Jogamos

Análise: Predator: Hunting Grounds (PS4/PC) tenta ser um serviço aos fãs, mas desaponta em quesitos técnicos

Novo jogo do caçador alienígena diverte, mas tem diversas falhas técnicas e de balanceamento


Aparentemente, a IllFonic está concentrando seus esforços em criar adaptações de vilões do cinema para os videogames. Após o confuso lançamento de Friday the 13th, que dividiu bastante a opinião dos fãs, a desenvolvedora apostou suas fichas na franquia Predador, que surgiu em 1987 no filme com Arnold Schwarzenegger.


Predator: Hunting Grounds teve um lançamento conturbado e segue com vários problemas. Confira, em nossa análise, os motivos que fazem do título uma decepção para os fãs do caçador alienígena.

Caça e caçador

Predator: Hunting Grounds passa-se durante os acontecimentos do primeiro filme, na América Central, e não possui modo campanha. Totalmente online, o jogo reúne cinco jogadores, sendo que quatro deles formam uma equipe que deve realizar uma missão, e o quinto jogador assume o comando do Predador, que deve eliminar a equipe antes que cumpram seus objetivos.

A jogabilidade de soldado é bastante simples, com visão em primeira pessoa, e nada muito diferente do que estamos acostumados em jogos de tiro. A equipe deve realizar todos os objetivos da missão dentro do tempo estipulado e escapar no helicóptero após sua realização. Os temas das missões variam bastante, mas todas seguem basicamente o mesmo formato, como destruir coisas no acampamento inimigo, instalar explosivos e aguardar algum hackeamento ser finalizado enquanto deve-se enfrentar hordas de mercenários.


Os soldados dividem-se em quatro classes: Ataque, Batedor, Reconhecimento e Suporte; cada qual com seus atributos, e são desbloqueados conforme o jogador sobe de nível. A customização dos soldados é baseada em escolher duas armas, três equipamentos e vantagens, que são reforços para os atributos dos personagens, como aumento de vida e resistência a explosões. Conforme você utiliza suas armas nas partidas, elas ganham níveis, que servem para liberar e equipar melhorias. Também há cosméticos de aparência de soldados e equipamentos, que são desbloqueados em caixas de itens.


Comunicação será seu maior aliado para realizar as missões com sucesso. Mesmo que você não tenha um headset para se comunicar com a equipe, é possível marcar kit médicos, munição e até onde avistou o Predador, por meio de comandos. Não existe um tutorial de como jogar como soldado ou uma lista de configuração de botões, então algumas ações aprendem-se apenas jogando.

“Se sangra, pode morrer”

Já a jogabilidade de Predador é bastante criativa e dinâmica, na qual o caçador contém as principais armas e habilidades vistas em seus diversos filmes. O jogador inicia apenas com o seu canhão, pode realizar ataques corpo-a-corpo e possui as habilidades de camuflagem e de visão térmica, que facilitam à criatura a se manter à espreita e encontrar os soldados pelo mapa.


O Predador também possui um sistema de parkour, que lhe permite se movimentar entre árvores com grande facilidade, concedendo bastante vantagem de terreno e visibilidade do mapa. Mesmo utilizando-se de sua camuflagem, é “fácil” rastrear o caçador se o time de soldados tiver bastante atenção. Folhas e galhos caem das árvores quando ele se movimenta, deixa rastros de seu sangue verde quando está ferido e faz barulhos quando está por perto.

Existem três categorias de Predador: Caçador (mais balanceado), Batedor (mais ágil, porém frágil) e o Berserker (com maior resistência, porém mais lento). Essas categorias, assim como novas armas e itens, são desbloqueados conforme o jogador aumenta seu nível. As caixas de itens também fornecem cosméticos do predador, que nos permitem customizá-lo de diversas formas.


“Vá para o chopper!”

Tanto o Predador quanto a equipe podem usar as melhores táticas, combinadas com suas habilidades, para cumprir seus objetivos. A criatura utiliza, principalmente, o barulho que os soldados fazem com tiros e explosões para encontrá-los. Uma equipe barulhenta está mais exposta ao caçador, enquanto que, se jogar de forma mais furtiva, irá dificultar a vida do vilão.

Já o Predador pode atacar de forma mais direta, descendo das árvores e realizando ataques corpo-a-corpo, ou manter uma distância segura, utilizando armadilhas que prendam ou isolem seus inimigos. O caçador precisa, além de abater um soldado, realizar uma reivindicação (uma espécie de finalização) para que os inimigos não possam reanimar o colega de equipe.


Há duas formas para que a equipe de soldados possa vencer a partida: realizando todos os objetivos e subindo no chopper, ou eliminando o Predador. No caso da segunda opção, o time deve proteger o corpo da criatura enquanto hordas de inimigos aparecem para reivindicá-lo.

O Predador também pode vencer a partida de duas formas: eliminando todos os membros da equipe ou, no caso de ser abatido, realizar uma autodestruição, em que todos que estiverem no raio da explosão serão eliminados. É possível desarmar a bomba do caçador, mas basta um sobrevivente da explosão para que a equipe saia vencedora.


Problemas não faltam

Hunting Grounds teve um fim de semana de teste aberto pouco antes de estar disponível, no qual houve problemas que esperávamos que seriam solucionados. Mas nada compara-se ao seu lançamento desastroso. Nos dois primeiros dias o game estava praticamente injogável, com problemas de conexão, autenticação, longo tempo de espera e partidas públicas sendo iniciadas sem os cinco jogadores. Foram realizadas diversas partidas em grupo fechado e, mesmo assim, o tempo para organização era muito longo.

Os bandidos controlados por IA têm tudo, menos inteligência. É comum eles não reagirem ao se depararem com você, ou passarem reto e te ignorarem completamente. Eles existem mais para atrapalhar um pouco a missão e te fazer gastar munição. Quando sua equipe está em um embate com o Predador, vocês até esquecem que os bandidos estão lá.


Outro ponto que incomoda bastante é o balanceamento de experiência obtida nas partidas. Se o Predador terminar a partida vivo, ele ganha uma quantidade de experiência absurdamente maior que os soldados, mesmo que eles cumpram todos os objetivos e sem que o caçador faça muita coisa. Muitas vezes o Predador ganha até quatro vezes a experiência da equipe, mesmo essa tendo muito mais ações e eliminações na partida.

A qualidade gráfica do jogo está boa, mas nada comparável com o padrão de grandes títulos da geração. Os cenários contêm poucos elementos destrutíveis e é comum acontecer uma demora na renderização completa, não só em objetos nas partidas como na tela de customização de personagens. Lags e travamentos são frequentes e algumas pessoas que jogaram comigo reclamaram de seus personagens, principalmente o Predador, acabarem congelando na tela.


O jogo está com dublagem e textos em português, muito bem feitos aliás, e conta com cross play entre PS4 e PC. Desde o lançamento já aconteceram duas atualizações, em que a experiência como soldado ficou um pouco mais difícil, com a redução de munição e kits médicos no mapa e aumento no custo de stamina, deixando os personagens cansados mais rapidamente.

Hunting Grounds ainda conta com pouquíssimo conteúdo, resumindo-se a um modo de jogo, customização de personagens e armas, e coletáveis espalhados pelas partidas. Esperamos que a IllFonic trabalhe em desenvolver novos conteúdo para o jogo, como mapas diferenciados, missões especiais referenciando aos filmes ou eventos periódicos.


Vale a pena jogar Predator: Hunting Grounds?

Predator: Hunting Grounds prova ser uma grande evolução da IllFonic, se comparado com Friday the 13th. O jogo é divertido para ser jogado com amigos e grupos fechados, enquanto conversam e trocam curiosidades sobre o caçador alienígena. Apesar de sua jogabilidade consistente e de fácil aprendizagem, o título carrega consigo diversos problemas técnicos e de balanceamento. A desenvolvedora terá bastante trabalho para corrigir tantos problemas e disponibilizar novos conteúdos, a fim de manter o jogo relevante.


Prós

  • Divertido para jogar em grupo;
  • Jogabilidade simples e fácil de aprender;
  • Fidelidade na criação do Predador e suas habilidades;
  • Totalmente em português.

Contras

  • Inteligência artificial dos bots não tão inteligente;
  • Falta de conteúdo e modos de jogo;
  • Problemas de balanceamento de experiência;
  • Lags e travamentos constantes;
  • Demora para encontrar partidas públicas.

Predator: Hunting Grounds — PC/PS4 — Nota: 6.0
Versão utilizada para análise: PS4

Revisão: Ives Boitano
Análise produzida com cópia digital cedida pela Sony Interactive Entertainment

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.


Disqus
Facebook
Google