Jogamos

Análise: Time Loader (PC) é uma breve e criativa viagem temporal

Controle um robô nos anos 90 enquanto tenta alterar o futuro de seu criador.


Em Time Loader estamos no controle de um robô que viaja no tempo para modificar o futuro de seu criador. Adam, o cientista por trás desse objetivo, deseja mais do que tudo alterar sua condição de cadeirante e passar a ter uma vida normal. Nosso pequeno amigo robótico possui algumas funcionalidades simples e será desafiado por obstáculos como plataformas, alavancas e o gato da família. Exalando nostalgia em uma belíssima ambientação, temos uma aventura divertida e acessível para todos os jogadores.

Preciso mudar o passado

O verão de 1995 foi um divisor de águas na vida de Adam. O que era apenas mais um dia de brincadeiras se tornou uma tragédia que marcou toda sua vida. Um acidente em sua casa na árvore resultou na perda de movimentos de suas pernas e isso o atormentou até sua idade adulta.

Motivado em mudar o passado, Adam se tornou um cientista e focou suas pesquisas em criar uma máquina do tempo para enviar um pequeno robô ao exato dia de seu acidente e tentar evitar o que aconteceu no passado. A ideia inicial de Adam era simples: o acidente ocorreu ao tropeçar em seu pequeno carrinho de brinquedo, então a missão inicial é impedir que o brinquedo esteja no local na hora do incidente.



Efeito borboleta

Somos mandados, então, ao quarto de Adam no ano de 1995. Durante o jogo iremos explorar todos os cômodos da casa de sua família e teremos como obstáculos alguns desafios de plataforma e quebra-cabeças baseados em física. A movimentação do pequeno robô é semelhante a um brinquedo e todo seu peso e impulsão é levado em conta na resolução dos problemas.

A trajetória nos cômodos é linear com alguns pequenos desvios opcionais que nos levam à colecionáveis. Tais itens têm a função de explicar mais sobre a história de Adam e sua família, além de permitir que o futuro seja modificado de maneiras diferentes. É muito interessante observar como as suas ações passam a interferir no futuro da família de Adam e em sua casa.




Além disso, sua ambientação é muito bem feita, apresentando os costumes de uma família dos anos 1990. Todos os locais possuem suas particularidades como brinquedos, videogames e eletrodomésticos que ilustram o dia-a-dia da família e constantemente interagimos com tais itens para realizar nosso progresso. 

Time Loader possui três finais que se modificam de acordo com o que foi encontrado. Há o final ruim, o neutro e o bom e esse é o motivador para continuar jogando após o término da campanha. O tempo para finalizá-lo é pouco, cerca de três horas, e repeti-lo não se torna cansativo, apesar dos quebra-cabeças serem simples e, até certo ponto, repetitivos.




A base da jogabilidade se mantém constante, com poucas mudanças ao longo da jornada. Apesar disso, os desafios são criativos e mesmo que não sejam difíceis, proporcionam um desafio moderado que permite aproveitar o jogo com tranquilidade. A utilização do gancho e os saltos funcionam de maneira convincente, apesar de alguns bugs na movimentação.

Há espaço para melhorias

Apesar de ser um jogo interessante, Time Loader apresenta ideias que poderiam ser usadas de uma forma mais criativa. Os poucos comandos, apesar de simplificarem a aventura, torna a atividade de resolver os quebra-cabeças monótona, pois não há uma grande variedade de desafios. No final do jogo conseguimos a habilidade de arremessar nosso gancho em longas distâncias, o que muda ligeiramente a dinâmica.




Essa sensação de monotonia é aprimorada pela trilha sonora que não acompanha o ritmo da aventura. Por vezes, temos músicas mais calmas que não encaixam exatamente com o que acontece na tela. Não há necessariamente um comprometimento da aventura por conta disso, mas é algo que poderia ser aprimorado.

O único bug que encontrei está relacionado à movimentação do robô. Em alguns momentos o gancho passou a se movimentar de maneira descoordenada em meio aos obstáculos, causando problemas visuais ao jogo. Porém tal problema não comprometeu o andamento do jogo.



Uma aventura inventiva, porém limitada

Time Loader apresenta aos jogadores uma aventura muito divertida e criativa. Apesar de existirem limitações, a criatividade dos cenários e os caminhos alternativos permitem que o jogador se cative com as diversas referências dos anos 90. As mecânicas baseadas em uma física mais realista são competentes e seguem uma constante em todo o jogo. Alguns pontos como a trilha sonora e a pouca variedade de desafios deixam a desejar, mas esses detalhes não impedem que o jogo seja aproveitado.

Prós

  • A ambientação é criativa, com muitos elementos para interação;
  • A jogabilidade é intuitiva e fácil de dominar;
  • A abordagem de viagem no tempo e suas consequências é bem-feita;
  • A física funciona de maneira convincente e torna a jogabilidade divertida;
  • Os múltiplos finais são fundamentais para prolongar a vida útil do jogo.

Contras

  • Alguns bugs na movimentação do robô;
  • Pouca variedade nos desafios;
  • A trilha sonora não acompanha a qualidade do jogo.
Time Loader — PC — Nota: 8.0
Revisão: Felipe Fina Franco
Análise produzida com cópia digital cedida pela Meta Publishing


Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google