Jogamos

Análise: Clash Force (Multi) é curto, mas oferece um bom desafio

Combata uma ameaça robótica em uma aventura que traz a nostalgia dos saudosos anos 1990.

Existem diversos indies que usam inspirações evidentes. Clash Force (Multi) não é nem um pouco diferente disto, mostrando que bebeu de fontes consagradas como Contra, Mega Man e Sonic. Lançado primeiramente para iOS, em 2012, e levado para o PC em 2017, agora chegou a hora da aventura retrô fazer sua estreia nos consoles.


Seu visual 8-bit colorido e personagens cartunescos podem até trazer certa desconfiança sobre sua qualidade, mas não se deixem enganar. Este título consegue ser bem melhor do que aparenta.

Clash Force vs. Crackman

A Clash Force é composta por três membros: o rinoceronte Voom, o escorpião Scorpido e a equidna Echid. Juntos eles precisam combater os invasores robóticos enviados pelo vilão Crackman.

Podemos escolher livremente entre os três para passar pelas fases, já que as diferenças entre eles são meramente estéticas. Ao todo são 21 estágios, divididos em áreas variadas como florestas, desertos, cavernas e uma base aérea.


Ao final de cada área temos um confronto com Crackman, que estará pilotando alguma engenhoca mecânica gigante, relembrando o saudoso Dr. Robotnik. Apesar dele tentar nos exterminar com estas geringonças, as batalhas contra o vilão são bastante simples, sendo necessário apenas disparar ininterruptamente enquanto se esquiva dos seus disparos.

As fases são simples e curtas, com inimigos que são abatidos com um ou dois tiros, salvo raríssimas exceções. Pelo caminho podemos coletar novos tipos de tiro, que ficarão conosco até tomarmos algum dano, e escudos. Ao final de cada uma passamos por uma sala bônus, onde podemos coletar algum upgrade para iniciar a etapa seguinte.

Apesar do visual simples, algumas fases oferecem trechos desafiadores e bem elaborados. Um deles põe o jogador para se esquivar entre lasers e minas que explodem com a aproximação e que requer uma boa dose de memorização e tentativas para serem superados.



Outras duas situações que merecem destaque são as que envolvem trechos de plataformas móveis. Em uma caverna temos que pular entre os carrinhos que seguem em um trilho enquanto diversos inimigos tentam nos derrubar.


Em outra temos que pular em mísseis no céu para chegar até a base aérea enquanto desviamos de pássaros robôs e lasers horizontais. Não é nada muito complicado, mas foi bastante divertido e poderia ter sido mais utilizado ao longo da aventura.

Talvez por ter uma origem mobile, Clash Force se manteve fiel demais à sua estrutura enxuta. Isto não é algo ruim, uma vez que ele reúne diversos elementos bacanas e ainda conta com uma excelente trilha sonora, o que só aumenta as doses nostálgicas. Porém, não seria de todo mal acrescentar mais alguns estágios e áreas para maximizar a vida útil do jogo.

Shoot 'em up só para baixinhos

A jogabilidade é simples ao máximo e de fácil compreensão. Só precisamos pular e atirar, podendo optar por tiros isolados ou segurando o botão de disparo rápido. Os saltos também podem ser curtos ou longos, basta apertar e segurar o respectivo botão. Com esses comandos, que possuem respostas muito precisas, fica fácil atravessar cada fase num piscar de olhos.

Com a curta duração de cada estágio, é possível concluir o jogo todo em menos de 40 minutos. É muito pouco para jogadores experientes ou que já têm intimidade com o gênero, e isso pode fazer com que Clash Force seja pouco atraente. Porém, isso o torna ideal para um outro nicho: as crianças.


Existem muitos pais que querem apresentar para os filhos títulos que relembrem os clássicos da sua época, mas sem o mesmo nível de dificuldade, e eventual frustração, de pesos pesados como os já citados Mega Man e Contra. Clash Force torna-se ideal para isso, podendo inclusive ser a primeira platina de muitos pequenos players da nova geração.

Ele possui três níveis de dificuldade: Normal, Moderado e Perito. Entretanto, mesmo no mais elevado, as armadilhas e inimigos não apresentam tanto desafio assim, o que torna a aventura bastante simples de lidar. Basta aprender o padrão em que as coisas acontecem e fica tudo bem tranquilo.

É bom, mas poderia ser melhor

Clash Force é um jogo bom, bonito e barato, mas um tanto quanto curto. Para quem busca algo objetivo ou só quer colocar mais uma platina na conta, ele é ideal. Entretanto, quem procura algo mais hardcore pode se sentir um pouco desapontado com a facilidade de se superar os obstáculos propostos.

Prós

  • Fases que alternam bem entre trechos simples e outros mais complexos;
  • Estágios com plataformas móveis são desafiadores e bem bolados;
  • Visual colorido e cartunesco traz uma boa sensação de nostalgia;
  • Jogabilidade simples e precisa;
  • Excelente trilha sonora.

Contra

  • O jogo tem poucos estágios, que também são curtos;
  • Power-ups pouco variados;
  • Lutas contra os chefes são simples demais.
Clash Force — PC/PS4/Switch/XBO — Nota: 7.0
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: José Carlos Alves
Análise publicada com cópia digital adquirida pelo redator

é pai do próximo Batman, tio de uma princesa e viúva da Sega. Só sabe jogar títulos de luta, se mata frequentemente em FPS e adora uma velharia (que todo mundo agora gosta de chamar de retrô). Ah, ele está esperando até agora pelo Ridge Racer dessa geração também.


Disqus
Facebook
Google