Jogamos

Análise: Bright Days in Quarantine (PC) te desafia a não surtar no meio da quarentena

Faça suas tarefas domésticas, revisite seus hobbies antigos e tente sobreviver a mais um dia de isolamento.


Imagine-se em um contexto em que o mundo está no meio de uma pandemia; o dia a dia das pessoas foi completamente afetado, o trabalho nos escritórios foi substituído home office, a educação agora é à distância, já não é possível ir em academias, sair para passear e muito menos jantar em restaurantes. Muito familiar, certo? Esse não é apenas o nosso contexto, mas também o de Bright Days in Quarantine. 

Produzido pelo estúdio brasileiro Delta Arcade, esse título indie traz a rotina de uma família afetada pelas mudanças impostas pela quarentena, desde os hábitos higiênicos de limpar as compras até adequar seu horário para limpar a casa. Será que você é capaz de realizar todas as suas tarefas e ainda tirar um tempo para praticar um hobby?

Planejando o seu dia

Logo no início somos contextualizados da situação: uma terrível pandemia se alastrou no mundo e, por necessidade, as pessoas precisam se isolar em casa para impedir uma maior contaminação. Você é um pai de família que mora com sua esposa e filha, e tem que se organizar para as atividades diárias. São dispostas duas listas ao início de cada dia: uma de tarefas domésticas e outra de hobbies. Seu objetivo é concluir todas as tarefas antes que o dia termine. O primeiro dia funciona como tutorial, mostrando os cômodos da casa, como são realizadas as tarefas e quais os desafios para executá-las. 

A mecânica é a mais simples possível: para varrer a casa, primeiro pegue a vassoura, vá para os locais marcados e segure o botão de ação para executá-la. Essa lógica funciona para praticamente todas as atividades disponíveis. Em meio às tarefas, você deve estar atento às necessidades do protagonista, que pode ser fome ou vontade de ir ao banheiro. Além disso, existe uma barra de energia que vai diminuindo com o passar do tempo, mas não pode esvaziar por completo. Caso contrário, seu personagem irá surtar e seu progresso será zerado. Para cada tarefa realizada, uma parte da barra de cansaço é restaurada, assim como quando você se alimenta ou vai ao banheiro.



A dificuldade do jogo, principalmente nos níveis mais avançados, se resume em ter uma boa estratégia para realizar as tarefas no tempo necessário. Os horários para comer e ir ao banheiro são pré-determinados e cada atividade possui um tempo mínimo para ser concluída. Ler a lista com calma e observar o cenário são fundamentais para passar de fase. 

Concluída todas as missões do dia, uma pequena cutscene é iniciada baseada no hobby do dia. Pode ser o protagonista tocando violão, vendo televisão ou cozinhando. Esses momentos são as principais atrações de Bright Days in Quarantine; é quando ocorre uma reflexão que se encaixa perfeitamente no nosso dia a dia de quarentena.


Alguns problemas que atrapalham

Mesmo sendo um jogo simples, Bright Days in Quarantine apresenta alguns problemas que interferem bastante na conclusão das fases. O principal é a imprecisão dos controles ao tentar pegar objetos no cenário. É muito comum achar que executou a ação e simplesmente sair do cômodo, fazendo com que perca momentos preciosos do dia. Além disso, a movimentação é um pouco travada, principalmente em cômodos com móveis e pouco espaço para movimentar, como o quarto, por exemplo. 

Nas últimas fases do jogo, onde qualquer segundo é importante para realizar as tarefas dentro do tempo, esses problemas interferem diretamente no fracasso do jogador.  Quando não realizadas em sua totalidade, o dia avança e a fase é reiniciada, com as mesmas missões e sem restauração da barra de cansaço e isso faz o jogo se tornar bem repetitivo.


Uma reflexão sobre a quarentena

Como dito anteriormente, a principal atração de Bright Days in Quarantine são as cutscenes ao final de cada dia. Em cada uma delas é possível refletir sobre suas ações nesse período de quarentena que estamos vivendo. Quem não pensou em voltar a tocar violão, ou colocar as séries em dia? Mas quem também não se sentiu triste, desanimado e até deprimido? As tarefas cansam, o home office cansa, as aulas à distância cansam. Contudo, procurar desligar um pouco dos problemas e entender o que pode te fazer feliz nesse momento é muito importante.

A principal mensagem é, acima de tudo, se cuidar, física e mentalmente, e cuidar de quem você ama, não se esquecendo de quem está distante. São inúmeras reflexões possíveis e o impacto de cada uma delas vai depender da realidade do jogador. No final das contas, a mensagem mais poderosa é tentar não surtar, mesmo nas maiores dificuldades.


Não surte e se cuide

Mesmo apresentando problemas que realmente incomodam, Bright Days in Quarantine surpreende em nos fazer refletir sobre o momento que estamos passando. Sua jogabilidade simples funciona dentro da proposta estabelecida e seu nível de dificuldade dependerá da estratégia que você utilizará para executar as missões. É um jogo curto, barato, acessível a qualquer pessoa e é capaz de ensinar a todos os jogadores importantes lições sobre relacionamento, saúde física e saúde mental. E o mais importante de tudo isso, não surte.

Prós

  • Jogabilidade simples e acessível;
  • Excelente reflexão sobre o período da pandemia.

Contras

  • Problemas de movimentação e precisão dos botões;
  • Gameplay repetitivo.
Bright Days In Quarantine — PC — Nota: 7.0
Revisão: José Carlos Alves
Análise produzida com cópia digital adquirida pelo próprio redator

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google