Jogamos

Análise: Buried Stars (Multi) coloca subcelebridades ficcionais para dialogar e tentar sobreviver

Jogo de mistério coreano é mais uma excelente visual novel que chega ao PC.

Desenvolvido pelo Studio Largo da coreana Line Games Corporation, Buried Stars é uma visual novel que originalmente foi lançada para Switch e PS4 no dia 30 de julho de 2020. O título chegou ao PC no dia 29 de novembro e se mostra um excelente representante do gênero.

Por trás das máscaras

Tudo começa em uma das apresentações do reality show Buried Stars no qual músicos disputam pela chance de terem uma grande estreia no cenário profissional. Após vários episódios, a edição mais recente do programa conta apenas com mais cinco competidores e está chegando ao fim. No entanto, uma falha estrutural no prédio das gravações leva o palco a desabar.

Cinco finalistas e alguns membros da produção acabam ficando presos no prédio. O resgate está a caminho, mas precisarão de algumas horas para tirá-los de lá. Diante dessa situação aterrorizante, desentendimentos ameaçam destruir totalmente a paz dessas pessoas.

Não vou entrar em detalhes para evitar spoilers, mas é bem interessante ver como cada um desses personagens tem uma fachada. Isso inclui o próprio protagonista, Do-yoon Han, que tem que seguir um certo papel para o programa. Conforme a história avança e Do-yoon interage com os outros sobreviventes, mais detalhes sobre o passado e o que cada personagem esconde são mostrados.

Vale destacar que o jogo conta com vários finais. Conforme o jogador fecha determinadas partes da história, novas possibilidades são liberadas, abrindo o final verdadeiro e várias opções alternativas que partem das ramificações “rota A” e “rota B”.

É conversando que se entende

Buried Stars é um jogo focado em texto. A maior parte de sua história é apresentada como diálogos entre os personagens que estão presos no prédio. Juntos eles precisam discutir sobre os eventos ao seu redor assim como chegar a um consenso sobre como proceder.

Isso é representado pelo sistema de conversação chamado de Communication, que permite ao jogador apresentar um tópico de fala para um dos personagens. É possível questionar todos eles sobre todos os assuntos, mas algumas conversas impactam negativamente o relacionamento (Rapport) com um personagem enquanto melhoram o de outro. Com isso, é até natural que o jogador tente maximizar os valores recarregando saves para evitar um passo em falso.

A discussão também pode render novos tópicos e é necessário obter pistas específicas para avançar a história. Diálogos essenciais são indicados com pequenos balões de fala no canto esquerdo, algo inexistente para os que são opcionais e apenas afetam o Rapport. Ocasionalmente as conversas levam a escolhas, com resultados diferentes para os relacionamentos e para a sanidade do personagem.

Esse sistema de sanidade é muito importante, afinal, esgotar a barra é uma das formas de obter um final ruim. Com isso, o jogador precisa evitar que suas escolhas tenham consequências drásticas. Manter esse valor alto é ideal para conseguir passar por alguns momentos mais sérios da trama.

Vivemos em uma sociedade

Um aspecto que chama bastante a atenção em Buried Stars é a forma como tanto a narrativa quanto o gameplay integram a rede social ficcional Phater. Não se trata apenas de um extra para dar uma cara moderna à ambientação do jogo. 

Em determinados momentos é necessário que o jogador colete tópicos de conversação mencionados nele. Ao mesmo tempo, a história também é claramente interligada com o uso que os personagens fazem desse sistema. Isso tudo é feito de uma forma bastante orgânica que faz a relação dos personagens como usuários em algo bem natural.

Para acessar esse sistema, os jogadores contam com um relógio smart. Outras funcionalidades incluem a possibilidade de ligar para uma das pessoas que estão presentes no local do incidente. Conversar com eles é uma forma de melhorar Rapport e sanidade, sendo interessante tentar usar esse sistema sempre que possível.

Uma experiência visualmente deslumbrante

Para além de tudo que mencionei acima, é importante destacar a alta qualidade visual do jogo. Buried Stars conta com cenários 3D e personagens animados de forma bastante expressiva. Os ângulos de câmera usados durante as conversas tornam tudo uma experiência dinâmica e verdadeiramente chamativa.

A interface também é muito bem projetada. As cores em particular saltam aos olhos sendo bem vívidas e ressaltadas em relação às imagens de fundo. O menu inicial em particular conta com telas que lembram canais de TV. É nítido o belo trabalho que a desenvolvedora teve para fazer a interface ser bem estilosa.

Infelizmente, Buried Stars conta com alguns erros significativos no texto. O título é originalmente coreano e o texto em inglês acaba tendo algumas falhas grosseiras que são perceptíveis dado o contexto. Felizmente, ainda é possível aproveitar muito bem a história, mas é um detalhe que acaba enfraquecendo bastante a experiência do jogador.

Apesar de ter poucos erros de digitação, há frases que nem fazem sentido no contexto.
Também é uma pena que durante os trechos de diálogo não seja possível acessar o menu. As conversas podem ser demasiadamente longas e há alguns trechos em que um erro pode ser fatal, mas o desenrolar do final indesejado demora a ocorrer. Se a opção de abrir um save estivesse disponível nesses momentos, seria possível contornar a situação rapidamente, melhorando em muito a qualidade de vida do título.

Vale destacar que no PC é possível usar configurações de controle, teclado e mouse ou até mesmo jogar apenas com o mouse. Todas as opções são muito boas com mapeamentos padrões intuitivos e simples.

Um belo jogo de mistério

Buried Stars é um representante de alta qualidade das visual novels de mistério. Com sistemas sólidos de gameplay e uma direção de arte fenomenal, até mesmo os seus erros textuais não são motivo suficiente para ignorar a obra.

Prós

  • Mistério instigante;
  • Sistemas de conversação e relacionamento desenvolvem bem a narrativa e os personagens;
  • Rede social bem integrada na narrativa e no gameplay;
  • Sistema de sanidade força o jogador a tomar cuidado com suas escolhas;
  • Animações de personagens e cenários são de altíssima qualidade;
  • Interface estilosa.

Contras

  • Erros significativos nos textos em inglês;
  • Impossibilidade de dar loading ou acessar menus relevantes durante os diálogos.

Buried Stars — PC/PS4/Switch — Nota: 8.5
Versão utilizada para análise: PC

Revisão: Thais Santos
Análise produzida com cópia digital cedida pela LINE Games Corporation


é formado em Comunicação Social pela UFMG e costumava trabalhar numa equipe de desenvolvimento de jogos. Obcecado por jogos japoneses, é raro que ele não tenha em mãos um videogame portátil, sua principal paixão desde a infância.


Disqus
Facebook
Google