Vem aí

Prévia: Tales of Arise (Multi) promete elevar a série de JRPGs a novos patamares

O novo título da franquia japonesa apresenta visuais repaginados e mecânicas que expandem conceitos tradicionais.


Tales of é uma das mais tradicionais séries de JRPG de ação, contando com mais de 25 anos de história. Com o passar do tempo, os jogos foram evoluindo aos poucos, sem nunca deixar de lado os aspectos marcantes da franquia. No entanto, os últimos jogos foram criticados por apresentar parte técnica mediana e ideias conservadores. Isso deve mudar com Tales of Arise, o novo episódio da série. Além de contar com visuais com nível de detalhes nunca vistos na série, o jogo promete trazer inúmeras novidades para modernizar a experiência.

Em uma jornada por liberdade

Basta uma primeira olhada nas imagens e vídeos para perceber que Tales of Arise parece bem diferente dos títulos anteriores da franquia, e há explicações por trás disso. Para começar, o jogo está sendo produzido por Yusuke Tomizawa, responsável pela franquia God Eater, que promoveu várias mudanças no novo JRPG. O objetivo principal da equipe foi reavaliar e evoluir as principais características da franquia, o que justifica o título “arise”, que pode ser traduzido como emergir ou erguer.

A principal mudança foi a engine gráfica: em vez de utilizar um motor próprio da Bandai Namco como nos últimos títulos, Arise foi desenvolvido com o Unreal Engine 4. A nova tecnologia permitiu construir visuais elaborados e nunca antes vistos na franquia, sem deixar de lado a atmosfera estilo anime já conhecida pelos fãs. Além disso, o jogo utiliza um sombreador intitulado “Atmospheric Shade”, que dá uma aparência única de aquarela aos gráficos. O resultado é um visual estonteante e moderno.


Para acompanhar as mudanças, o compositor de longa data Motoi Sakuraba (de Dark Souls, Star Ocean e Valkyrie Profile) produziu uma trilha sonora com faixas orquestradas com a intenção de trazer um tom grandioso ao mundo de Arise. E, naturalmente, o musicista não deixa de lado os sintetizadores, guitarras e melodias de combate elaboradas que são marca registrada da série.

A trama e o mundo também refletem as novas filosofias com um universo mais sério e sombrio. A história de Arise se passa em dois planetas vizinhos chamados Dahna e Rena. Rena é considerado um lugar sagrado, a terra dos justos e divinos, sendo reverenciado pela população de Dahna. Por trás de mitos e costumes, está escondida uma verdade brutal: o povo de Rena, por meio de tecnologia e magia, tem escravizado e explorado os recursos de Dahna por mais de 300 anos.


Nesse contexto conhecemos Alphen, um dahnan com máscara de ferro que perdeu sua memória e é incapaz de sentir dor. Mesmo nessa condição, o homem luta pela liberdade de seu povo. O caminho dele se cruza com o de Shionne, uma fugitiva de Rena que, estranhamente, é acometida por uma maldição que dá choques em quem toca a sua pele. Os dois acabam fazendo uma aliança improvável para mudar o destino dos mundos. Pelo caminho, a dupla é acompanhada por outros aliados com objetivos diversos.

Renovando o calor e a intensidade do combate

A série Tales of é sempre lembrada pelo combate acelerado em tempo real e Arise introduz várias novidades ao sistema de batalha. A essência continua a mesma, ou seja, os heróis utilizam uma combinação de ataques e técnicas especiais para enfrentar os inimigos. É tudo bem rápido e ágil, lembrando títulos no estilo hack and slash, por mais que haja bastante estratégia por trás, como inimigos com partes do corpo vulneráveis a ataques.


Desta vez, há grande versatilidade nos embates: os heróis podem lançar inimigos no ar, saltar e continuar golpeando em sequências impressionantes. Para isso, cada personagem pode equipar três técnicas desferidas no solo e outras três ativadas unicamente no ar. A defesa foi substituída por um movimento de esquiva que permite executar um contra-ataque poderoso ao ser ativado no último segundo.

Cada personagem conta com sistemas exclusivos que os diferenciam em combate. O espadachim Alphen é capaz de sacrificar parte de sua vida para executar versões flamejantes de suas técnicas especiais. Shionne reforça suas bombas mágicas ao atirar balas especiais com seu rifle. Após fazer uma esquiva perfeita, o bastão de Dohalim se fortalece e aumenta a taxa de acerto crítico. Já a feiticeira Rinwell consegue armazenar encantamentos para lançá-los juntos em sequências devastadoras. Durante os embates, é possível alternar livremente entre os personagens, o que traz versatilidade às estratégias.


Uma novidade notável é o Ataque de Impulso, uma técnica exclusiva de cada um dos heróis que é capaz de mudar os rumos do combate. Alphen, por exemplo, executa um amplo corte flamejante que derruba inimigos. Já Law desfere um soco poderoso que quebra a defesa dos oponentes. Kisara usa seu imenso escudo para interromper monstros e defender aliados. Os Ataques de Impulso podem ser ativados rapidamente com um toque de botão e até mesmo aliados que não estão na arena podem aparecer rapidamente para executar suas técnicas.

Fora isso, os vários ataques especiais com visuais dramáticos estão de volta em Tales of Arise. Sob certas condições, os golpes podem ser transformados em versões mais poderosas, incluindo as extravagantes Ars Místicas. Uma nova opção são os Golpes de Impulso, finalizações estilosas em que dois heróis atacam em conjunto. Para ativá-las, é necessário atacar um inimigo repetidamente para preencher uma barra. Explorar as fraquezas dos oponentes acelera o processo.


Por fim, há uma mudança interessante com a introdução dos Pontos de Cura. Os PCs são consumidos ao lançar feitiços de cura ou suporte, e a única maneira de restaurá-los é descansando em acampamentos ou estalagens. Por causa disso, será importante usar com cuidado as técnicas de recuperação — ficar sem Pontos de Cura em um combate complicado pode ser fatal.

Desbravando um extenso e variado mundo

Fora dos combates, o grupo de heróis vai explorar inúmeras regiões dos dois mundos. Os cenários de Tales of Arise são bem amplos e contam com caminhos escondidos, equipamentos, ingredientes, itens e mais. Desta vez, a movimentação nos mapas tem novas opções e os personagens podem pular ou nadar, o que promete uma experiência mais variada na hora de atravessar os locais.

Como boa parte dos jogos do gênero, Arise contará com muitas atividades paralelas. Algumas delas foram resgatadas dos títulos anteriores, como procurar por colecionáveis em locais complicados (corujas perdidas, neste caso), usar minérios para criar equipamentos ou cozinhar inúmeros pratos a fim de obter bônus temporários. De inédito, teremos um minigame de pescaria e a opção de administrar um rancho — será possível criar animais e vegetais para obter itens úteis.


Os Títulos, pequenas descrições que fortalecem os heróis, estão de volta em Arise. Desta vez, cada um deles conta com um conjunto de habilidades que melhoram características do personagem e desbloqueiam novas técnicas. É necessário gastar pontos para liberar esses recursos, e obter todos os nós de um conjunto habilita um bônus permanente. Os Títulos são obtidos de maneiras diversas, como executar ações em combate, completar missões paralelas ou fazer tarefas específicas — este é mais um incentivo para vasculhar com cuidado todas as possibilidades do mundo.

Por fim, as tradicionais Conversas (ou Skits) estão um pouco diferentes em Arise. Agora elas usam os modelos 3D dos personagens e lembram pequenas histórias em quadrinhos. Animações elaboradas, ângulos diferenciados e uso de cenários prometem deixá-las mais interessantes do que nunca. Um detalhe curioso é que as roupas e os acessórios customizados dos personagens vão aparecer durante essas conversas, algo inédito na série. Muitos fãs não gostaram das mudanças, porém elas parecem ser interessantes e positivas.


Assim como nos grandes lançamentos recentes da Bandai Namco, Tales of Arise está completamente localizado para o português do Brasil. O texto foi adaptado e segue as convenções dos últimos Tales, como “Ars” no lugar de “Artes” e tradução completa de nomes de técnicas, como “Presa Demoníaca” (ou “Demon Fang”). Já no áudio, estarão disponíveis as dublagens em inglês e japonês.

Contos renovados e promissores

Tales of Arise almeja renovar a série de JRPGs e é possível que ele alcance esse feito com o que foi mostrado até o momento. O combate parece ser uma evolução notável dos sistemas dos últimos títulos, com maior velocidade e mais opções de ataque. Já o mundo promete cenários elaborados e exploração mais livre, além de inúmeras atividades paralelas interessantes. Mas, sem dúvidas, a alteração mais impressionante está na parte técnica, com os gráficos modernos que lembram uma aquarela. No mais, só nos resta aguardar para conferir se Tales of Arise vai corresponder às expectativas.


Tales of Arise - PC/PS4/PS5/XBO/XSX
Desenvolvimento: Bandai Namco
Gênero: JRPG
Lançamento: 10 de setembro de 2021
Expectativa: 4/5
Revisão: Ives Boitano

é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de roguelikes, game music, fotografia e livros. Pode ser encontrado no seu blog pessoal e nas redes sociais por meio do nick FaruSantos.


Disqus
Facebook
Google