Jogamos

Análise: Super Bomberman R 2 (Multi) é uma explosão de diversão ao mesmo tempo simples e competitiva

Apesar de simplista em alguns pontos, o game é uma ótima opção, sobretudo para curtir com os amigos.


Um dos games clássicos com jogabilidade mais singular e autêntica, Bomberman é até hoje uma experiência única e divertida. O mais novo título da família é Super Bomberman R 2, que traz todas as principais qualidades dos jogos mais tradicionais com roupagem e recursos modernos. Pegue as suas bombas, equipe alguns power-ups e não esqueça do seu fiel canguru, pois a análise está para explodir, digo, começar!

Uma longa estirpe

O estreante da franquia, chamado simplesmente de Bomberman, chegou originalmente em 1983. Desde então, muitos títulos diferentes foram lançados utilizando a temática de explodir pedras para obter novas habilidades e derrotar inimigos. Houve um hiato de novos games entre os anos de 2010 e 2017, quando a série ressurgiu com o nome Super Bomberman R.
Super Bomberman 5 foi um grande sucesso do Super Nintendo
É a sequência desse título que vamos conferir nesta matéria: Super Bomberman R 2, que chegou em 12 de setembro de 2023 para PCs e todos os consoles da geração atual e anterior. A proposta básica é a mesma dos jogos clássicos: utilizar bombas para explodir obstáculos e inimigos, coletando os itens que surgirem pelo caminho. As novidades ficam por conta dos visuais e recursos modernos, tornando o game mais acessível e competitivo.
Visuais renovados para uma fórmula clássica
Um exemplo claro disso é o sistema cross-platform completo: é possível disputar partidas entre todos os dispositivos nas quais o game foi lançado. Ou seja, donos do Nintendo Switch podem jogar contra usuários do PlayStation 5 e/ou Xbox One, tornando mais fácil encontrar os amigos ou conseguir montar uma sala completa. Também quero destacar o estilo carismático do título, com visuais cartunescos cheios de charme.
Nada como aquela vitória apertada
Qualquer que seja a forma com que você for jogar Super Bomberman R 2, é importante destacar a jogabilidade acessível e as mecânicas descomplicadas. Basta uma partida para qualquer um entender a ideia básica de como explodir tudo com as bombas e, então, começar a se divertir e competir. Para isso, o título tem basicamente dois modos principais: o modo História e o modo Batalha.

Explorando o espaço

O enredo do modo História é simplista, até certo ponto um tanto infantil, mas ainda assim agradável: os irmãos e as irmãs Bomberman fazem parte de uma patrulha intergaláctica, que precisa lidar com os malignos membros da organização Black Moon. Em meio aos enfrentamentos, o jogador descobre a simpática raça dos Ellons, pequenos alienígenas com habilidades especiais.
A família Bomberman é uma fonte de diversão
A campanha avança ao explorarmos novos planetas e suas várias zonas, que escondem inimigos, itens, quebra-cabeças e chefes. É possível coletar Ellons escondidos pelo caminho, que ajudam a superar vários tipos de obstáculos. Tornar o seu personagem cada vez mais poderoso e enfrentar desafios é interessante, mas acaba perdendo a graça rapidamente.
O modo campanha pode ser meio chatinho
Praticamente todos os obstáculos pelo caminho são fáceis de enfrentar, sejam inimigos ou enigmas, resultando em uma experiência meio tediosa. Ao menos são exibidas cenas divertidas dubladas (em inglês) com a família Bomberman, conforme a campanha passa. O trabalho é competente, sobrando charme em cada diálogo e situação, mesmo que as animações sejam por vezes um pouco simplistas.
Ficar mais forte garante mais facilidade durante as explorações
Além das explorações, a campanha também exige que o jogador dispute algumas partidas do modo Castelo, que funciona como uma espécie de tower defense. Nele, é preciso organizar seu próprio labirinto, tal como nos modos clássicos, mas com direito a diversos tipos de armadilhas e até habilidades especiais. O objetivo é impedir que os atacantes roubem os baús de tesouro que o defensor precisa proteger.

Explosões por todos os lados

Saindo do modo História, Super Bomberman R 2 tem o Batalha, que traz partidas online e off-line de alguns tipos diferentes. O Castelo também está disponível aqui, inclusive com a possibilidade de criar múltiplos labirintos e compartilhá-los com outros jogadores. Ele é divertido, mas depende muito de quem está jogando com você: por um lado, adversários muito organizados são praticamente invencíveis, mesmo com o defensor tendo muitos recursos à disposição; por outro, o fogo amigo pode ser cruel se ninguém tomar cuidado durante o ataque.
As partidas online são o maior destaque de R 2
Continuando, temos outros tipos de partida: Cristais, em que ganha o time que conseguir coletar e manter mais pedras; Bomber Básico, em que vence o time que derrotar mais adversários; Padrão, que consiste na fórmula clássica para até 16 jogadores em times; e Batalha 64, um battle royale que coloca o dito número de jogadores para se enfrentar até que reste somente um.
Podíamos ter mais modos de jogo para curtir
Todos esses modos podem ser jogados com e contra amigos de forma online, incluindo uma opção competitiva com direito a ranking; já as partidas off-line também oferecem várias customizações, permitindo escolher tempo, cenário, modo vingança, habilidades especiais e até alguns dos itens que aparecem pelas fases. Um fato interessante é que os power-ups, como o acréscimo no número de bombas e o aumento na potência da explosão, têm a mesma aparência dos jogos clássicos.
Jogar em times permite a criação de estratégias
Confesso que a nostalgia bate forte ao ver aqueles ícones pixelados, tais quais os vistos nos títulos de Super Bomberman para Super Nintendo, games que joguei muitas horas ao lado do meu irmão. Inclusive, fiquei um pouco decepcionado ao ver só um tipo de Louie disponível: uma espécie de canguru, o bicho pode ser montado pelos Bombermen e confere a habilidade de correr rapidamente. A questão é que, enquanto aqui só temos essa opção, nos jogos mais antigos havia mais escolhas, como Louies que podiam pular, chutar blocos e até fazer truques de mágica.

Faltou um pouco mais de potência

Aliás, seria legal poder criar fases ainda mais customizadas para todos os modos de jogo. Ou seja, não ficar limitado ao Castelo e poder personalizar as demais partidas também. Imagina uma disputa em que todos os power-ups fossem aumentos de potência nas bombas? Seria um verdadeiro caos (no bom sentido)! Também seria bom ter mais opções nos modos de jogo, como por exemplo “batata-quente”, capture a bandeira, etc.
O modo Castelo pode ser divertido (ou não)
Não me leve a mal: Super Bomberman R 2 está recheado de carisma e diversão, pois mesmo o modo mais básico é fácil de jogar e oferece um bom entretenimento. Inclusive, aqueles que querem competir também serão bem atendidos pelo game ao mergulhar nos rankings. A questão é que o título é um tanto simplista de forma geral, sem se destacar muito em relação aos anteriores. Afinal, manter o que é positivo é tão fundamental quanto trazer novidades significativas.
Competição de alto nível
Por exemplo, seria possível apontar a grande quantidade de itens cosméticos como uma qualidade. Eles incluem roupas, aparências diferentes para as bombas, poses e até skins baseadas em outras franquias da Konami, como Castlevania e Metal Gear. O problema é que o preço para comprar esse conteúdo é bem salgado em relação à velocidade com que obtemos recursos.
São várias opções de itens, desde que você possa pagar
Curiosamente, não existem microtransações, então o negócio é jogar muito o modo competitivo, chamado Duelo por Grau, que é a única fonte segura de moedas. Uma pena, pois a própria campanha poderia ser mais interessante se oferecesse recompensas nesse sentido. Outra coisa que me incomodou foi o desempenho geral do game. Apesar de não contar com gráficos grandiosos, ele tem uma incômoda quantidade de telas de carregamento, que por sua vez podem ser meio demoradas.

Diversão rima com explosão

Fazendo bom uso dos principais elementos da franquia em uma roupagem moderna, Super Bomberman R 2 é sim um ótimo jogo. Lançar bombas para explodir inimigos e coletar itens continua muito divertido, agora com direito a partidas entre plataformas diferentes e visuais modernos e bonitos. Jogadores que já conhecem a franquia por títulos antigos certamente vão encontrar uma boa experiência aqui.
Uma opção divertida e acessível para todos os públicos
Infelizmente, a questão é que temos pouca variedade nos modos de jogo disponíveis. Eles são bons, mas ficou faltando mais; inclusive, a campanha é pouco ambiciosa e não traz recompensas significativas. Além disso, o desempenho e a obtenção de recursos também afetam negativamente o game. Seja como for, ele é uma boa sugestão para a sua biblioteca, oferecendo diversão e desafio de forma descomplicada.

Prós

  • Jogo de ação com ótimo aproveitamento da série clássica, suas bombas e explosões;
  • Produção audiovisual bonita e repleta de charme;
  • Jogabilidade acessível e divertida;
  • Modos multijogador locais e online são ótimos, sobretudo pela presença do recurso cross-platform;
  • Boa quantidade de itens e equipamentos para colecionar.

Contras

  • Quantidade de moedas recebidas não é proporcional à grande quantidade e aos valores dos itens para compra;
  • Faltou mais variedade nos modos de jogo, incluindo uma campanha mais interessante;
  • Excesso de telas de carregamento para uma produção relativamente simples.
Super Bomberman R 2 — PC/PS5/PS4/Switch/XBO/XSX — Nota: 7.5
Versão utilizada para análise: PS5
Revisão: Davi Sousa
Análise redigida com cópia digital cedida pela Konami

é produtor de conteúdo sobre games desde 2016 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: KH, Borderlands, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, CoD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank.
Também encontra-se no Twitter @MatheusSO02 e no OpenCritic.
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.