Persona 5 Scramble (PS4/Switch): tudo o que sabemos sobre a nova jornada dos Phantom Thieves

Esse é um título que vai além do seu estilo musou, é um Persona 5, moldado para ser um incrível action RPG.



Talvez o maior equívoco dos fãs de Persona 5 (PS4/PS3) tenha sido acreditar que Scramble: The Phantom Strikers fosse um simples spin-off ao estilo musou, com vários inimigos na tela e muitos ataques especiais, igual há vários títulos desse tipo. Entretanto, a realidade é que essa é uma sequência direta dos eventos do game anterior, agora se passando em algumas cidades do Japão, em que enfrentaremos uma nova vilã responsável por roubar os corações das pessoas. Além da nova narrativa, muito foi prometido pela Atlus e Koei para sua jogabilidade, então vamos dar uma olhada.

A jornada contra os reis

Seis meses após os eventos de Persona 5, os Phantom Thieves estão curtindo suas férias de verão, até que vários acidentes envolvendo pessoas com corações roubados começam a acontecer pelo Japão, e a polícia, comandados pelo investigador Zenkichi Hasegawa, estaria colocando a culpa disso tudo em Joker. Agora, para provar sua inocência, ele e seus companheiros terão que resolver esse problema, parando o culpado e resgatando as pessoas presas nas jaulas do Metaverse.

Com uma ótima premissa, o jogo ganha mais alguns personagens novos. Além do investigador, que pelo os últimos trailers, parece se tornar um aliado contra os reis dos grandes Palaces, temos:
  • Alice Hiiragi - Uma idol muito popular em Shibuya, sempre bem colorida e gentil, mas guardando sua real intenção de dominação, sendo o primeiro rei visto nesse jogo, com seu enorme Palace dominando a cidade. Ela é a responsável por roubar os corações das pessoas, as corrompendo e aprisionando em jaulas;

  • Sophia - Ela é uma IA libertada pelo Joker no Metaverse quando ele abre uma enorme caixa, desde então, a personagem ajuda os Phantom Thieves. Ela é capaz de usar Pithos, uma persona dividido em quatro blocos negros, semelhantes aos recipientes de armazenamento gregos que lhe dá esse nome. Ela será crucial para a narrativa de alguma forma, mesmo sido mostrada em momentos cômicos junto do Morgana.


Como vamos conseguir explorar outras cidades do Japão, Alice não é a única vilã do jogo, semelhante ao que vimos no original, onde navegamos por vários Palaces diferentes, já foi mostrado outra localidade, com foco em gelo, governado por um personagem novo. Enquanto a narrativa possui muitos mistérios, sabemos um pouco mais de como funciona sua jogabilidade e seu sistema de combate.

Um RPG de ação

Anunciado como Persona 5 S, sendo imaginado como um possível lançamento para o Nintendo Switch do jogo original, logo foi revelado como Scramble, um spin-off ao estilo musou com os personagens de Persona. Como até esse ponto, não tínhamos visto muita coisa quanto a jogabilidade ou narrativa, os fãs não ficaram muito animados com a nova proposta, somente com entrevistas e recentes revelações que isso mudou, com o game passando a ter fortes elementos de um action RPG, movimentos hack 'n slash e um preciso sistema de magias usando as personas.


Sendo um musou, enfrentaremos um enorme aglomerado de inimigos, usando vários combos com todos os Phantom Thives, havendo muita variedade entre eles:
  • Podemos carregar nossos tiros, disparando uma grande rajada para frente. Isso consome todas as balas que temos disponíveis no momento;
  • Dependendo do personagem controlado, os movimentos, combos, e habilidades mudam: Joker é rápido com sua adaga, Ann possui seu chicote e golpes de fogo, Haru o seu machado com movimentos mais lentos e poderoso, Sophia usa seus yo-yos, assim por diante;
  • É possível usar a persona em um combo, como mostrado nos últimos gameplays, onde em um ataques do Ryugi, Captain Kidd apareceu em uma finalização soltando a magia de raio;
  • Carros de polícia estarão espalhados pelo campo de batalha, e será possível explodi-los com um tiro, causando um dano de fogo ao redor;
  • Postes e placas podem ser escalados rapidamente para ter uma visão aérea, ou fora da batalha para conseguir atingir os Shadows furtivamente. Além disso, de cima de algum deles, será possível descer soltando um ataque em área, muito parecido com o que acontece em Kingdom Hearts III (PS4/XBO), quando Sora usa o Flowmotion.
Mesmo com as novidades, no escopo geral, é fácil ver que os desenvolvedores se preocuparam em adaptar o combate e sistemas por turno do jogo original, trazendo várias familiaridades:


  • Para entrar em uma batalha, ainda é preciso ou ser pego por um Shadow vagante pelo mapa, ou, se possível, atingi-lo furtivamente, ganhando assim uma vantagem. Quando isso acontece, todos os inimigos vão aparecer na tela, e suas quantidades serão mais expressivas;
  • Os inimigos ainda possuem fraquezas, e quando atingidos com elas, eles ficam atordoados, e podemos realizar o All-Out Attack, um golpe realizado por todos os membros do grupo, causando um grande dano em área. Diferente do jogo original, basta um adversário nesse estado para realizar esse movimento;
  • O uso das personas, quando fora de combos, para o tempo, e o jogador pode decidir em que área atacar com magia, como agi, de fogo, ou zio de raio, que consome MP, ou golpes físicos mais poderosos que consomes HP;
  • Joker pode de usar mais de uma persona, como no original;
  • Showtime também está de volta, onde é possível combinar um poderoso ataque com nossa persona, causando muito dano. Não foi visto esse sistema ser usado com um companheiro, como é no original.
Mesmo com tantos detalhes é possível ainda termos muitas surpresas, principalmente se tratando de mecânicas de bosses, que não foi muito bem apresentada, revelando que algumas personas já vistas antes serão alguns deles, mais poderosos e com muito HP. Então é esperar por mais detalhes. Além claro, de algumas transformações dos reis dos Palaces, como a Alice, que se vira uma espécie de coelho rosa, fazendo alusão ao seu mundo inspirado nas histórias da “Alice no país das Maravilhas”.

Com a mudança de foco, outras áreas do jogo ganharam aspectos maiores e mais detalhados, as cidades possuem ruas largas, lojas e pessoas conversando, e podemos andar por tudo isso. Já a exploração dos Palaces, vimos que existirão várias formas de correr por aí: subindo nos prédios, usando tirolesa, entre outros cantos que aproveitam muito bem o grande espaço.


Quando?

Esse parece ser um ótimo RPG, talvez seja cedo para dizer isso, mas com: a ação prometida; combos estilosos; variação de personagens; narrativa que só a Atlus consegue fazer com Persona; torna esse uma jóia que vale para ficar de olho nos próximos meses. Infelizmente esse tempo é indeterminado, pois, temos apenas uma data para o lançamento no Japão, dia 20 de fevereiro de 2020, talvez com a divulgação dos PVs publicados pela desenvolvedora nos próximos dias, seja revelado alguma coisa sobre isso. Esperar para ver.



Revisão: Mariana Mussi S. Infanti

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook