Jogamos

Análise: Utawarerumono: Prelude to the Fallen (Multi) – um clássico cheio de charme

Combinação de visual novel e RPG estratégico traz uma jornada épica em seu retorno ao PC.

Originalmente lançado em 2002 no Japão, Utawarerumono é um misto de visual novel e RPG estratégico da Aquaplus com uma razoável popularidade no Japão. Após o lançamento oficial em inglês de suas sequências, Mask of Deception e Mask of Truth, o remake do primeiro jogo também está disponível no Ocidente sob o nome Utawarerumono: Prelude to the Fallen. Com um universo encantador e um clima charmoso da época em que foi lançado, o jogo mostra com clareza os elementos que o tornaram um clássico.

Mistério em um mundo de fantasia

Tudo começa quando um jovem rapaz é encontrado na floresta sem memórias e com uma máscara presa à sua face. Resgatado por moradores de um pacato vilarejo, ele logo recebe o nome de Hakuowlo. Em pouco tempo, o rapaz conquista a confiança e a amizade das outras pessoas e se torna uma pessoa de grande importância para o grupo.

O início da história é um tanto lento, utilizando bastante tempo para desenvolver a relação do rapaz com os personagens da vila, em especial as jovens Eruruu e Aruruu. Essa lentidão também existe durante outros momentos da história, pois a obra é prioritariamente uma visual novel e busca desenvolver os personagens ao máximo. Com trechos mais cotidianos e bucólicos, a obra consegue mostrar as personalidades de cada um e desenvolver situações especiais.

Embora isso possa tornar o ritmo de avanço da história um pouco cansativo, é também uma forma de se aproximar bastante dos personagens e se envolver com a trama. Com um tom charmoso de anime de sua época, Utawarerumono apresenta uma trama instigante que começa de forma simples e vai aos poucos revelando as reviravoltas que fazem a história de Hakuowlo se tornarem um épico de guerra.

Um aspecto bastante importante disso é a ambientação. A obra se passa em um mundo de fantasia onde a maioria das pessoas tem algum traço animalesco, como rabos e orelhas em formatos não-humanos. Ao mesmo tempo, ela usa a inspiração no período feudal japonês e em culturas tribais para fazer com que o mundo ruralizado e datado tenha traços únicos que chamam a atenção se comparados aos tradicionais épicos de base europeia.

Outro fator que ajuda a fortalecer o apelo da obra é sua trilha sonora. Boa parte da trilha favorece o tom místico de sua ambientação mais oriental com o uso de seus instrumentos. Além disso, momentos cruciais do jogo contam com canções cujos vocais destacam a relevância daquele evento para os personagens.

No entanto, gostaria de destacar que alguns eventos sofrem com um problema em sua transição. A passagem de uma cena para outra pode ser um pouco abrupta em algumas ocasiões. Não é algo tão comum, mas pode ser incômodo em algumas cenas a sensação de que faltou um pouco de desenvolvimento mesmo com a quantidade de tempo que os trechos de visual novel consomem.

Além disso, a obra conta com um lore próprio cheio de nomenclaturas específicas. Se por um lado isso ajuda a dar um tom de veracidade à trama, por outro, os termos podem ser um problema para acompanhar. Existe um glossário no jogo, mas nem todas as palavras relevantes estão presentes.

Combates estratégicos

Durante determinados pontos da história, o jogador deve comandar pequenas tropas em combate no estilo RPG tático. Cada personagem tem um estilo próprio de combate, o que inclui ataques físicos de curto alcance, ataques a distância, magia e cura. A personagem focada em cura consegue também usar técnicas de suporte (aumentando atributos como ataque e defesa ou causando aflições como paralisia), mas não tem a possibilidade de atacar adversários.

Conforme os personagens derrotam inimigos e ganham experiência, eles desenvolvem novos poderes, que incluem prioritariamente habilidades passivas e o aumento de seu chain attack. O ataque comum na verdade é uma série de golpes, que pode ser estendida apertando o botão correspondente (espaço por padrão, mas possível de remapear). Ao ficar mais forte, o personagem pode ganhar mais ataques consecutivos e, se o jogador apertar no timing correto, obterá pontos extras para sua barra de zelo.

O zelo funciona como um medidor que pode afetar a performance dos personagens de formas variadas dependendo das passivas aprendidas. Ele aumenta ao atacar e receber ataques dos oponentes e pode ser usado para ativar habilidades especiais de duas naturezas. Um deles é o Final Strike, um golpe poderoso ao fim dos ataques básicos e que consome a barra inteira. O outro são os Co-Op Attacks, combinações que podem ser ativadas quando dois personagens específicos possuem zelo e cujas áreas de efeito podem ser vantagens significativas no combate.

Vale destacar também que o combate conta com duas dificuldades: normal e hard. É possível alternar entre elas durante o jogo, sendo a normal mais indicada para quem quer apenas curtir a história sem se preocupar muito. Além disso, outras formas de simplificar o avanço são os métodos de treinamento, que permitem ao jogador refazer áreas anteriores de combate e acessar batalhas extras específicas para fortalecer os seus personagens.

Ao realizar uma batalha, além de experiência os personagens ganham BP. Esses pontos podem ser investidos para melhorar os seus atributos de ataque, defesa e defesa mágica. A quantidade de pontos necessária varia de personagem para personagem favorecendo determinadas evoluções. Por exemplo, aumentar a defesa da curandeira Eruruu é mais difícil do que aumentar o seu “Heal” (equivalente a ataque para a personagem que só pode curar em batalha).

Um clássico para ser lembrado

De forma geral, Utawarerumono: Prelude to the Fallen é uma excelente combinação de visual novel e RPG estratégico. Apesar de pequenos deslizes no andamento da história, a obra é de fato um clássico cheio de charme e que fãs de jogos japoneses em geral deveriam explorar.

Prós

  • Personagens carismáticos e bem desenvolvidos;
  • Ambientação de fantasia única, com elementos tribais e inspiração em detalhes do período feudal japonês;
  • Trama instigante e emocionalmente envolvente com um tom charmoso de anime retrô;
  • Sistema estratégico possui elementos interessantes como o zelo e os ataques especiais;
  • Escolha de dificuldade e formas de treinamento opcional para os personagens;
  • A trilha sonora ajuda a dar um tom místico à narrativa.

Contras

  • Alguns trechos de história podem ser um pouco lentos, incluindo o início;
  • Certos eventos têm cortes abruptos;
  • Nem todos os elementos importantes de lore são explicados ou descritos no glossário.

Utawarerumono: Prelude to the Fallen – PC/PS4/PS Vita – Nota: 8.5
Versão utilizada para análise: PC

Revisão: Ives Boitano
Análise produzida com cópia digital cedida pela Shiravune


é formado em Comunicação Social pela UFMG e costumava trabalhar numa equipe de desenvolvimento de jogos. Obcecado por jogos japoneses, é raro que ele não tenha em mãos um videogame portátil, sua principal paixão desde a infância.


Disqus
Facebook
Google