Jogamos

Análise: Assemble with Care (PC/iOS) — consertando objetos (e pessoas) em um sereno puzzle

Uma atmosfera relaxante, mecânicas simples e história interessante são os destaques deste título indie.


A maioria de nós tem algum objeto guardado provavelmente quebrado ou com defeito, mas que preferimos não nos desfazer por causa de alguma memória ou valor sentimental. Assemble with Care explora justamente esse conceito em um puzzle sobre desmontar e consertar coisas. Uma restauradora faz pequenos serviços em uma cidade, porém ela acaba descobrindo questões importantes sobre outras pessoas e sobre si mesma no processo. Produzido pela ustwo games (responsável pelo popular título mobile Monument Valley), este é um jogo simples e bonito, com foco na atmosfera relaxante e contemplativa.

Reparando inúmeras coisas

Maria é uma restauradora de antiguidades que viaja pelo mundo realizando trabalhos por onde passa. Um dia ela decide ir para a cidade de Bellariva, pois um famoso festival culinário se aproxima. Como em todos os outros lugares por quais ela já passou, Maria quer ajudar a população local consertando seus objetos valiosos que precisem de alguma manutenção. No processo, ela acaba se envolvendo com assuntos pessoais de seus clientes, fazendo com que ela reflita sobre sua própria vida.


Em cada um dos capítulos do jogo, Maria precisa consertar um objeto. Há de tudo: uma estátua em pedaços, uma câmera cara danificada, um console portátil que não funciona mais, uma vitrola desregulada e mais. Por meio de comandos simples e intuitivos com o mouse ou tela de toque, precisamos investigar o item em questão a fim de resolver o problema. Em alguns casos a solução é simples, bastando colar partes quebradas ou fazer ajustes leves. Já em outros, é necessário desmontar cuidadosamente o objeto para tentar entender qual é o defeito: desparafusar, trocar peças defeituosas e calibrar partes internas são algumas das ações mais complicadas.

Durante os trabalhos, Maria conversa com o cliente sobre questões envolvendo o item, normalmente sobre o seu valor sentimental. A trama leve é explorada antes e depois de cada serviço por meio de cenas não interativas que contextualizam o problema e o impacto de sua solução. Pouco a pouco conhecemos melhor as pessoas ajudadas pela restauradora, que estão passando por diversos dramas.


As belezas e as complicações da simples vida de restaurador

A simplicidade permeia todos os aspectos de Assemble with Care, mas isso não significa exatamente algo ruim, afinal o jogo se propõe a oferecer justamente uma experiência suave e breve.

Para mim, os puzzles são o ponto alto do jogo. É muito interessante desmontar e consertar inúmeros objetos incomuns, como um relógio de pulso, uma caixinha de música, um walkman e mais. A resolução dos problemas costuma ser bem direta, às vezes banalmente óbvia, mas apareceram algumas poucas situações em que fiquei travado por algum tempo por causa de algum detalhe mais obscuro ou sequência errada de passos. A própria Maria dá dicas sutis do que falta fazer para completar a restauração, o que evita frustração.


Entre os capítulos acompanhamos os dramas de alguns habitantes de Bellariva em cenas não interativas ricamente dubladas. Achei bastante interessante como os problemas desses personagens são diretamente relacionados a seus objetos, e conforme consertamos seus bens entendemos o real valor do objeto para o seu dono. Além disso, no processo a própria Maria reflete sobre a sua vida e também aprende e evolui. Apreciei a suavidade dos temas abordados, como o luto, o afastamento entre parentes e como às vezes esquecemos das coisas importantes ao focar demais no trabalho, pois são verossímeis. No entanto, a trama e os dramas são tratados de maneiras superficiais, o que dificulta se conectar e se importar genuinamente com os personagens.

Os maiores problemas de Assemble with Care são a sua dificuldade e a sua duração. Os puzzles são bem fáceis de resolver. Alguns deles apresentam também situações extremamente banais que provavelmente não exigiriam a expertise de uma restauradora de relíquias. Por fim, há muito pouco para ver: o título conta com 13 capítulos que podem ser terminados em menos de duas horas. Extras ou até mesmo versões alternativas mais complicadas dos puzzles ajudariam a tornar o pacote mais interessante.


Mesmo assim, o jogo é bastante cativante, principalmente por causa de sua ambientação. A cidade de Bellariva e os objetos dos puzzles evocam uma nostalgia e tranquilidade, e estes sentimentos são potencializados pela trilha sonora minimalista e ótimo visual colorido e de estilo impressionista, com gráficos que lembram desenhos se movimentando levemente. O uso da cor também é marcante com cada capítulo transmitindo uma atmosfera distinta ao usar paletas únicas. Há um tom contemplativo em examinar cuidadosamente cada coisa por causa de seus modelos simples, mas bem produzidos — é hipnotizante e divertido dividir objetos complexos em várias partes menores.


Uma restauração leve e tranquila

Assemble with Care usa puzzles agradáveis e instigantes para contar histórias intimistas. É divertido desmontar e consertar inúmeros objetos defeituosos em situações fáceis de entender e com mecânicas intuitivas. Além disso, a atmosfera é charmosa com seu visual marcante com toques de estilo impressionista, objetos com vibe retrô e bom uso de cores. A trama, que tem como foco relações humanas, é básica, no entanto cativa com seus personagens e situações verossímeis. A simplicidade permeia todos os aspectos do título com seus puzzles descomplicados e história superficial, sendo fácil perceber que o foco é a experiência e ambientação no geral, mas um pouco mais de desafio ou conteúdo não faria mal algum. No fim, Assemble with Care é para aqueles que procuram algo relaxante e contemplativo, sem se preocupar muito com complexidade ou dificuldade.

Prós

  • Visual e atmosfera aconchegantes;
  • Puzzles interessantes, principalmente por causa do aspecto tátil de desmontar coisas;
  • Trama simples que explora temas relatáveis.

Contras

  • Alguns puzzles são óbvios demais;
  • História sem profundidade.
Assemble with Care — PC/iOS — Nota: 7.0
Versão utilizada para análise: PC
Análise produzida com cópia digital cedida pela ustwo games

é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de roguelikes, game music, fotografia e livros. Pode ser encontrado no seu blog pessoal e nas redes sociais por meio do nick FaruSantos.


Disqus
Facebook
Google