Jogamos

Análise: Sword Art Online: Alicization Lycoris (Multi) é um grande, se não o maior, fiasco entre os jogos da franquia

O novo jogo do mangá/anime é lento, entediante e repleto de problemas.


A franquia japonesa Sword Art Online recebeu alguns jogos nos últimos anos que dividiram  a opinião de críticos e jogadores. Agora, o que parecia ser um grande avanço e a esperança de um jogo incrível para os fãs de Kirito, com diversas promessas em relação à jogabilidade e parte gráfica, se tornou uma grande decepção.


Alicization Lycoris tem bons acertos, mas os erros, que são muitos e básicos, tornam o título maçante, desinteressante e revoltante entre as primeiras das dezenas de horas. Confira em nossa análise porque o novo jogo de Sword Art Online é frustrante, tanto para os fãs da franquia quanto para qualquer outro jogador que queira se aventurar em um JRPG de ação.

“Jogando” o anime, literalmente!

Alicization Lycoris é dividido em cinco capítulos, e o primeiro deles, o mais arrastado e demorado de todos, recapitula a terceira temporada inteira do anime. Com exceção de uma personagem nova, todos os acontecimentos da temporada são detalhadamente recontados, mas de forma muita mais demorada com diálogos extremamente demorados e completamente inúteis. Basta assistir a toda a terceira temporada do anime que você já fica por dentro das 15 horas iniciais do jogo.

A partir do segundo capítulo inicia-se uma nova história em Sword Art Online, canônica aos eventos do anime. Conhecemos e acompanhamos a história de Medina, que busca por redenção do nome de sua família. Mas experienciar a aventura inédita no jogo é uma missão bastante cansativa, quase abandonável, após as diversas horas seguidas de diálogos e duelos com inimigos que se intercalaram sem nenhum salvamento automático ou manual, e este é um dos maiores problemas do título.


A lógica por trás dos salvamentos em Alicization Lycoris é nem um pouco bem estruturada, muito menos compreensível. Por ser um jogo de mundo aberto, pelo menos na teoria durante o primeiro capítulo, é possível salvar o progresso manualmente por totens espalhados pelos cenários. Raramente ocorre salvamento automático após alguma cutscene, mas em alguns momentos acontecem sequências de diálogos e lutas tão longas sem qualquer autosave que, se você acabar morrendo em alguma luta ou o jogo der erro (o que infelizmente aconteceu), é possível perder uma hora ou até mais de progresso sem qualquer oportunidade ter salvado manualmente.

Sword Art Online: Alicization Lycoris tem um ritmo lento, cansativo, com horas e horas de conversas inúteis quebradas por muitas telas de carregamento. Algumas missões duram cinco minutos e são seguidas de papo furado que consegue demorar muito mais. É possível acelerar o tempo das falas e pular as cenas, não direto para a próxima luta ou controle do personagem no mundo aberto, mas sim para o próximo diálogo. Até mesmo pular as conversas, até cinco vezes até a próxima batalha ou interação, consegue ser algo chato e irritante.


Um time à sua disposição

Apesar da tediosa campanha, Alicization Lycoris chama a atenção e diverte na parte de jogabilidade. Kirito, nosso protagonista, pode ser acompanhado por mais três heróis para desbravar o Underworld. Durante as missões e lutas com monstros, controlamos o esquadrão inteiro: um dos personagens com os ataques básicos e os demais por meio de comandos para realizar combos e golpes especiais. Se você não executar os comandos dos aliados, eles basicamente ficarão parados. Leva um tempo para se acostumar com esta mecânica, mas as lutas com monstros ficam divertidas após pegar o jeito.

Além das missões com a equipe, há os combates de chefões em formato de duelo, de mano-a-mano, que possuem uma movimentação mais lenta e são mais estratégicos, focando em desviar e bloquear no momento certo para conseguir aberturas para o ataque. E são nesses duelos, que são bem mais demorados que as missões padrões, onde acontecem as já citadas e famigeradas sequências de cutscenes e combates sem autosave, correndo o risco de perder boa parte do progresso.


Como todo RPG, há uma seção de status dos personagens, onde é possível escolher suas armas e equipamentos, liberar novas habilidades, alterar os trajes, conferir o mapa e administrar as missões de campanha e secundárias. Viagens rápidas também estão disponíveis ao registrar totens no mapa para ajudar na exploração dos enormes ambientes do jogo.

A parte de criação do seu próprio personagem, e o modo online, apenas fica disponível após cerca de 20 horas de jogo. A customização de Kirito pode ser completa, até mesmo alterar o gênero, e é possível utilizar seu personagem tanto no modo co-op quanto na campanha. Mesmo que utilize o Kirito que você customizou, tanto na aparência quanto nos trajes, nos diálogos ele irá aparentar da forma padrão que deveria estar naquele momento, algo que é estranho quando se está acostumado com jogos onde o personagem mantém a customização que você criou para ele nas cutscenes.


Uma promessa não tão cumprida

Muitas promessas foram feitas em relação à parte gráfica e novos recursos em Alicization Lycoris. Os gráficos estão nitidamente melhores do que os jogos anteriores da franquia, mas não entrega uma boa performance ao contar com quedas de frame frequentes nas lutas, quebrando um pouco o clímax das sequências de ação, e lentidão na renderização completa de alguns cenários. Muitos jogadores de PC reclamaram de precisar ajustar as configurações gráficas para níveis inferiores, mesmo jogando em uma máquina dentro ou acima das recomendações.

Alguns recursos adicionados à jogabilidade, vendidos como grandes novidades, não passam de perfumarias para fazer algo um pouco diferente no jogo. É possível pescar em certos lagos e estreitar sua relação com personagens por meio de diálogos. As profundas e elaboradas conversas que mencionaram em trailers são, na verdade, bastante básicas, algumas não passando de discussão de relacionamento, já com os NPCs não passa de poucas falas pré-definidas, como “O que?” ou “Estou ocupado”.


Oportunidade mal aproveitada

Sword Art Online: Alicization Lycoris tinha grande potencial para ser não apenas o maior, mas o melhor jogo da franquia. Apesar de acertar no sistema de combate e ser divertido e desafiador sincronizar os comandos de quatro personagens, tantas horas de conversas desnecessárias interrompem o ritmo de ação sugerido para o título, além de problemas técnicos comprometerem a jogatina, tornando-o mais uma adaptação jogável da terceira temporada do que, de fato, uma nova experiência para os fãs.

Prós

  • Sistema de combate divertido e desafiador, tanto nas missões em grupo quanto nos duelos;

Contras

  • Dezenas de horas de diálogos e cutscenes, grande parte deles com conteúdo totalmente insignificante;
  • Diversas telas de carregamento, mesmo entre diálogos;
  • Péssimo sistema de salvamento automático;
  • Primeiro capítulo arrastado e desmotivador;
  • Quedas de frame e lentidão na renderização são frequentes;
  • Modo online e customização liberados após cerca de 20 horas de campanha.

Sword Art Online: Alicization Lycoris - PS4/XBO/PC - Nota: 4.0
Versão utilizada para análise: PS4

Revisão: Emanoelly Rozas

Análise publicada com cópia digital cedida pela Bandai Namco Entertainment

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.


Disqus
Facebook
Google