fighter III: New Generation (1997), Street Fighter III: 2nd Impact - Giant Attack e Street Fighter III: 3rd Strike - Fight for the Future (1999) tornaram-se sucesso, principalmente entre os jogadores do cenário competitivo e donos do saudoso Dreamcast da Sega.
Além de diversos novos lutadores, a Capcom encheu a experiência de jogo com novidades. Entre as mais drásticas e marcantes estão: a barra de Stun (quanto mais dano levado, mais a barra de especial enche); os Super Arts (golpes especiais que gastam a barra de energia); e o Parry (tipo de defesa capaz de bloquear qualquer ataque sem perder dano). Essas novas mecânicas, aliadas aos visuais impressionantes, transformaram SFIII em mais um jogo de luta sublime.

Street Fighter IV

Praticamente uma década desde o último título canônico, Street Figther enfim retornava aos videogames. Misturando o melhor de tudo que a série apresentou até então com novos conceitos e visuais, o título trouxe a franquia de volta ao topo dos melhores jogos de luta dos videogames (Xbox 360 e PlayStation 3) e arcades, tornando-se sucesso absoluto nos no cenário competitivo e originando uma nova geração de fãs.

Mantendo a tradição
Como de costume, novas atualizações da série foram lançadas em forma de jogos novos. Acrescentando novos personagens, cenários, modos de jogo e balanceado os combates, SFIV recebeu as versões Super Street Fighter IV (2010), Super Street Fighter IV - Arcade Edition (2010) e Ultra Street Fighter IV (2014).
Seguindo a trama do segundo jogo, Street Fighter IV acontece um ano após o lendário World Warrior Championship. Não à toa temos todos os lutadores de SFII no elenco. Além de velhos conhecidos, o jogo apresentou inúmeras novidades — Ultra Combos, Focus Attack, visuais 2.5, modo online e — conceitos utilizados por jogos anteriores — Super Combos, EX moves. Era o retorno que a série precisava.

Street Fighter V

Oito anos depois do retorno triunfal da série, chega o momento de mais um World Warriors. Passando-se após os acontecimentos de SFIII, Street Fighter V apresenta 16 lutadores, sendo 12 deles velhos conhecidos, e quatro inéditos. Vale destacar algumas mudanças chocantes, como o visual reformulado de Ken e a aparência envelhecida de todos os personagens (Dhalsim com uma longa barba branca, por exemplo).

Difícil de acreditar
Segundo a própria Capcom, Street Fighter V não terá diversas versões como os seus antecessores. A ideia inicial é lançar conteúdo pago como DLCs e atualizações para o próprio jogo. Ou seja: nada de versões Super, Ultra ou Megablasters. Será mesmo?
O sistema de luta promete manter o elevado padrão estabelecido pelo título anterior ao mesmo tempo que tentará emplacar novas mecânicas. Algumas delas são: V-Skills (habilidades especiais diferentes para cada personagem), V-Trigger (gasta toda a barra para dar buffs nos ataques do personagem) e o V-Reversals (counters executados com uso da V-gauge que podem ser feitos no meio do ataque adversário).

Lançado para PlayStation 4 e PC, Street Fighter V tem tudo para manter vivo o legado de uma das maiores série de videogame de todos os tempos e animar os eternos confrontos entre lutadores virtuais. Calce suas luvas e prepare-se para a luta.
Revisão: Gabriel Verbena 

Ítalo Chianca escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais