The Last of Us Part II (PS4) – a história até o momento

A continuação da aventura de Ellie e Joel tem muito potencial deixado pelo primeiro game.


Em um ano repleto de grandes lançamentos no mundo dos games, nos aproximamos de mais um título muito esperado. The Last of Us Part II (PS4) será lançado em 19 de junho de 2020 e promete ser ainda melhor que seu predecessor. Depois de alguns adiamentos e várias informações interessantes e, infelizmente, spoilers divulgados, a expectativa até o lançamento só aumenta.


Por isso, nesta matéria especial, vamos relembrar as principais informações relativas ao primeiro game e, assim, preparar o terreno para a chegada da esperada continuação. E não se preocupe, pois não teremos os famigerados spoilers de TLoU II por aqui. Pegue as suas garrafas d’água, recarregue a sua escopeta e não se esqueça de trazer um tijolo, pois vamos começar.

Um começo muito promissor

Antes de começarmos, deixo um aviso: caso você ainda não tenha jogado The Last of Us (PS3/PS4), pare de ler e vá fazê-lo agora mesmo! O game é um verdadeiro clássico, considerado um dos melhores da sétima geração de videogames e, quiçá, de todos os tempos. Enredo, jogabilidade, personagens e ambientação incríveis se unem em uma emocionante aventura.
Um dos melhores games de todos os tempos
Também aviso que, daqui para frente, teremos a presença maciça de spoilers sobre o primeiro game (embora eles já sejam amplamente conhecidos, não custa lembrar, sobretudo para quem não jogou o título). Lançado em 2013 exclusivamente para o PS3 e em 2014 para o PS4, o jogo teve como principal protagonista Joel, que teve sua vida transformada em meio a uma invasão de monstros canibais.

Chamadas de Infectados, eles rapidamente destruíram boa parte da civilização ao contaminarem a população de forma semelhante aos tradicionais jogos de zumbi. Os sobreviventes foram forçados a se protegerem em zonas de quarenta isoladas. Joel perdeu sua filha logo no começo da invasão das criaturas e, assim, se tornou uma pessoa fria e solitária.
Joel passou por muitas situações difíceis em The Last of Us
O game então avança no tempo e recomeça em Boston, onde o personagem se tornou um contrabandista para sobreviver. The Last of Us Part II vai continuar a utilizar essa premissa da existência de diversas zonas de quarentena pelos EUA. E isso ficou claro pelos trailers já divulgados pela produtora Naughty Dog, onde vemos combates contra inimigos humanos em meio a invasões de locais habitados e organizados.

Com vocês, a nova protagonista

Para continuar, vamos abordar a personagem Ellie. Ainda uma jovem de 14 anos em The Last of Us, Joel acaba a conhecendo ao aceitar uma missão, que consiste em levá-la de forma segura a um ponto fora da zona de Boston. Essa tarefa foi requisitada pelos Vaga-Lumes, um grupo revolucionário independente que se opõe ao polêmico regime governamental.
Ellie: de coadjuvante de luxo a protagonista absoluta
Ao chegarem ao ponto de entrega, um segredo que muda o caráter do game é revelado. Ellie é imune ao contágio dos Infectados e os Vaga-Lumes pretendem utilizá-la para encontrar uma potencial cura. Infelizmente, os contatos no destino estavam todos mortos e, assim, Joel decide procurar seu irmão Tommy, um ex-membro do grupo, para prosseguir com a tarefa.

Embora Ellie tenha tido seus momentos de destaque no primeiro game, Joel era claramente o protagonista. Já em TLoU II, a hoje jovem de 19 anos será a personagem principal, conforme pode ser conferido nos materiais divulgados até o momento. Por outro lado, os Vaga-Lumes aparentemente debandaram e não terão o mesmo destaque no novo game.
Ellie terá que lidar com vários grupos e muitos inimigos
Uma razão para isso é o segmento final do primeiro game. Após encontrarem Tommy, a dupla continua a procurar o grupo rebelde. Ao enfrentarem muitos perigos no caminho, os dois acabam criando um belo vínculo de pai e filha. Bem no final do jogo, eles encontram os Vaga-Lumes, mas Joel descobre que a pesquisa de uma cura exigiria que Ellie fosse morta.

Sem alternativas, o homem elimina todos os membros do grupo e foge com a jovem, na esperança que jamais descubram sobre a condição dela. Ellie, inconsciente durante o evento, questiona Joel sobre o porquê de eles terem ido embora da instalação Vaga-Lume. Ele mente para ela, dizendo que havia outras pessoas imunes e que, assim, a presença deles não era mais necessária.

Relações conturbadas

Esse evento, além de provavelmente ter sido um duro golpe no grupo revolucionário, irá pautar a relação entre Joel e Ellie. Praticamente “pai e filha” ao final do primeiro game, as informações divulgadas até o momento não deixam clara a relação entre eles. É bem possível que a jovem tenha desconfianças sobre o que realmente aconteceu e isso possa afetar a sua vida no novo game.
Ellie e Joel superaram muitas dificuldades juntos e se tornaram grandes amigos
Além de Joel, LoU II trará outro relacionamento importante para Ellie. Ela terá um romance com a jovem Dina, outro membro da zona de quarentena de Tommy. O relacionamento das duas, entretanto, ainda não é totalmente claro e, aparentemente, parece ter chegado a um abrupto fim devido a um evento externo ainda desconhecido.

Vale lembrar que a DLC The Last of Us: Left Behind (PS3/PS4), também disponível na versão Remastered do game original, trouxe um pouco sobre o passado de Ellie e seu primeiro interesse romântico na amiga Riley. Na ocasião, a nossa protagonista viu a companheira morrer de forma trágica, o que de certa forma a tornou uma pessoa fechada, de forma semelhante a Joel.
Uma emocionante aventura na DLC Left Behind
O tema vingança é proeminente em vários trailers, o que nos leva a acreditar que Dina (ou quem sabe Joel) pode ter sido morta ou sequestrada em algum momento. Assim, Ellie partiria em uma busca por justiça, algo que não conseguiu com Riley, e, também segundo os vídeos divulgados, receberia alguma ajuda de Joel pelo caminho. A presença de novos grupos no game também podem ter relações íntimas com o enredo principal.

Além dos Vaga-Lumes, temos: FEDRA, que representa o que resta do governo oficial e esteve presente no primeiro game; Washington Liberation Front, um grupo xenofóbico situado em Seatle; Seraphites, potencialmente os maiores antagonistas do jogo, uma espécie de culto radical envolto em mistério que sacrifica pessoas de maneira cruel.

Indo além da história

Vale lembrar que o diretor e escritor do game, Neil Druckmann, já comentou que haverá elementos em The Last of Us Part II que irão recordar pontos importantes do predecessor. Sem falar em spoilers, pessoas que já experimentaram o game apontam para muitas surpresas incríveis. Logo, boa parte do que já sabemos por meios oficiais estará lá, mas provavelmente de uma forma ainda melhor do que esperamos.
Muitos mistérios ainda precisam de respostas
Fugindo um pouco dos enredos dos games, TLoU II também irá utilizar boa parte das mecânicas já introduzidas na primeira parte da aventura. Por isso, vale a pena relembrar um pouco sobre como a jogabilidade irá funcionar. A palavra principal aqui é furtividade, acompanhada de precisão e planejamento.

Em um mundo com recursos escassos e muitos inimigos, agir com cuidado e de forma efetiva é essencial. The Last of Us punia com rigor aqueles que saem atirando ou entregando a sua localização de qualquer forma. Analisar o cenário, seus integrantes e os recursos disponíveis eram primordiais para planejar o que fazer e, só então, entrar em ação.
Assim como uma grande história, o novo game promete desafios e jogabilidade incríveis
The Last of Us Part II promete seguir na mesma linha. Embora Ellie tenha alguns recursos extras em relação aos protagonistas do primeiro game, os inimigos também receberão melhorias. Por exemplo, a jovem poderá subir em elementos do cenário para ganhar vantagem, enquanto cães poderão captar o cheiro da personagem.

O “modo de escuta” estará presente no game, tal como no seu antecessor. Através dele, Ellie poderá escutar seus inimigos e visualizar as suas localizações. Também já temos confirmada a presença de uma árvore de habilidades, muito comum nos jogos atuais. Embora fosse possível obter melhorias no primeiro The Last of Us, elas agora serão mais numerosas e organizadas.

Promessa de mais um grande clássico

Tal como seu predecessor, The Last of Us Part II (PS4) tem tudo para ser um dos melhores da sua geração. Grande parte dessa expectativa se deve ao cativante universo criado pelo primeiro game, que deixou um caminho pavimentado para que a nova história de Ellie possa ir ainda mais longe e ser ainda melhor. Agora só nos resta esperar e torcer para que a aventura seja realmente incrível.
Expectativa para um dos melhores títulos do ano
E você, leitor? Acredita que The Last of Us Part II será ainda melhor que o primeiro? Deixe a sua opinião.
Revisão: Emanoelly Rozas

é redator do site GameBlast desde maio de 2018 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, COD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank.


Disqus
Facebook
Google