Discussão

A iniciativa do Cartoon Network na luta contra o bullying

Quem disse que aplicativos servem apenas para entretenimento? Junte-se ao Cartoon Network na campanha contra o bullying!




Todo mundo já presenciou, sofreu, ou pior, praticou bullying em diversos momentos de sua vida. Isso é inclusive recorrente na internet, onde há um nome especial para esses casos: cyberbullying. Em qualquer meio da sociedade, esse tipo de agressão é extremamente negativo para todos os envolvidos. Pensando nisso, desde 2011, o Cartoon Network tem realizado a campanha Chega de Bullying, Não Fique Calado, que consiste em uma forma de combate a esse mal através da televisão, das mídias sociais e, recentemente, de um aplicativo para dispositivos móveis.

E o que isso tem a ver com videogames?

Bullying é um assunto bastante presente em jogos. No recente Life is Strange, por exemplo, Kate Marsh, amiga da protagonista, teve a sua promissora vida estudantil arruinada por um vídeo lançado na internet, que a levou a ser vítima de frequentes agressões verbais. Com isso, ela acaba entrando em uma profunda depressão – que pode se tornar, dependendo de como o jogador administre suas decisões, algo bem pior.
Isso mostra que, apesar de serem em geral tratados apenas como instrumentos de diversão, os videogames funcionam também como uma forma de educar os jovens a respeito dos efeitos negativos de certas atitudes que poderiam ser facilmente evitadas através do respeito mútuo.
Espero que você não escolha a segunda opção...
Além de estarem retratados nos próprios enredos dos videogames, insultos são muito recorrentes nos ambientes virtuais, especialmente nos chats de jogos online. Chamar os outros de noob, por exemplo, pode desmotivar aqueles que ainda estão em fase de assimilação dos conhecimentos a respeito do modo multiplayer de algum jogo. Ameaças contra as mulheres gamers são ainda mais frequentes – e já falamos melhor sobre isso nessa mesma semana. Assédios sexuais e constrangimentos diante de outros jogadores são vistos com uma constância absurda, principalmente em pleno século XXI, quando as mulheres já provaram inúmeras vezes que não devem nada aos homens em matéria de videogame.

Como os jovens são os maiores envolvidos nos casos de bullying, existe a necessidade de instruí-los a respeito desse mal, já tornado intrínseco à sociedade. E é aí que a iniciativa do Cartoon Network pretende agir.

O incentivo do Cartoon Network

Ao baixar o aplicativo, recebe-se uma breve introdução a respeito da problemática abordada no projeto, e logo aparece um convite para assinar o compromisso de não ficar calado a este respeito. A meta atual é de sensibilizar um milhão de pessoas sobre essa violência, especialmente estudantes, pais e professores, empenhando-as na luta contra o bullying.
A contagem já se aproxima da meta no site oficial!
A partir de então, são oferecidas mais informações importantes a respeito, de acordo com a relação da pessoa com a escola. Por exemplo, explica-se onde ele é praticado, os “motivos” por trás das discriminações e o tratamento diferenciado aos meninos e às meninas. Os riscos potencializados pelo cyberbullying também são muito bem explorados em materiais amplamente didáticos e de fácil entendimento.

Há muitas atividades interativas que promovem reflexões a respeito de situações cotidianas dos estudantes, inclusive apresentando casos reais que acabaram em situações trágicas  – e como elas poderiam ser evitadas. Tudo é feito em prol da criação de uma consciência a respeito das consequências do bullying e de como portar-se diante dele, além de oferecer uma forma de testar os conhecimentos a respeito do problema.

O aplicativo também dá acesso a vídeos relacionados que foram veiculados na internet e na TV através do Movimento Cartoon, quadro do Cartoon Network que engloba o projeto. Há vídeos específicos para o agressor, a vítima e a testemunha, a maioria trazendo personagens do querido desenho As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy.

Além disso, o aplicativo ainda oferece Gumball Contra o Bullying, um jogo simples que consiste no protagonista de O Incrível Mundo de Gumball tentando chegar o mais alto possível antes que o tempo acabe. Equipado de um jetpack, o jogador controla o personagem, coletando estrelas e escapando dos ataques de Tina Rex, outra personagem do desenho animado. Ao longo do joguinho, surgem algumas perguntas a respeito do bullying. Caso o jogador acerte a resposta, ele fica imune a ataques por um curto período e o tempo restante de jogo é resetado.

Chega de bullying!

Depois de conhecê-lo melhor, você já deve entender bem a solenidade desse projeto. Felizmente, ele é apenas um entre várias ações que pretendem tornar o mundo mais saudável – algumas voltadas especificamente para o mundo gamer, como a Ongame. O primeiro passo para contribuir com tudo isso é muito simples. Assuma você também o compromisso de acabar com o bullying: não fique calado!
Baixe Chega de Bullying, Não Fique Calado gratuitamente na App Store ou na Google Play.
Revisão: Bruno Alves
Capa: Gabrielle Mustafa
Robson Júnior é graduando em Ciência da Computação pela UFCG. No Blast, atua como diretor de redação e revisor. Reserva algum tempo para jogar, ler e escrever, algumas de suas paixões. Você pode encontrá-lo no Twitter e no Alvanista.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais