Jogamos

Análise: WRC 10 (Multi) celebra cinco décadas de rali em grande estilo

Faça parte desta festa automobilística que traz um ótimo conjunto de novidades, sem esquecer das suas antigas vitórias (e derrapadas).

Em 2023, o Campeonato Mundial de Rali completará 50 anos, mas as comemorações virtuais começaram um pouco mais cedo. WRC 10 (Multi) vem para celebrar o meio século de existência da categoria, trazendo uma enxurrada de conteúdo que enche os olhos de qualquer entusiasta das corridas empoeiradas.

Apagando as velinhas com tradição

O grande atrativo da edição deste ano de WRC 10, sem sombra de dúvidas, são os eventos de aniversário. O jogo traz diversos trajetos lendários, como o complicado Rali de Acrópole, na Grécia, entre outros. Eles devem ser completados dentro de um tempo específico e usando um carro já determinado, o que aumenta o desafio e é um prato cheio para os fanáticos pelo esporte.

Quanto aos carros de outras eras, estão presentes veículos icônicos como Alpine A110 Berlinette, Lancia Stratos, Audi Quattro Sport, entre muitos outros. Uma pequena (grande) ausência é a do lendário Subaru Impreza 1997, do piloto escocês Colin McRae, campeão da edição de 1995 e que até batizou uma série de jogos (posteriormente renomeada para DiRT, em virtude do seu falecimento). Quem quiser pilotar o célebre bólido azul com listras amarelas terá que comprar em pré-venda ou comprá-lo à parte. Uma ausência sentida, mas que não diminui em nada o brilho dos que estão presentes.

Além de toda essa parte nostálgica, WRC 10 também traz todas as etapas dos 12 ralis de 2021, o que totaliza mais de 100 pistas (vale lembrar que os trajetos reversos contam como circuitos separados), além de todos os pilotos das categorias WRC, WRC2, WRC3 e JWRC. Ao todo são mais de 70 carros disponíveis logo de cara.

Pneus para que te quero

Jogos de rali têm um funcionamento um tanto quanto diferenciado em relação aos demais títulos de corrida. Em vez de circuitos fechados, competimos em trajetos abertos, indo de um ponto A a um ponto B, sem correr ao mesmo tempo que ninguém. A posição de cada piloto é decidida com base no tempo que ele levou para atingir a linha de chegada e são aplicadas penalizações com base em seus erros, como capotar, demorar para voltar ao trajeto e até a necessidade de trocar de pneus durante a prova.

Cada lugar possui um tipo de solo diferente, como asfalto, cascalho, terra e neve. Alguns inclusive podem apresentar uma mistura de dois desses tipos. Nesta edição ainda é possível customizar cada pneu individualmente, o que diferencia o comportamento do carro em momentos de chuva, por exemplo. Sendo assim, os pneus desempenham um papel fundamental na estratégia de cada etapa e fica faltando algum tipo de instrução para o jogador sobre como balancear seu composto antes de iniciar a prova. Os tipos diferentes apenas estão lá e devemos fazer a escolha baseados na meteorologia, mas sem saber de fato qual composição é mais indicada para qual situação.

Logo, a jogabilidade em si é bastante diferenciada, com a necessidade mais presente do uso constante dos freios. A maneira como pilotamos, incluindo aceleração, frenagem e como entramos nas curvas, afeta fortemente o funcionamento do carro e como ele é danificado para ser utilizado ao longo do rali. As sensações do motor falhando e da marcha enguiçando são muito bem traduzidas para os controles, exigindo o máximo de concentração do piloto.

Provas para todos os gostos

Uma coisa que está bem servida em WRC 10 são os modos de jogo. Quem quiser brincar offline pode fazer corridas isoladas e experimentar cada pista individualmente, escolhendo qualquer condição meteorológica. Até dá para misturar gerações e usar os carros atuais nas pistas antigas, mas vale o aviso de que nessas provas o público fica perigosamente próximo à borda das curvas (aparentemente se manter vivo não era uma prioridade nas décadas passadas).

Também está de volta o empolgante modo Carreira, no qual é possível gerenciar sua equipe, desde os seus membros até quais eventos participar. Também é possível ter uma boa reputação em meio às montadoras, o que gera convites para trocar de equipe e até ascender de categoria. As possibilidades são inúmeras e agora existe a opção de criar sua própria equipe, até mesmo com a identidade visual à sua escolha.

Entretanto, se você quiser apenas correr, sem se preocupar com a parte da gestão de negócios, há também o modo Temporada. Nele apenas escolhemos uma equipe e devemos ir vencendo as etapas até o fim do calendário. Com a sua conclusão, é possível ir para a categoria seguinte até chegar ao panteão dos pilotos da WRC.

Uma das adições mais aguardadas foi a de Personalização de Exteriores. Nessa opção, podemos escolher qualquer carro disponível e deixá-lo com a nossa cara. São dezenas de cores e adesivos para fazermos livremente a montagem que quisermos. Porém, nem tudo são flores. A maioria dos adesivos estilizados e cores estão bloqueados e só são liberados após cumprirmos com certas metas, que nem sequer notamos. Isso tira um pouco do brilho que a customização geralmente traz.

Outra falta, um pouco mais grave, está em um circuito específico. Ao selecionarmos o trajeto chileno “El Puma”, tanto normal quanto reverso, o jogo fecha imediatamente após a primeira curva. Até o fechamento desta análise, não houve um patch de correção. Enquanto ela é perfeitamente evitável em corridas isoladas, o jogador sempre acaba passando por ela no modo Carreira e no Temporada, uma vez que o Chile é uma das etapas obrigatórias de qualquer categoria. Existe a opção de pular a prova e abrir mão dos pontos que ela daria, mas isso pode dificultar a vida de quem tentar atingir o pódio andino.

Por fim, também está presente o modo Treino. Nele podemos escolher diversos circuitos mais básicos para treinar frenagem, retomada de aceleração e como o carro se comporta em diferentes tipos de solo. Só que, ainda assim, faz falta um tutorial, que ensine principalmente as indicações que complementam as curvas. Infelizmente fica difícil esperar por um copiloto que fale português, já que, como a esmagadora maioria dos pilotos é europeia, os únicos idiomas disponíveis para se ouvir são espanhol, francês e inglês. Então, pelo menos um indicativo escrito, em português, já cairia como uma luva.

Por falar em copiloto, por mais que eles não falem nossa língua, foi adicionada a opção de fala imersiva. Isso nada mais é do que pequenas falas entre uma indicação e outra. Por exemplo, se rodamos ou saímos da pista, ele diz para prestarmos atenção, ou comemora de maneira bastante efusiva caso façamos uma parcial boa. Isso pode ser desligado em qualquer momento, mas foi um detalhe interessante e divertido.

Rede variada

Se a sua praia forem as disputas online, você também estará muito bem munido. Além dos já tradicionais eventos diários e semanais, que te colocam em um carro, uma pista e até com defeitos pré-determinados, também é possível disputar partidas em rede, criando salas e delimitando quais regras serão seguidas.
 
A novidade fica por conta dos modos Clube e Copiloto. No primeiro, você pode fundar ou participar de um clube e estabelecer nele uma série de etapas a serem disputadas, criando uma espécie de minitorneio livre. Já no Copiloto, primeiro é escolhido qual lugar irá ocupar, o do volante ou o da prancheta. Quem escolhe a direção precisa se basear nos comandos do seu parceiro para se orientar na pista, nada de excepcional.

Entretanto, quem estiver no lugar do copiloto deve pressionar um botão no tempo certo para que as instruções sejam passadas no momento correto. Quanto mais tempo demorar para apertar, mais atrasado chegará o comando. A ideia é boa e divertida, mas pouco dinâmica e infelizmente não rende nada além de algumas risadas.

Pódio garantido

WRC 10 vem para manter a excelência da franquia em meio ao mundo das corridas virtuais. Por mais que não haja mudanças drásticas nos aspectos visual e sonoro, isso também significa que o padrão de qualidade continua alto. No mais, as pistas clássicas e as provas históricas agregam elementos positivos, mesmo que pontuais, e adicionam muitas horas desafiadoras e divertidas à vida útil do game.

Prós

  • Enorme número de carros e pistas, desde atuais até grandes clássicos;
  • Diversos modos de jogo, tanto online quanto offline;
  • Modo Carreira continua imersivo e bem construído;
  • Jogabilidade dinâmica e de fácil aprendizado.

Contras

  • Modo copiloto não é tão empolgante;
  • Falta de um tutorial ou glossário;
  • Maioria dos itens de customização está bloqueada;
  • Deixar o Subaru Impreza 1997 como DLC é um grande vacilo;
  • Pista essencial para os modos Carreira e Temporada tem um bug que fecha o jogo.
WRC 10 — PC/PS4/PS5/Switch/XBO/XSX — Nota: 8.5
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: Ives Boitano
Análise feita com cópia digital cedida pela Nacon

é amante de joguinhos de luta, corrida, plataforma e "navinha". Se pintar um indie de gosto duvidoso ou proposta estranha também não resisto.


Disqus
Facebook
Google