Jogamos

Análise: Space Jam: A New Legacy - The Game (XBO/XSX) é um beat 'em up que errou a cesta

Pernalonga, Lola e LeBron James enfrentam uma ameaça cibernética neste desafio demasiadamente simples e que pouco tem a ver com basquete.


Space Jam: A New Legacy - The Game
(XBO/XSX) é um beat ‘em up promocional do filme de mesmo nome em que o vilão cibernético Al-G Rhythm prende o astro do basquete LeBron James em seu mundo virtual. O atleta se une a Pernalonga e Lola Bunny e eles precisam encontrar um artefato misterioso chamado Código Legado, que poderá deter os planos de dominação mundial do cybercriminoso. E o destino dos personagens será definido em uma partida de basq… opa… pegadinha! Será definido em uma luta!!

Participação dos fãs e controles comemorativos

Curiosamente Space Jam: A New Legacy não é um jogo de basquete, mas sim um beat ‘em up estilo retrô. Essa escolha, apesar de parecer estranha, pode ser explicada pela forma como ocorreu seu desenvolvimento. O gênero e as ideias gerais do título foram decididos através de um concurso com participação dos fãs, que podiam enviar sugestões para os desenvolvedores com até 500 palavras. Dois vencedores tiveram suas ideias concretizadas no game, além de ganharem prêmios.

A ação incluiu workshops virtuais gratuitos incentivando crianças e adolescentes a aprenderem técnicas de programação através da plataforma Microsoft MakeCode Arcade e duas lições para adultos e programadores mais experientes na plataforma Microsoft Learn. As lições contam com pequenos vídeos apresentados pelo elenco, focando no poder da ciência da computação e da programação. Todas essas ações têm relação com o filme: no longa, o filho de LeBron (interpretado por Cedric Joe) tem o sonho de se tornar desenvolvedor de videogames.


A Microsoft também lançou três controles personalizados comemorativos com designs exclusivos: Tune Squad, o controle dos heróis do filme, com detalhes com cor de cenoura; Goon Squad, o controle dos vilões, com cores mais sombrias; e Serververse, com o tema do servidor Warner 3000, com uma aparência mais tecnológica.

O segundo Space Jam

Space Jam: Um Novo Legado (o filme) não é o primeiro produto da Warner que parte da premissa de juntar um superastro do basquete com personagens Looney Tunes. Em Space Jam: O Jogo do Século, filme original de 1996, Pernalonga e seus amigos foram sequestrados por alienígenas que querem transformá-los em uma atração de um parque de diversões. Os personagens propõem um duelo de basquete em troca de sua liberdade, e para isso contam com a ajuda de Michael Jordan. No novo filme, que estreia nos cinemas e no serviço de assinaturas HBO Max no próximo dia 15 de julho, a estrela é LeBron James, que teve o filho sequestrado pelo vilão Al-G Rhythm em seu mundo virtual.


Space Jam: A New Legacy (o jogo) não seguiu o padrão estético do filme, adotando um visual pixel art retrô, talvez como homenagem ao filme de 1996, época em que os consoles de 16 bits ainda estavam em alta. O roteiro do jogo tem similaridades com o filme, mas é bem mais simples: Al-G Rhythm se apresenta no começo da aventura e você enfrenta seus lacaios até o combate final, numa trama totalmente linear. Não é sequer mencionado o filho de LeBron ou os planos do vilão em relação aos Looney Tunes. Se bem que isso não é um defeito, já que a maioria dos beat ´em ups não apresenta um roteiro muito cabeça, você joga pela ação e não pela história.

O que é que há, velhinho?

Eu estava bastante empolgado com este lançamento, pois ele tem muitas coisas que eu gosto: é um beat ‘em up, um dos meus gêneros favoritos; apresenta estilo retrô 16 bits; é estrelado pelos personagens Looney Tunes, e também contou com o envolvimento da Microsoft e da Warner com os fãs durante o desenvolvimento. Mas apesar desse carinho todo, o resultado foi um jogo fraco.

Eu achei Space Jam repetitivo, com pouquíssimo conteúdo e jogabilidade tão básica que até mecânicas consideradas padrão nos beat ´em ups estão faltando. Todos os personagens possuem um único combo básico de quatro hits, sem variação de soco ou chute ou golpes fortes e fracos. Não há agarrões nem arremessos, mecânicas bastante comuns e esperadas nesse tipo de jogo.


São três personagens para escolher, mas praticamente não há diferença entre eles, sendo praticamente indistinguíveis em termos de velocidade e força. Podemos dizer que a diferença é meramente estética. Falando em falta de variações, só existem seis tipos de inimigos, que se repetem sem nem mesmo variar a paleta de cores.

Além do combo básico, é possível pressionar os botões de pulo e soco simultaneamente para disparar um desperation move que derruba todos os inimigos próximos ao custo de um pouco da barra de vida, de modo similar ao que temos em Final Fight. Há também um ataque com corrida e uma voadora simples, o básico do básico.


Uma barra de especial é preenchida lentamente ao derrotar oponentes. Quando a barra está completa, podemos invocar o poder especial da carta que seu personagem equipou na seleção de personagem. É uma mecânica similar aos especiais vistos em outros beat ‘em ups, com efeitos que variam de aumentos temporários de força a itens de recuperação de HP.

Bola fora

A bola é uma mecânica que poderia ser um belo diferencial para destacar Space Jam dos outros beat ‘em ups, mas foi totalmente desperdiçada. Ataca-se com a bola usando o botão do soco; ela é disparada em linha reta e se não acertar nenhum oponente, sai da tela levando alguns segundos para ser trazida de volta pelo Piu-Piu. Se atingir um oponente, a bola cai no chão no local do impacto, obrigando o jogador a ir buscá-la para usá-la novamente. Também é possível segurar o botão B por alguns segundos para “teleportar” a bola para a sua mão, o que custa um tempinho que seria melhor utilizado fazendo um ataque normal.


Ao segurar o botão A, é possível dar um tiro carregado com a bola, mas não é algo muito bom ou prático. Para executar este movimento, você precisa estar com a bola na mão, segurar o ataque alguns instantes, mirar no adversário e atacar. O tiro carregado só dá dano no primeiro oponente que atingir e assim como o ataque normal, a bola sai da tela se não acertar ninguém, ficando indisponível por alguns segundos. É um sistema muito lento e complicado. Na prática, é mais eficiente partir para cima dos robôs na base do soco.

Lance livre

Space Jam: A New Legacy é um exclusivo de consoles Xbox One e Series e será disponibilizado de forma gratuita para todos os jogadores dessas plataformas a partir de 15 de julho, no mesmo dia em que o filme estreia nos cinemas e no serviço de assinaturas HBO Max. O jogo poderá ser baixado mesmo por aqueles que não sejam assinantes do Game Pass ou Games With Gold. Assinantes do serviço Game Pass Ultimate tiveram acesso antecipado e podem jogá-lo desde 1º de julho.

A campanha pode ser jogada em modo single-player ou multiplayer local para até três jogadores simultâneos. Jogar em co-op é consideravelmente mais divertido que jogar sozinho, como costuma acontecer em beat ‘em ups.


O roteiro é composto por cinco estágios curtos e pode ser finalizado em cerca de quarenta minutos, que você passará basicamente apertando o botão de soco de maneira repetitiva e tediosa. As batalhas contra os chefes não são empolgantes nem memoráveis. A única batalha com alguma variação é contra o chefe final, mas seus padrões são fáceis de compreender. O modo campanha possui dois níveis de dificuldade (normal e difícil) e há também um boss rush em que é possível enfrentar todos os chefes em sequência.

Eu realmente queria ter gostado deste jogo, mas a verdade é que, depois de terminá-lo, fiquei pouco motivado a fazê-lo novamente. Pode ser que, devido à jogabilidade ultra-simples e curta duração, possa ser melhor apreciado jogando com crianças que fiquem empolgadas com o filme.


Deveria ter virado à esquerda em Albuquerque

Apesar de todo o carinho e envolvimento com os fãs em sua fase de desenvolvimento, Space Jam: A New Legacy é mais um título que entra pra lista de “jogos de videogame ruins baseados em filmes”. É um beat ‘em up tedioso, básico demais, parecendo quase uma obra inacabada ou feita às pressas. As mecânicas novas, apesar de originais, foram muito mal executadas. Talvez seja mais legal se apreciado junto com o filme, mas como produto isolado passa aquela sensação de algo que tinha potencial mas ficou devendo.

Prós

  • Bonitos gráficos em estilo retrô 16 bit;
  • Presença de personagens famosos.

Contras

  • Jogabilidade fraca, tediosa e repetitiva;
  • Mecânicas novas foram mal implementadas;
  • Falta de conteúdo, mesmo para um beat ‘em up.
Space Jam: A New Legacy - The Game - XBO/XSX - Nota: 5.0
Versão utilizada para análise: XSX
Revisão: Farley Santos
Análise produzida com cópia digital disponível no Game Pass Ultimate

é engenheiro eletrônico e tem uma filha fofinha que tenta morder os controles do papai. Curte jogos de luta, corrida e ação.


Disqus
Facebook
Google