Jogamos

Análise: Red Solstice 2: Survivors (PC) combina tensão e estratégia em partidas empolgantes

Lidere um esquadrão secreto em cenários claustrofóbicos e repletos de hordas inimigas.



Red Solstice 2: Survivors nos transporta para o planeta Marte infestado por um ser mutagênico conhecido como STROL. O título faz uma mistura eficiente de aspectos táticos de jogos como os da franquia XCOM com a dinâmica e agilidade na tomada de decisões estratégicas em tempo real. O resultado são partidas emocionantes em que escolhaserradas podem colocar tudo a perder, inclusive a vida do seu grupo.

Um refúgio para humanidade

No universo caótico de Red Solstice, a Terra deixou de ser um lugar habitável para a raça humana, que agora se vê obrigada a colonizar e buscar refúgio no planeta vermelho conhecido como Marte. Essa solução parecia ser uma saída pacífica até o aparecimento da ameaça STROL, um vírus mutagênico agressivo capaz de infectar e alterar a estrutura de qualquer ser vivo. Os afetados assumem uma aparência completamente monstruosa regida pela agressividade, levando-os a destruir qualquer forma de vida em seu caminho.




Com a rápida disseminação do STROL, as colônias humanas no distante planeta foram facilmente devastadas. Diante disso, os sobreviventes depositaram suas esperanças no Executor, um lendário soldado geneticamente modificado capaz de uma performance sobre-humana e que vinha sendo mantido em animação suspensa. Seu visual me lembrou rapidamente o do Doom Slayer ou até mesmo o do próprio Master Chief da franquia Halo. As semelhanças vão além da aparência, já que o militar tem uma presença marcante e atitude enérgica: é empolgante ouvir seus gritos de comemoração ao explodir e esquartejar as criaturas inimigas.

Por mais que sua capacidade física seja surpreendente, ele não é capaz de ganhar a guerra sozinho. Para auxiliá-lo na tarefa de recuperar as colônias perdidas em Marte e descobrir mais a respeito do STROL, o Executor conta com a Célula – nome que remete ao conceito de uma unidade autossuficiente –, uma base móvel capaz de responder aos chamados de emergência e chegar rapidamente aos locais de maior infestação. Seu interior é equipado com unidades de pesquisa, comunicação, engenharia e treinamento.




A narrativa é contada por meio de diálogos entre os personagens no mapa geral onde visualizamos as colônias espalhadas pelo planeta e gerenciamos os recursos e funções da Célula. Outro momento em que história e ação se misturam é durante as missões, nas quais encaramos de frente a ameaça dos mutantes e nos deparamos com algumas surpresas, como tarefas secundárias que ampliam em muito o tempo de jogo. Em alguns casos, temos até algumas reviravoltas e aparições de figuras conhecidas para quem já jogou o primeiro Red Solstice, como o protagonista anterior, Tyler Hunt.

Enfrentando o apocalipse marciano

O tempo de jogo em Red Solstice 2 transcorre conforme deslocamos nossa base ou participamos de eventos que surgem pelo mapa, como extração de recursos. Com o decorrer do tempo, novas missões vão surgindo e cada uma delas tem algumas restrições, como determinada quantidade de recursos e prazo para conclusão. Não atendê-las a tempo ou falhar com em seus objetivos acarreta no fracasso e no aumento da infestação do local.




Antes de ingressar em cada uma delas, somos levados a uma tela que nos dá uma visão geral sobre a missão, deixando claro o objetivo, os tipos de inimigos que podemos esperar, a frequência que as hordas reaparecem e os itens adicionais que podemos levar (aqueles que construímos na área de pesquisa). Em algumas missões, é possível ajustar esses elementos, como, por exemplo, aumentar ou diminuir a frequência dos monstros em troca de uma menor ou maior experiência adquirida em combate.

Ao entrar no mapa, o requisitante da missão ou a EMMA, a inteligência artificial que nos acompanha, nos dá um norte do que fazer, além de uma seta indicadora na frente do protagonista que aponta a direção dos objetivos principais. Os cenários, no geral, costumam ser enormes e cheios de construções que podem ou não ser exploradas. O clima de penumbra é predominante, dando uma sensação claustrofóbica dado a visão limitada e grande quantidade de criaturas surgindo de múltiplas direções. 




Conforme avançamos, missões secundárias irão surgir automaticamente e de forma aleatória, podendo ser um pedido de resgate de sobreviventes, eliminar um foco de ovos mutantes, coletar recursos, etc. Completá-las ou não ficará sempre a cargo do jogador para decidir se valerá a pena correr o risco em troca de recompensas maiores.

Esse é um ponto que mais me impactou em minha experiência. Utilizar a mecânica dos RTS foi uma decisão excelente por parte dos desenvolvedores, pois ela combina perfeitamente com esse clima sombrio que é mesclado com a adrenalina na vinda constante de hordas de mutantes. A tensão é contínua, pois tudo passa a ser um desfecho de escolhas cruciais. Entramos em ação com munições e itens limitados, portanto ficar parado na defensiva pode ser algo cômodo, mas prolongar esse período é pedir pela vinda de monstros cada vez mais fortes.




Explorar construções abandonadas garante suprimentos extras e uma proteção temporária, no entanto, ao meu ver, essa ação parece acelerar a vinda de hordas. Avançar com tudo no objetivo principal permite uma conclusão rápida, mas limita as possibilidades e recursos extras que a fase tem a oferecer. No meu caso, sempre busco extrair o máximo do título. Por conta disso, passei por missões que, a princípio, seriam curtas, mas que acabaram se prolongando por mais de uma hora, algo que só foi percebido ao término do mapa, deixando claro que a experiência ficou longe de ser maçante.

Todavia, esse ritmo frenético pode se tornar uma “faca de dois gumes” em determinadas situações. Os confrontos são tão constantes que em alguns momentos das fases não será possível prestar atenção em pequenos detalhes. Isso se agravou por eu achar que algumas missões opcionais carecem de maiores explicações. Em uma de minhas empreitadas, fui incumbido de recuperar um armamento poderoso e utilizá-lo para bombardear um prédio tomado por ninhos de STROL, o único ponto é que o jogo não me alertou que esse armamento era uma bomba nuclear! Lembro de correr desesperadamente com os meus soldados e ainda assim fomos engolidos pela onda de calor.
Ninguém me avisou que a bomba era nuclear!

Liderando uma unidade especial

À frente da Célula, temos uma série de tarefas estratégicas que, assim como sua performance nas missões em campo, também irão definir o sucesso ou o fracasso da campanha. Veteranos da franquia XCOM irão sentir uma familiaridade maior, pois os afazeres são semelhantes. No mapa-mundi de Marte, podemos verificar quais locais podem ser acessados, os eventos que estão disponíveis para participar e os níveis de infestação em cada localidade. Saber controlar esses níveis e deslocar a base para os pontos mais críticos é fundamental para evitar que a infestação em determinado local fuja do controle.

No interior da base, uma das principais funções é a pesquisa de novas instalações e aprimoramentos das já existentes. Em alguns casos, esse processo fará parte dos objetivos principais para progredir no jogo, como desenvolver o sistema de comunicação, que possibilita o contato com novas áreas até então bloqueadas. 




Por falar em nossos companheiros, é na aba Arsenal que iremos prepará-los. Não só o Executor, mas também cada membro do pelotão possui um traje especial de combate. É possível equipar habilidades especiais e acessórios que aumentam a capacidade energética e armamentista da armadura, o que influencia diretamente na quantidade de armas, velocidade na movimentação e capacidade dos golpes especiais.

O mesmo vale para os armamentos: eles estão divididos em primários e secundários e são dispostos em uma boa variedade, desde armas pesadas e tecnológicas como rifles energéticos, até versões convencionais como a escopeta de repetição. As armas primárias costumam ter maior quantidade de munição, em compensação seu dano é inferior ao das armas secundárias, que possuem uma capacidade de uso mais limitada. O segredo consiste em combinar modelos diferentes, pois cada um conta com vantagens e desvantagens com relação a determinados tipos de inimigos.




As classes dos soldados também são bem diversificadas, permitindo criar uma equipe com indivíduos únicos que cumpram papéis específicos. Por padrão, nosso Executor começa como Assalto, um tipo mais generalizado que traz um misto de características de cada classe. Os Socorristas garantem a sobrevivência do grupo, enquanto que os Demolidores, a minha preferida, causam grandes estragos em massa, plantando e lançando explosivos poderosos. Novas opções vão surgindo conforme evoluímos e a troca entre elas pode ser realizada a qualquer momento.

Reforço mais que bem-vindo

Durante a campanha, podemos convidar até sete jogadores para se aventurar nas incursões ou simplesmente deixar a partida como público, permitindo que qualquer um ingresse na fase. Durante a minha jogatina, não consegui juntar mais que dois jogadores desconhecidos, mas somando com os outros três membros controlados pela IA, quase completamos o pelotão. Não encontrei opções de chat e interações (como emotes) durante a partida, mas é possível se comunicar através de uma caixa de texto.




Jogar apenas com os bots não chega a ser desinteressante. No geral eles são bastante eficientes durante os confrontos e utilizam suas habilidades especiais frequentemente. Por padrão, eles entram seguindo o nosso Executor e atirando em todos os inimigos, porém é possível comandar algumas ações específicas através de um menu de acesso rápido. Em casos pontuais, eles perdem o rumo e passam a andar por caminhos sem sentidos. Isso ficou bem aparente sempre toda vez que eu descia por uma tirolesa e alguns deles voltavam sozinhos para dentro do prédio repleto de inimigos que tínhamos acabado de fugir.

É preciso ter cuidado com explosões, pois elas atingem a todos (sim, eu cheguei a matar toda a minha equipe). Felizmente, a morte não significa o fim: ao perder algum companheiro, podemos ressuscitá-los por meio de itens. Mesmo que a sorte não nos presenteie com um deles, cada aliado possui até três vidas. Portanto, mesmo que ele fique fora de combate na missão atual, ele estará de volta ao término dela, a menos que todas as vidas tenham se exaurido.




Efeitos colaterais

Infelizmente o jogo sofreu (e ainda sofre) com alguns problemas técnicos, como travamentos que levaram ao fechamento do jogo, problemas de sincronização em partidas online e alguns aspectos de level design. O lado positivo é que o estúdio disponibilizou no menu principal um canal de comunicação para reportarmos rapidamente os problemas e sugestões de melhorias encontradas. A velocidade dos desenvolvedores tem sido surpreendente, pois desde que recebi a chave para análise, duas grandes atualizações foram liberadas, sanando grande parte desses problemas. A falha mais notável atualmente permanece no breve travamento do áudio de alguns efeitos especiais como o som de tiros.

Os detalhes gráficos não contam com o melhor que os jogos atuais tem a nos oferecer, mas a fluidez dos movimentos e os efeitos especiais, como o fogo das explosões, são bem executados. Destaque aqui para os momentos em que explodimos os mutantes, enfeitando a área com pedaços de corpos e muito sangue, aumentando ainda mais a imersão do jogador.



Uma experiência tensa e empolgante

Red Solstice 2: Survivors conseguiu me surpreender positivamente. O constante clima de tensão e claustrofobia em decorrência da visão limitada aliado ao aparecimento dos mutantes me deixou em alerta frequentemente. A incerteza dos tipos de missões secundárias que podem surgir também ajudam a evitar que a experiência entre em uma rotina engessada. As funções de líder da Célula envolvem uma série de importantes tomadas de decisões que impactam sobre o destino da campanha, enquanto que o combate em tempo real elimina todo o fator sorte na hora dos tiroteios, algo predominante em jogos do tipo e que sempre me incomodaram.  




Mesmo com os muitos problemas técnicos encontrados desde seu lançamento, é louvável a rapidez e preocupação do estúdio Ironward em remediar a situação e manter um canal aberto com a comunidade. Quem pretende adquirir o jogo a partir desta análise, não vivenciará grande parte dos problemas reportados no lançamento, restando apenas alguns detalhes pequenos que não impactaram severamente a minha experiência.

Prós

  • Clima constante de tensão claustrofóbica;
  • Múltiplas missões objetivas ajudam a diversificar a campanha;
  • Boa variedade de classes e tipos de armamentos;
  • Uso eficiente de elementos táticos adaptados ao gênero RTS;
  • Opções de multiplayer para até sete jogadores.

Contras

  • Breves e isolados problemas no áudio de alguns efeitos especiais;
  • Ritmo frenético das frases e a falta de detalhamento de algumas missões comprometem a sua compreensão.
Red Solstice 2: Survivors — PC — Nota: 9.0
Revisão: Farley Santos
Análise produzida com cópia digital cedida pela 505 Games

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google