Jogamos

Análise: Mullet MadJack (PC) é um eletrizante roguelite que esbanja estilo e personalidade

Mate robôs, recarregue seus dez segundos de vida, salve a mocinha e não estrague o penteado.

Desenvolvido pelo estúdio brasileiro HAMMER95, Mullet MadJack é um daqueles jogos que pegam você de surpresa e te deixam se perguntando como não descobriu sobre ele antes. Com um visual que evoca os animes da década de 1990, o jogo transporta os jogadores para uma noite eletrizante, enfrentando robôs bilionários assassinos em um ritmo frenético de ação em primeira pessoa, tudo isso com o objetivo de resgatar uma influenciadora digital.

Então, vista sua jaqueta mais estilosa, coloque seus óculos mais extravagantes e capriche no mullet, porque estamos prestes a mergulhar em um mundo repleto de frenesi e estilo na análise de hoje.

Uma noite muito louca

No futuro, a humanidade evoluiu ao ponto de se fundir com a internet, tornando-se dependentes da dopamina para sobreviver. Essa dependência cria uma oportunidade para as máquinas assumirem o controle e se tornarem a raça dominante, dando origem aos chamados Robilionários.


O jogador encarna o papel de Mullet, um indivíduo com uma aparência intimidadora, escolhido aleatoriamente pela PEACE Corp., uma megacorporação de entretenimento digital para atuar como Moderador, o protagonista de uma transmissão ao vivo pela internet, cujo objetivo é satisfazer a ânsia por dopamina dos espectadores, além de suprir a própria necessidade.

A missão de Mullet é resgatar a princesa dos influencers, a personalidade mais famosa das redes sociais, que foi sequestrada por um grupo de Robilionários. Ao aceitar o desafio de salvar a jovem, Mullet se vê obrigado a enfrentar uma legião de robôs assassinos em um dos maiores arranha-céus da cidade, na tentativa de libertar a donzela e preservar sua própria vida.


Agora, nosso destemido herói de cabelo impecável tem apenas dez segundos de existência para administrar até conseguir cumprir sua missão. Ah! E se ele sair vivo, ainda vai ganhar um par de tênis exclusivo para esbanjar sua vitória na web.

Dez segundos para curtir a noite

Mullet MadJack é um jogo de tiro em primeira pessoa que combina mecânicas de roguelite. A missão do jogador é ascender pelo edifício, enfrentando cada andar para resgatar a princesa dos influencers das garras metálicas e gélidas dos Robilionários.

O cerne da jogabilidade reside nos escassos dez segundos de vida de Mullet. Para prolongar sua existência, ele deve eliminar inimigos, recarregando seu dispositivo infusor de dopamina para continuar o combate contra os robôs.

A ação é incessante, exigindo do jogador agilidade, agressividade e eficiência para evitar a morte iminente nas mãos dos inimigos ou do próprio cronômetro. O arsenal de Mullet abrange desde sua confiável pistola automática até armamentos futuristas, como metralhadoras, espingardas, rifles laser e até katanas, prontos para aniquilar qualquer oponente que atravesse seu caminho.

A cada andar conquistado, o jogador pode escolher uma entre três melhorias, que variam entre armas e habilidades passivas, como aumento do tempo de vida máximo, aumento da velocidade de movimento, ampliação da capacidade de munição, invulnerabilidade a certos estados adversos, entre outras opções.

Mobilidade também é um fator crucial na jogabilidade. Mullet pode realizar deslizamentos que lhe conferem uma velocidade extra de movimento e, de quebra, permitem que ele dê verdadeiras bicudas nas fuças do robôs. Isso é bem útil para desarmar alguns deles e, principalmente, usar o cenário a seu favor para executá-los. Derrotá-los dessa forma também lhe conferem alguns segundos bônus para se manter vivo.

A cada dez andares, Mullet encara um chefe, momento em que a dinâmica de jogo muda, substituindo os dez segundos de vida por uma barra de vida convencional. Ao derrotar o chefe, a trama avança, desbloqueando uma nova série de andares com novas armadilhas, tipos de inimigos e salas, aumentando o desafio e a variedade.

Cada vitória contra um chefe concede ao jogador um checkpoint, permitindo que ele continue a partir desse andar em caso de derrota, eliminando a necessidade de reiniciar o jogo desde o início. Isso facilita a progressão e mantém o jogador focado em finalizar a história, que é outro ponto alto da experiência.

A jogabilidade é extremamente ágil e simplificada, com poucos comandos para executar, mas o suficiente para fazer o que necessitamos em nossa missão de resgate. Até mesmo o suporte a controles, incluindo modelos além do gamepads com padrão Xbox, oferecem uma boa opção de acessibilidade, principalmente para quem não tem tanta habilidade para jogar com teclado e mouse, o que é o meu caso.


Ainda sobre acessibilidade, Mullet MadJack oferece opções de ajuste de dificuldade que variam desde um desafio extremamente acessível e simplificado até um nível quase impossível. Os jogadores podem ajustar os tempos de vida e de recuperação, ou até mesmo desativá-los completamente, além de optar pela mecânica de morte permanente, que não tolera nenhum erro por parte do jogador.

Após concluir a jornada principal, um novo modo de jogo, denominado Infinito, é desbloqueado. Nele, os jogadores podem testar suas habilidades enfrentando uma seleção de salas geradas aleatoriamente, proporcionando um desafio definitivo dentro do jogo. Cada upgrade obtido dura dez andares e as pontuações desse modo são registradas em um ranking online, onde tive o privilégio de ocupar o primeiro lugar por alguns dias.

Mesmo sendo um modo adicional após a campanha principal, o modo Infinito poderia proporcionar uma variedade maior de regras para deixar o desafio mais apimentado. Desabilitar upgrades, trocá-los por outros a qualquer momento, trocar o tempo de vida de dez segundos pelo de vida restante, usar apenas uma arma, dentre outras opções para tornar o modo sempre novo de alguma forma.

Uma apresentação fenomenal

O ritmo frenético de Mullet MadJack é verdadeiramente impressionante. Mesmo quando você é derrotado, o que provavelmente acontecerá muitas vezes no início, o jogo permite que você volte à ação rapidamente, não deixando seu sangue esfriar e te mantendo em pleno vapor para salvar a princesa.


Além disso, a direção de arte é notavelmente caprichada, transportando os jogadores para a atmosfera única dos animes dos anos 1990, enquanto a trilha sonora eletrizante, com um ritmo retrowave, acrescenta uma camada extra de empolgação e diversão à jogatina.

Quero destacar que este foi o segundo jogo, que me recordo, em que fiquei parado na tela inicial apenas para apreciar a música e o vídeo de fundo, antecipando ansiosamente o que estava por vir quando eu pressionasse Start. E, de fato, fui imediatamente envolvido por uma das experiências mais empolgantes que tive em 2024, até agora.

Embora eu não queira soar rude, é incrível como Mullet MadJack poderia facilmente passar despercebido como um produto estrangeiro se não fosse pelo conhecimento prévio de que é um jogo brasileiro, o que só se torna evidente ao final, durante os créditos. A qualidade de apresentação deste jogo é excepcional e destaca-se mesmo quando comparada a projetos AAA com orçamentos milionários.


No entanto, apesar dos muitos elogios, é importante mencionar que Mullet MadJack enfrenta algumas críticas em relação ao desempenho em certos momentos. Mesmo jogando em um PC com configuração acima do necessário, os engasgos e travamentos foram inevitáveis, especialmente no capítulo final, quando a intensidade da ação atingiu seu ápice e o jogo fechou sozinho algumas vezes.

Felizmente, graças aos recursos de salvamento automático, meu progresso não foi perdido. Pude notar que várias atualizações foram disponibilizadas após o período de acesso antecipado, e a cada uma delas o desempenho do jogo foi melhorando. Assim, acredito que até o lançamento oficial, que está previsto para a semana da publicação desta matéria, muitos desses problemas já terão sido resolvidos, permitindo que todos desfrutem do jogo da mesma maneira que eu.

Desde o primeiro trailer até o épico embate final, minha experiência com Mullet MadJack foi uma das melhores do ano até agora. Sem dúvida, este é um jogo que estará na minha lista de recomendações obrigatórias.

“Mulletoso” demais

Mullet MadJack é uma experiência de jogo envolvente e eletrizante, proporcionando uma mistura única de ação frenética, atmosfera nostálgica e desafio estratégico. Com uma direção de arte impressionante que evoca os animes dos anos 1990 e uma trilha sonora fenomenal, o jogo mergulha os jogadores em um universo cativante desde o primeiro momento.

A mecânica de jogo, com o limite de tempo de vida de dez segundos de Mullet, adiciona uma camada extra de tensão e urgência, mantendo os jogadores à beira de seus assentos a cada confronto. Mesmo com seus muitos pontos fortes, os problemas de desempenho, especialmente em momentos de alta intensidade, podem frustrar os jogadores, interferindo na imersão e na experiência geral do jogo.

De todo modo, é com muita confiança que digo que Mullet MadJack já é, para mim, um dos melhores jogos de 2024. É o Brasil mostrando a qualidade do talento nacional dentro do cenário independente de games mundial.

Prós

  • Atmosfera envolvente e nostálgica, com direção de arte inspirada nos animes dos anos 1990;
  • Trilha sonora eletrizante que complementa perfeitamente a ação frenética do jogo;
  • A mecânica de jogo com o limite de tempo de vida adiciona tensão e urgência;
  • Variedade de armas e habilidades, proporcionando opções estratégicas para os jogadores explorarem constantemente;
  • Modo Infinito como extra desbloqueável, oferecendo um desafio duradouro e competitivo;
  • Suporte a diversos modelos de controles proporciona acessibilidade;
  • O ajuste de dificuldade torna a experiência acessível para jogadores com diferentes níveis de habilidade.

Contras

  • Problemas pontuais de desempenho, como engasgos e travamentos, podem interferir na experiência de jogo em momentos mais intensos;
  • O modo Infinito poderia ter uma opção de alteração nas regras para “apimentar” o nível de desafio.
Mullet MadJack — PC — Nota: 9.0
Revisão: Vitor Tibério
Análise produzida com cópia digital cedida pela Epopeia Games

Fã de Castlevania, Tetris e jogos de tabuleiro. Entusiasta da era 16-bit e joga PlayStation 2 até hoje. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Nas redes sociais é conhecido como @XelaoHerege
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google