Energia elétrica: em tempo de crise, saiba quanto sua jogatina consome por mês

Aprenda a calcular o consumo de consoles e outros dispositivos, além de dicas para economizar na conta de luz.


Tá tudo caro, e isso não é novidade pra ninguém! Se já não fosse complicado ter que conviver com preços salgados de consoles, acessórios e jogos, agora o recurso fundamental para fazer tudo isso funcionar também está mais caro: a eletricidade. Nesta matéria especial vamos falar sobre o tumultuado período que estamos vivendo envolvendo a geração de energia elétrica no Brasil, te ensinar a calcular o consumo que consoles e PC têm durante o mês na sua casa, além de dicas para ajudar a baixar sua fatura de luz.



Será que abrir mão do uso de alguns eletrodomésticos para não ficar sem aquela jogatina gostosa no fim do dia ou no fim de semana realmente compensa? Vamos fazer as contas e comparar com alguns itens usando a boa e velha matemática para saber se no fim do mês algumas mudanças de hábitos não vão comprometer seu hobby.

Por que a energia está mais cara?

Antes de começarmos a fazer nossas contas, vamos entender os motivos que elevaram o custo da eletricidade, e como isso está diretamente relacionado com o clima. Atualmente, o Brasil está enfrentando uma das maiores crises hídricas da história, com chuvas irregulares e temporadas chuvosas cada vez mais reduzidas. Com menos chuva, as bacias hidrográficas se recarregam cada vez menos, e estas são as principais responsáveis pelo abastecimento das usinas hidrelétricas responsáveis pela maior parcela da produção energética do país.
Crise hídrica no Brasil é a mais grave em 90 anos.
Em 2021, por conta do aumento no desmatamento, queimadas a níveis históricos, e afrouxamento de legislações ambientais que visam a proteção das áreas verdes, as chuvas, que já eram poucas, não foram mais suficientes para manter o nível de demanda das hidrelétricas para a geração de energia, comprometendo o abastecimento que ano após ano tem um aumento na demanda de consumo.

As usinas hidrelétricas são a principal fonte geradora de energia elétrica no Brasil, e com o intuito de não comprometer a operação delas e causar um colapso na rede, o sistema gerador conta com o apoio de termelétricas para suprir o aumento no consumo. Entretanto, o custo desta operação é alto.
A Usina Hidrelétrica de Itaipu, na fronteira entre Brasil e Paraguai, é uma das maiores do País.
A geração de energia termelétrica, além de mais cara, também gera mais poluição devido à queima de combustível para geração de eletricidade. A perda acaba sendo maior ainda, pois atinge o bolso do consumidor e o meio ambiente. A conta só aumenta e não estamos falando apenas no sentido figurado desta vez. Em 2021, também estamos comprando energia dos nossos vizinhos Argentina e Uruguai, deixando a fatura no fim do mês cada vez mais salgada.

O horário de verão, extinto pela atual gestão Federal, sempre foi visto como um importante aliado nesse período por ajudar a diminuir o uso da energia nos horários de maior consumo. Com uma hora à frente no relógio, a luz natural era aproveitada por mais tempo no fim de um dia útil de trabalho, horário cuja demanda por energia elétrica sempre é maior.
Em agosto o ministro Bento Albuquerque fez um pronunciamento em rede nacional destacando a gravidade da situação energética no Brasil.
Na época, segundo o portal de notícias G1, o ministro de Minas e Energia justificou o fim da medida pois "nos últimos anos houve mudanças no hábito de consumo de energia da população, deslocando o período de maior consumo diário para o período da tarde, quando o horário de verão não tem influência".

O mesmo ministro fez um pronunciamento em 31 de agosto, no qual destacou:
"Para aumentar a segurança energética e afastar o risco de falta de energia no horário de maior consumo é necessário que a administração e o consumidor participem de um esforço inadiável de redução do consumo. O empenho de todos nesse processo é fundamental para atravessar com segurança o grave momento e para diminuir o custo da energia".
O resultado foi um aumento médio de 7% na conta de eletricidade a partir de setembro com a chamada “bandeira tarifária escassez hídrica”. Em vigor até 30 de abril de 2022, a nova taxa adiciona R$ 14,20 ao valor da fatura para cada 100 kWh no mês. Até então, a tarifa era de R$ 9,49 para cada 100 kWh na chamada “bandeira vermelha patamar 2”.

Qual o consumo de cada eletrodoméstico da sua casa?

Agora que já sabemos o motivo da energia elétrica estar mais cara, chegou a hora de saber quanto cada aparelho eletrônico da sua casa custa para proporcionar conforto a você. A unidade de medida usada para medir o consumo de eletricidade em uma residência, empresa ou indústria é o kilowatt hora (kWh). Para saber o consumo de energia de um aparelho, basta fazer uma conta simples:
Consumo (kWh) = Potência (kW) x tempo (h)
Como exemplo vamos usar um chuveiro elétrico, item muito comum na casa dos brasileiros, com potência de 4000W. Vamos dizer que nosso uso mensal dele é de 10 minutos diários pelo período de 30 dias. Qual será o consumo dele durante um mês?
Convertendo para kW: 4000 W : 1000 = 4 kW
Tempo de uso no mês: 10 x 30 = 300 minutos | Em horas: 300 : 60 = 5 horas
Calculando o consumo: 4 x 5 = 20 kWh
Agora que sabemos o consumo desse chuveiro, basta pegar esse valor e multiplicar pelo preço do kWh em sua região. Para saber quanto ele custa na sua cidade, você pode consultar seu talão de energia elétrica ou o site da distribuidora. Neste exemplo, vamos usar como referência o valor cobrado pelo kWh residencial onde moro, em Goiânia, que é de R$0,5474.
20 x 0,5474 = 10,948
Em nosso exemplo, o consumo do chuveiro vai custar no fim do mês, arredondando o valor, R$ 10,95. Algumas distribuidoras de energia, como a de São Paulo, possuem em seu portal um simulador de consumo para que você possa aprender de forma mais didática quanto custa o uso mensal de cada um dos eletrodomésticos da sua casa.
Mesmo fazendo alguns sacrifícios, a sensação é de que o valor da conta se recusa a baixar.
Um detalhe: essas contas consideram que o dispositivo esteja operando em sua capacidade máxima, o que nem sempre reflete a realidade. Tomando novamente o exemplo do chuveiro, a potência máxima que é informada na embalagem e no produto leva em consideração quando ele está sendo usado sob condições corretas e com a chave na posição inverno, que é quando ele precisa esquentar bastante a água na hora do banho.

O mesmo se aplica a outros eletrodomésticos, como um forno elétrico, microondas, ferro de passar ou uma geladeira. Nem sempre usamos estes aparelhos com potência total, por isso o valor geralmente tende a ser mais baixo. Estes cálculos têm como principal função te ajudar a estimar o custo de consumo de cada um e planejar seu uso durante o mês para não tomar um susto grande na conta.

No Brasil existe ainda o Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica), um programa de governo coordenado pelo Ministério de Minas e Energia e executado pela Eletrobras. Instituído em 30 de dezembro de 1985, sua missão é promover o uso eficiente da energia elétrica e combater o seu desperdício por meio de ações em diferentes segmentos da economia.
O selo do Procel é a garantia de que seu eletrodoméstico passou por testes para comprovar que tem um consumo de energia eficiente.
As ações do Procel contribuem para o aumento da eficiência dos bens e serviços, para o desenvolvimento de hábitos e conhecimentos sobre o consumo eficiente da energia e, além disso, postergam os investimentos no setor elétrico, mitigando, assim, os impactos ambientais e colaborando para um Brasil mais sustentável.

Quanto minha jogatina custa no fim do mês?

Você aprendeu como calcular o consumo de um eletrodoméstico, então vamos aplicar isso ao nosso hobby. Nosso objetivo aqui é saber quanto custará no fim do mês, aproximadamente, nossas jogatinas de videogame. Seja no PC, console de mesa ou mesmo um portátil, já que ele também precisa de eletricidade para recarregar a bateria. Seguindo os mesmos cálculos do tópico anterior, vamos saber qual o consumo de cada aparelho.
Consoles mais potentes precisam de mais energia para funcionar.
Para o PC vamos adotar duas situações, pois é um dispositivo que pode ter uma fonte mais ou menos potente dependendo da sua configuração. Usaremos um desktop de 500W e um notebook com fonte de energia de 65W. Você pode alterar os valores na hora de fazer as contas usando os dos seus dispositivos para ter resultados que vão corresponder à sua realidade.

Usaremos o valor de R$0,594490 por kWh, informado no simulador citado acima na época da redação deste texto, nos cálculos. Vamos lá!

PlayStation 4 e PlayStation 4 Pro

Vamos começar com o PS4, o console mais popular do Brasil. Segundo dados obtidos no site do fabricante, a potência dos modelos Slim e Pro, que são os dois atualmente disponíveis no mercado, são de 165W e 310W, respectivamente. Em nosso exemplo, vamos considerar que o tempo de uso é de 3 horas diárias por mês.
PS4 Slim: 14,85 kWh x 0,594490 = 8,8281765 | R$ 8,83/mês
PS4 Pro: 27,90 kWh x 0,594490 = 16,586271 | R$ 16,59/mês

PlayStation 5

O PlayStation 5 é comercializado em duas versões que diferem apenas na presença ou não de um drive de leitor óptico. Essa diferença impacta ligeiramente na potência do aparelho, com 350W na edição com leitor e 340W na que não possui a peça. Vamos considerar um uso de 3 horas diárias para estes dois também.
PlayStation 5: 31,5 kWh x 0,594490 = 18,726435 | R$ 18,73/mês
PlayStation 5 Digital Edition:
30,6 kWh x 0,594490 = 18,191394 | R$ 18,19/mês

Xbox One, Xbox One S e Xbox One X

O Xbox One possui três modelos: o padrão, famoso por seu design estilo “caixotão”, o modelo S, mais compacto, e o One X, versão aprimorada e mais potente desta geração. Segundo a Microsoft, as potências de cada um deles são 220W, 120W e 245W, respectivamente. Eis os valores para um uso diário de 3 horas durante o mês:
Xbox One: 19,8 kWh x 0,594490 = 11,770902 | R$ 11,77/mês
Xbox One S: 10,8 kWh x 0,594490 = 6,420492 | R$ 6,42/mês
Xbox One X: 22,05 kWh x 0,594490 = 13,1085045 | R$ 13,11/mês

Xbox Series X e Xbox Series S

Os consoles da nova geração do Xbox também estão disponíveis em duas versões. Se comparados ao seu principal concorrente, segundo a própria Microsoft, a potência média de cada um é de 153W para o X e apenas 74W para o S. Vamos ver quanto eles custam em um cenário semelhante aos demais:
Xbox Series X: 13,77 kWh x 0,5474 = 7,537698 | R$ 7,58/mês
Xbox Series S: 6,66 kWh x 0,5474 = 3,645684 | R$ 3,64/mês

Televisor

Opa! Eis um detalhe importante aqui, pois não dá pra jogar nenhum dos consoles acima sem uma TV ou monitor. Em nosso exemplo, vamos utilizar uma televisão de LED de 42 polegadas com potência de 210W, sendo usada pelo mesmo período que os consoles acima.
TV: 18,9 kWh x 0,594490 = 11,235861 | R$ 11,23/mês

Desktop e notebook

Aqui vamos utilizar um critério de tempo diferente pois são dispositivos que costumam ser usados por longos períodos, principalmente para trabalho. Vamos supor que o tempo de uso seja de 8 horas diárias, ou um dia útil de trabalho. Nós já estipulamos a potência de cada um no início deste tópico, com 500W para o desktop e 65W para o notebook. O portátil tem uma vantagem, pois não necessita ficar o tempo todo conectado à tomada por conta da bateria.
Desktop: 120 kWh x 0,594490 = 71,3388 | R$ 71,34/mês
Notebook: 15,6 kWh x 0,594490 = 9,274044 | R$ 9,27/mês

Nintendo Switch

Assim como o notebook do exemplo anterior, o Switch tem a vantagem de não precisar ficar o tempo todo conectado à tomada, especialmente se você fizer uso dele apenas no modo portátil ou se só funciona nesse modo, no caso da versão Lite. Não somar a TV ao consumo também é outro detalhe a favor do aparelho, já que é possível jogar sem precisar dela.

O adaptador do Switch tem 39W de potência e leva cerca de 3 horas para carregá-lo totalmente. Vamos considerar que ele precisa ser carregado todos os dias.
Switch: 3,51 kWh x 0,594490 = 2,0866599 | R$ 2,09/mês

Dicas para economizar energia

Para fechar a matéria, vou deixar algumas dicas para ajudar você a economizar energia sem precisar parar de jogar. São atitudes simples que salvarão mais alguns trocados da sua carteira no fim do mês.

Otimizando o download

Você liga o console e aparece uma notificação para baixar uma atualização, ou então você tem o hábito de consumir jogos em formato digital. Para otimizar o tempo que o aparelho precisará ficar ligado fazendo o download, a dica é usar conexão via cabo e deixar o console no modo de espera (standby) enquanto baixa os arquivos. Quando o console está neste modo, seu consumo de energia é menor, e por não estar executando algum jogo ou aplicativo, permite que o download seja feito de forma mais rápida.
Vai baixar mas não vai jogar? Tente fazer isso nas horas de menor uso da conexão na sua casa para acelerar o processo ao máximo possível.
Se estiver conectado diretamente no cabo ao invés da rede sem fio, melhor. Com menos interferência externa, o tempo para baixar os dados será consideravelmente menor, exigindo que o aparelho fique ligado por menos tempo. A conexão sem fio existe por uma questão de conveniência, por isso opte por usar o cabo sempre que possível.

Evite deixar seu aparelho em standby sem necessidade

Com exceção da dica anterior, em que pelo menos você está economizando tempo para não precisar baixar as coisas só quando for jogar, evite deixar seu console ou PC no modo de descanso. Apesar de ser uma funcionalidade bastante cômoda, neste modo o aparelho só desperdiça energia, pois não está sendo usado para nada.
Deixar o aparelho em modo de descanso ainda consome energia. Só use essa função se for realmente necessário.
O mesmo vale para dispositivos portáteis como o Switch, notebooks, celulares e tablets. Evite deixar o adaptador na tomada quando a carga da bateria já estiver completa. Mesmo conectado, pequenas frações de eletricidade são puxadas da tomada e alguns centavos estão sendo jogados fora no fim do mês sem você nem perceber.

Evite jogar em dias ou horários mais quentes

Uma dica complicada de seguir, principalmente para quem mora em localidades onde o clima é predominantemente quente. Se for jogar, opte por fazer isso em horários em que não esteja fazendo muito calor. O principal motivo é por causa do aquecimento natural dos componentes do aparelho durante a operação.
O super aquecimento pode, inclusive, danificar seu console.
O problema de jogar em dias quentes é que mesmo sem estar operando com capacidade máxima, o console ou o PC irá forçar o sistema de resfriamento para se manter funcionando, o que acaba consumindo mais energia. Dê preferência para jogar à noite e verifique se o seu dispositivo se encontra em local arejado para facilitar a dispersão do calor.

Ative os recursos de economia de energia de seus aparelhos

Tanto os consoles como os televisores mais atuais possuem recursos que colaboram com a economia de energia. Verifique se eles existem e se estão ativados. Algumas TVs possuem funcionalidades que regulam o brilho e a potência do som em determinados horários do dia, e as mais modernas possuem até sensores que fazem a regulagem do brilho em tempo real de acordo com a iluminação do ambiente.
No Switch você pode ajustar o brilho da tela para se regular automaticamente e ativar o modo avião para desativar a conectividade sem fio e otimizar o uso da bateria.
Nos consoles e computadores, algumas das principais funções de otimização de energia são as de desligamento automático e operações que podem realizar quando estão em modo de descanso, como reduzir o processamento, uso de discos rígidos e desligamento de periféricos sem fio como controle, teclado e mouse. Verifique e ajuste conforme sua necessidade.

Reduza seu tempo de jogo

Querendo ou não, a melhor dica é reduzir o tempo que você passa jogando. Se você tem o hábito de jogar durante a semana, tente reduzir esse tempo, ou então deixe suas sessões de jogatina para o fim de semana ou para o seu dia de folga do trabalho. Reduzir o consumo ainda é a forma mais eficiente de economizar energia para qualquer situação.
Não precisa ficar sem jogar se souber economizar.
Curtiu nossas dicas? Espero que alguma delas tenha ajudado você nesse período complicado que estamos passando. Deixe nos comentários o que você fez ou pretende fazer para ajudar a baixar a conta de luz na sua casa. Apague a luz ao sair!

Revisão: Heloísa D'Assumpção Ballaminut

Tecnólogo em Gestão Ambiental, produtor do BlastCast e sincero até demais. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Adora jogos que acabam em discórdia e fogo no parquinho. @XelaoHerege


Disqus
Facebook
Google