Jogamos

Análise: Wonder Boy: Asha in Monster World (Multi) te leva a conhecer um clássico pouco explorado

Se aventure por uma das icônicas franquias da Sega em um divertido e nostálgico remake.


Nos agora longínquos anos 1990, a Sega mostrava força com diversos títulos para seu console da época, o Mega Drive/Sega Genesis. Além de Sonic e Alex Kidd, outra franquia que juntava muitos fãs, principalmente no Japão, era a série Wonder Boy, também chamada de Monster World. Inclusive foi baseado nessa série que nós brasileiros ganhamos os clássicos da Turma da Mônica para Master System, distribuídos pela saudosa Tec Toy.

Com a vindoura onda de remakes de antigos clássicos, que já está mais do que manjada, não era sem tempo que a série também fosse arrebatada por essa moda. Assim surgiu Wonder Boy: Asha in Monster World (PS4/Switch), que foi desenvolvido em cima de Monster World IV, o único da série original que não havia sido lançado fora de um console da Sega na época. Antes deste remake, o título só deu as caras novamente através do Virtual Console, no Nintendo Wii, em 2008. Além de ser lançado para PlayStation 4 e Switch, este título também chegará aos PCs, via Steam, em 29 de junho.

A princesa valente

Nesta aventura controlamos Asha, uma princesa que deve salvar seu reino de uma presença maligna, a qual capturou os quatro espíritos naturais que mantinham o equilíbrio do reino.


Para resgatá-los, nossa heroína deve se aventurar em vulcões, desertos congelados e labirintos subterrâneos, derrotando inimigos e chefes. Também é possível equipar-se com espadas, escudos e braceletes diferenciados, que influenciam no seu poder, defesa e quantidade de corações. Por fim, é necessário coletar moedas e Life Drops, que geram um coração extra de vida, a cada 10 reunidos.

Como toda boa protagonista, Asha contará com a companhia de seu amigo Pepelegoo, uma criatura que a ajuda de diversas maneiras. Podemos usá-lo para realizar pulos duplos, planar no ar e até arremessar o bichinho para alcançar itens distantes. Tirando isso, ela possui uma movimentação bem básica, com pulo simples, ataque de espada e defesa com o escudo.


Apesar de todos os comandos da personagem serem bastante simples, em alguns momentos, principalmente em combates contra os chefes, a movimentação se mostra um pouco imprecisa e travada, mas nada que comprometa gravemente o andamento do jogo.

Como antigamente (mesmo)

Asha in Monster World é um remake que se mantém fiel às suas origens… até demais. Caso você tenha jogado o título original, vai perceber que fora as melhorias gráficas, todo o andamento da narrativa é o mesmo. Até os segredos, como encontrar o vendedor misterioso e usar o código de sound test na tela de abertura, permaneceram os mesmos.

Os visuais do jogo foram muito bem trabalhados, trazendo ares de um belo jogo em plataforma ao melhor estilo 2.5D. A trilha sonora também ganhou uma repaginada bem interessante, porém os mais saudosistas poderão fazer uso das músicas originais em 16-bits enquanto jogam.


Por um lado tudo isso é muito bom, pois a sensação de nostalgia bem aproveitada é ótima, assim como um remake competente deve nos fazer sentir. Porém, o contra é que o jogo não traz nenhuma evolução em seu conteúdo de fato. 


Não seria de todo um mal ter algumas dungeons extras para serem exploradas durante a aventura, ou até mesmo como bônus após a sua conclusão. Ter poucos ambientes faz com que ele se torne curto para os dias atuais e até um pouco repetitivo, dada a sua dinâmica de exploração.

Outro defeito incômodo é o fato do jogo não possuir um salvamento automático. O jogador é obrigado a fazer o procedimento manualmente sempre que quiser garantir que seu procedimento não seja perdido.


Uma última bola fora é que o jogo original está incluso apenas para quem comprar a versão física do game. Ele já vem todo traduzido para o inglês e possui diversos filtros para quem quiser simular os efeitos das televisões de tubo da época. Mas não custaria nada incluir esse mimo para quem comprasse a versão digital também.

Uma jornada saudosa

Wonder Boy: Asha in Monster World funciona muito bem como um ótimo remake e também como um título isolado de aventura. Ele contém pequenos defeitos para esta geração, principalmente pela sua movimentação um pouco defasada, mas ainda assim é uma retomada interessante a uma franquia tão clássica e pitoresca.

Prós

  • Visuais muito bem feitos e remodelados;
  • Trilha sonora retrabalhada;
  • Comandos simples e intuitivos;
  • Aventura fiel à original, bastante divertida e nostálgica.

Contras

  • Curto e um pouco repetitivo;
  • Apenas a versão física do jogo contém o título original;
  • Não possui salvamento automático;
  • Movimentação um pouco truncada em determinados momentos.
Wonder Boy: Asha in Monster World — PS4/PC/Switch — Nota: 7.5
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: Felipe Fina Franco
Análise feita com cópia digital cedida pela ININ Games


é amante de joguinhos de luta, corrida, plataforma e "navinha". Se pintar um indie de gosto duvidoso ou proposta estranha também não resisto.


Disqus
Facebook
Google