Jogamos

Análise: Hot Wheels Unleashed 2: Turbocharged (Multi) mostra que é brincadeira para gente grande

Supere pistas malucas com mais de uma centena de veículos, que vão de coupés até caminhões e motocicletas, tudo isso sem sair do seu quintal.

Assim como o lançamento de uma nova leva de carrinhos, Hot Wheels Unleashed 2: Turbocharged chega para dar continuidade ao excelente trabalho do seu antecessor, trazendo algumas inovações em sua base que são muito bem-vindas, mas acima de tudo mantendo os pontos positivos da franquia.

Uma nova linha de brinquedos

Tal qual suas coleções na vida real, Unleashed 2 dá uma repaginada na sua lista de carrinhos, mas sem modificações drásticas. De início, podemos contar com mais de 150 veículos em miniatura, contando clássicos absolutos como Bone Shaker, Twin Mill, Rodger Dodger e Dodge Deora, e adicionando outros muitos modelos próprios, conhecidos dos colecionistas de plantão. Porém, houve uma redução considerável na lista de carrinhos licenciados, que não conta mais com o célebre Batmóvel e a van das Tartarugas Ninjas, apesar de ter adicionado o Dodge Charger de Velozes e Furiosos X.

As mudanças mais significativas ficam por conta da adição de motocicletas e caminhões monstros, lembrando que estes últimos foram adicionados no jogo anterior apenas na segunda onda de DLCs. As motocicletas não têm uma pilotagem tão diferente assim dos carros, tendo como única diferença uma empinada ao usarmos o turbo. É charmoso, mas poderiam ter tornado elas mais rápidas e frágeis que os carros, ou com alguma diferença na pilotagem.

Já os caminhões-monstros realmente são mais pesados de guiar e fazem curvas de maneira mais desajeitada, mas também resistem às armadilhas do caminho sem precisarem de upgrades. E sim, agora os carros podem ser evoluídos e ter habilidades atribuídas, como melhora no controle de drift, ganho de boost e até resistência à barreiras, armadilha da aranha, entre outros perigos.

Por um lado isso é legal, pois qualquer veículo da lista se torna útil e competitivo para qualquer prova. Por outro, ter um carro que sobreviva a tudo tira o brilho de experimentar o resto das opções, que são inúmeras e agora estão separadas nas seguintes categorias: Alta Velocidade, Balanceado, Drift, Fora de Estrada, Pesado e Subcompacto.

Outra mudança que teve pontos fortes e fracos foi como desbloquear cada veículo. A loja está de volta, e bem melhor. Gastamos nossas moedinhas douradas diretamente no veículo que queremos, e seu preço varia de acordo com a raridade (comum, raro, lendário e Super Treasure Hunt). A lista de compra se renova a cada 45 minutos passados no jogo, e se comprarmos tudo, ou já tivermos os que estão à disposição, podemos pagar uma pequena taxa com as nossas moedas do jogo para acelerar a troca de itens e assim continuar a comprar.

A parte ruim ficou por conta da substituição das caixas-surpresa pela premiação da roleta. Ao concluir missões ou subir de nível, ganhamos uma quantidade de giros, que pode resultar em ganhar um carro de qualquer raridade, quantidades de moedas ou fichas de evolução. A aleatoriedade dos prêmios é um tanto quanto irritante, pois é muito difícil ganhar um carro novo e um prêmio que já foi sorteado não sai da roleta se tentarmos de novo. Para você que está lendo ter uma ideia, eu girei a roleta mais de 60 vezes, e até o momento só consegui três carros.

Para dividir o foco de atenção com a loja, agora também há missões, separadas por classe e dificuldade. Concluí-las resulta em ganhar avatares, planos de fundo e os famigerados carros secretos. Elas não são complexas, apenas exigem uma dedicação do jogador que incentiva a exploração dos modos de jogo e corridas rápidas em troca de mais veículos, o que é bastante justo como fator replay.

Cuidado, o tubarão vai te pegar!

No quesito customização, não é surpresa falar que Unleashed 2 entrega uma quantidade absurda de opções. Podemos deixar a maioria dos carros disponíveis com a nossa cara, com exceção dos licenciados, como o Dodge do Toretto, o DeLorean de De Volta Para o Futuro e o carro do Snoopy.

Além das cores e adesivos, também há mais de um tipo de material base, como metal cromado, esmaltado e até plástico. Agora também é possível criar um adesivo próprio separadamente e utilizá-lo na criação que quiser. Isso é muito melhor que ficar inventando sobreposições no próprio carro e ocupando slots desnecessariamente.

Já as pistas trazem novos módulos, que não estavam presentes antes ou só foram adicionados por meio de expansões. Além da aranha e o dragão cuspidor de fogo, temos um jacaré que solta gêiseres, o gorila que faz bloqueios de passagem alternados, o morcego que nos empurra para trás com rajadas de vento, o estegossauro que cria uma rampa para atrapalhar nossa aceleração e meu querido e adorado tubarão — sim, eu realizei o sonho de criar minha própria pista Ataque do Tubarão.

Os ambientes também mudaram e casaram muito bem com as novas características dos carros. Podemos construir os circuitos em um museu, campo de golfe, posto de gasolina, fliperama e quintal e é normal ter trechos que usem os itens de cada local para compor o traçado. Só que agora o tipo de terreno influencia no desempenho, pois correr em cima de um sofá ou em uma escada rolante não é a mesma coisa que dirigir na grama, por exemplo.

O que ficou de fora foi o Porão, que era um espaço que podia ser personalizado pelo jogador com objetos, pôsteres e outros itens desbloqueáveis. Não chega a ser uma ausência muito forte, mas ainda assim era algo a mais para os jogadores gastarem algumas horas.

É possível compartilhar qualquer criação, seja de pistas ou de carros, com a comunidade online. Como recebemos o código de Unleashed 2 para análise antes do lançamento, não foi possível avaliar este recurso, mas ele estará disponível assim que os servidores forem habilitados.

Combatendo ameaças em miniatura

O principal modo de Unleashed 2 é o Creature Rampage, que traz o mesmo esquema de mapa e missões do City Rumble, do primeiro jogo, mas com algumas diferenças sutis. A principal delas são as cutscenes dubladas, que contam a história de Darla e Robert, que ajudam o professor Tanabe a enfrentar monstros após encolhê-los com o Shrinkonator.

Ter uma historinha de fundo, mesmo que simples, ajuda a dar um carisma para as corridas do mapa, que se dividem entre corridas rápidas, de eliminação, volta contra o relógio, percorrer um mapa passando pelos checkpoints e desafios de drift. Infelizmente, eu achei que as corridas contra os chefes perderam um pouco da dificuldade que tinham anteriormente.

Só para relembrar, antes as pistas dos chefes tinham um modificador único, que atormentavam os pilotos durante a corrida toda, como poças de gelo, veneno e tornados. Agora corremos na pista deles sem adversários, apenas quebrando emblemas que estão pelo caminho. Temos um tempo determinado entre cada um deles, que diminui à medida que diminui o número. É uma maneira de diversificar o desafio, sem dúvidas, mas que poderia ser mais intensa, já que se trata de uma corrida contra os chefes de fato.

No mais, todas as modalidades presentes em Creature Rampage também podem ser jogadas separadamente, por um ou mais jogadores, tanto localmente quanto em rede. Como relatei antes, não foi possível avaliar as corridas online pois os servidores não estavam disponíveis no momento da análise.

Uma brincadeira que nunca acaba

Hot Wheels Unleashed 2: Turbocharged reforça com firmeza tudo de bom que o primeiro jogo já havia trazido, com algumas melhorias bacanas, mas sem mudanças drásticas. Os fanáticos pelos carrinhos de brinquedo podem até achar estranho a falta de um ou outro modelo de início, mas isso não tira o brilho de todo conteúdo inicial, sem contar que provavelmente muitas dessas ausências serão cobertas pelas futuras expansões.

Prós

  • Mais de 150 carros disponíveis no jogo base;
  • Ficou mais fácil adquirir veículos de maneira direta, sem tirar muitos repetidos;
  • As missões aumentam o fator replay sem causar estresse;
  • Mais módulos de criação de pistas;
  • Modo City Rampage com cenas dubladas traz um pouco mais de carisma que apenas um mapa cheio de corridas;
  • Os ambientes têm diferentes tipos de terrenos, que influenciam na pilotagem;
  • Inclusão de veículos novos, como motos e caminhões-monstros, com classes diferentes e esquema de evolução de habilidades.

Contras

  • Ausência (possivelmente momentânea) de carros licenciados famosos, como o Batmóvel;
  • As batalhas contra os chefes estão menos desafiadoras;
  • Evoluir um carro totalmente o torna muito poderoso, o que pode tirar a vontade de experimentar outros;
  • As motocicletas se comportam de maneira idêntica aos carros;
  • Conseguir um carro na roleta é algo muito demorado e depende demais da “sorte”;
  • Exclusão do Porão.
Hot Wheels Unleashed — PC/PS4/PS5/Switch/XBO/XSX — Nota: 8.5
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: Vitor Tibério
Análise feita com cópia digital cedida pela Milestone

é amante de joguinhos de luta, corrida, plataforma e "navinha". Também não resiste se pintar um indie de gosto duvidoso ou proposta estranha. Pode ser encontrado falando groselhas no seu twitter @carlos_duskman
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.