Blast Test

Impressões: Mortal Kombat 1 (Multi) já mostra a que veio em seu primeiro teste de rede

Participamos do Online Stress Test e já temos uma ideia do que a NetherRealm está trazendo para o jogo em setembro.

em 27/06/2023

Anunciado em maio após uma série de especulações, Mortal Kombat 1 traz como destaque principal um novo começo para a mitologia da franquia após três décadas de existência. No último fim de semana, a WB Games e a NetherRealm realizaram o primeiro teste público do jogo, a fim de avaliar a capacidade dos servidores. Tivemos a oportunidade de participar e vivenciar esta experiência entre os dias 23 e 25 de junho.


O Online Stress Test (OST) não é exatamente um teste beta. Sua finalidade é verificar a capacidade do servidor, submetendo-o a um “estresse”, a fim de que os desenvolvedores possam identificar problemas de desempenho e execução, e solucioná-los antes do lançamento oficial do jogo, para não comprometer a experiência online. No entanto, mesmo que essa não seja a intenção principal, foi possível ter um vislumbre do jogo e uma ideia do que a NetherRealm está desenvolvendo.

Conteúdo e jogabilidade

O OST de Mortal Kombat 1 ofereceu dois modos de jogo durante o fim de semana: as torres clássicas e o modo online com partidas casuais. As torres permitiram que experimentássemos confrontos contra a IA no estilo clássico dos arcades. Durante o teste, apenas quatro personagens estavam disponíveis para seleção: Liu Kang, Sub-Zero, Kitana e Kenshi.

A grande novidade em Mortal Kombat 1 é a mecânica dos Kameo Fighters. Durante a apresentação do gameplay no Summer Games Fest, pudemos ter uma ideia de como é essa nova funcionalidade. Alguns personagens já confirmados para assumir essas posições são Sonya Blade, Jax, Kano, Goro e Striker.

Esses lutadores de apoio terão a função de oferecer suporte durante as lutas, executando técnicas especiais que, principalmente, ampliam as sequências de golpes dos lutadores e também podem interromper os combos dos oponentes quando possível. Sua execução é bastante simples, podendo ser realizada pressionando um único botão acompanhado de uma direção específica, dependendo da ação desejada.

Além disso, eles também serão capazes de executar fatalities nos oponentes, assim como os lutadores jogáveis, e serão responsáveis pela primeira metade do Fatal Blow, o golpe supremo que é habilitado quando a vida do jogador está quase no fim.


Durante o OST, apenas três deles estavam disponíveis: Sonya, Kano e Jax. Sonya foi a personagem mais utilizada no OST, com base nas partidas que joguei e nas diversas transmissões que assisti de outras pessoas que também estavam participando do teste de rede.

A jogabilidade de Mortal Kombat 1 mantém a principal característica da série: os impressionantes combos, que agora estão mais elaborados e divertidos de executar graças ao uso dos Kameo Fighters. Com um pouco de prática, é possível realizar sequências de golpes que causam uma quantidade considerável de dano no oponente, ao mesmo tempo que são extremamente empolgantes de se observar, pelo menos quando somos nós que as realizamos.

Outra novidade são os combos aéreos, que expandem ainda mais as opções de ataque dos jogadores e criam oportunidades extras de encaixar golpes e aumentar o dano causado nos adversários. Embora eu não seja muito habilidoso para executar grandes sequências de golpes ou ter coordenação suficiente para realizá-los com precisão máxima, consegui realizar alguns combos interessantes e me divertir durante as várias partidas que joguei, na medida do possível, considerando a presença de jogadores mais experientes.


Durante minhas sessões de jogo, observei que Mortal Kombat 1 parece estar um pouco mais lento em comparação com seu antecessor. Também notei essa percepção por parte de outros jogadores, assim como comentários de que isso não foi tão diferente em MK11 em suas fases de testes antes do lançamento.

Vale ressaltar que esse é um detalhe que não recebe prioridade neste teste e que pode ser solucionado na fase final de desenvolvimento, uma vez que testes beta do jogo já estão programados, incluindo um previsto para agosto, que envolverá os jogadores que adquiriram o jogo em pré-venda.

Gráficos e desempenho

Graficamente, mesmo em sua fase não finalizada, é evidente a evolução na qualidade visual de Mortal Kombat 1 em comparação ao seu antecessor. Utilizando uma nova versão da Unreal Engine, os detalhes nos cenários são impressionantes. Durante o teste, tivemos acesso a dois deles: a Casa de Chá e a Mansão Cage, ambos com variações de dia e noite.

Os modelos dos personagens não deixam a desejar nesse aspecto, apresentando o mesmo nível de cuidado em suas animações e na arte utilizada para criá-los. Foi válido desviar um pouco o foco das lutas para apreciar os detalhes gráficos empregados na construção dos lutadores.


Quanto ao desempenho do jogo, até o momento, este tem se mostrado satisfatório, com tempos de carregamento rápidos, disfarçados pelas cenas de interação dos personagens na tela de seleção e apresentação antes das lutas. No ambiente online, que foi o foco dessa demonstração, as lutas tiveram boa performance. Realizei cerca de trinta partidas, sem problemas relacionados à qualidade da conexão.

Devido ao grande número de participantes, não foi difícil encontrar adversários para as partidas online, e mesmo situações com um ping um pouco mais alto, acima de 100ms, não resultaram em perda de qualidade e renderam lutas com um desempenho satisfatório.

Mesmo jogando via rede sem fio, o que não é ideal para esse tipo de jogo, não encontrei problemas durante as partidas. Vale ressaltar que Street Fighter 6, lançado recentemente, tem recebido muitos elogios em relação à qualidade de seu netcode, a programação que controla o ambiente online, sendo considerado por muitos como o novo padrão de desempenho exigido para jogos de luta daqui em diante.

Para ilustrar a qualidade do ambiente online do jogo da Capcom, é possível jogar partidas com lutadores de países da América Central, América do Norte e até mesmo da Europa, o que antes era praticamente impossível, a menos que se utilizasse métodos alternativos, como o uso de uma VPN. Agora, isso é possível sem muita dificuldade e de forma totalmente nativa em SF6.


A NetherRealm ainda não divulgou muitos detalhes sobre a tecnologia utilizada no netcode de Mortal Kombat 1, mas durante o OST já foi possível sentir que ele não deve ficar muito atrás do que seus concorrentes estão utilizando em seus jogos. Com base na quantidade de dados fornecidos pelos jogadores durante o fim de semana, espera-se que o ambiente online de MK1 seja o melhor que a empresa já desenvolveu até então para seus jogos.

First Blood

O teste de rede de Mortal Kombat 1 proporcionou uma ótima experiência para conhecer o jogo e obter uma ideia clara do que esperar nessa próxima etapa da franquia. No que diz respeito ao objetivo do OST, os resultados foram muito bons, com um desempenho excelente nas partidas e facilidade em encontrar e participar de múltiplos confrontos contra o mesmo oponente.

A expectativa para o próximo teste, que já deve ser um beta, é ter acesso a mais conteúdo e também experimentar novos modos online, como o Rei da Montanha, já conhecido, ou a criação de lobbies para organizar partidas com configurações personalizadas. Estamos ansiosos para saber mais sobre o jogo.
Mortal Kombat 1 será lançado em 19 de setembro para PC, PlayStation 5, Xbox Series X|S e Switch.
Revisão: Ives Boitano
Texto de impressões realizado com chave de acesso fornecida pela WB Games

Fã de Castlevania, Tetris e jogos de tabuleiro. Entusiasta da era 16-bit e joga PlayStation 2 até hoje. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Nas redes sociais é conhecido como @XelaoHerege
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.