Discussão

Jogos longos: como a duração de um título afeta sua experiência como jogador

Um jogo que rende muitas horas de jogatina e várias atividades para realizar é melhor do que um com poucas horas e muita diversão?

O tempo dedicado ao lazer está se tornando cada vez menor hoje em dia. Se você está naquela fase da vida em que precisa se dividir entre trabalho, estudos, família e outras atividades, como um curso ou uma sessão na academia, pelo visto o tempo livre que te resta deve ser apenas para dormir. E pra quem tem esse tipo de rotina e gosta de investir o tempo livre jogando, muitas vezes a seleção do jogo pode estar diretamente relacionada ao tempo de duração do título.


Um título longo pode ser uma boa pedida para quem tem mais tempo livre para jogar, por dispor de mais tempo para realizar as atividades propostas pelo jogo em sua campanha principal. Já alguém que não dispõe de tanto tempo livre pode não ter uma experiência tão proveitosa quanto o cidadão que pode jogar mais. Vamos conversar um pouco hoje sobre como o tempo de duração de um título pode afetar na sua experiência como jogador.

A longa jornada

A experiência que estamos abordando é aquela que envolve uma campanha de longa duração, excluindo as conquistas/troféus propostos pelo título, pois não costumam ser obrigatórias para sua conclusão. Costumo considerar jogos com uma duração superior a 30 horas como longos, por superaram o tempo de um dia completo. Podemos considerar um jogo que atenda a esse critério como longo.

Uma dica para ter uma noção de quanto tempo você precisará para jogar um título até o final é o site How Long to Beat. O portal possui uma vasta quantidade de títulos cadastrados informando o tempo médio para terminá-los, incluindo o tempo que você precisará para finalizar o jogo com conteúdos adicionais, como DLCs ou atualizações de expansão, e para obter todas as conquistas ou troféus.
O portal How Long to Beat é ótimo para ter uma noção da duração de um jogo
Há pessoas que gostam de contar o tempo de jogo em dias. Algo como “Levei uns 10 dias para terminar este jogo”, mas o tempo de jogo mal chegou a 12 horas, por exemplo. Existem também aqueles que levam em consideração esse tempo que podem dedicar a sessões de jogo para selecionar sua próxima aventura.

Quanto tempo seu tempo tem?

Pessoas mais organizadas, como eu, gostam de colocar o tempo como o principal elemento ao executar suas tarefas. Definem um horário para determinada atividade e quanto de progresso querem alcançar neste período. Em um jogo isso pode ser traduzido mais ou menos assim: “Hoje tenho umas duas horas livres do meu dia pra jogar. Posso tentar passar daquela fase que não deu tempo de terminar ontem ou posso jogar umas partidas online daquele outro, pois acho q não vai dar tempo de passar a tal fase essa noite e deixo pro fim de semana, quando tenho mais tempo”.

A experiência de um jogo longo para quem tem pouco tempo para jogar pode se tornar maçante. O progresso lento, ou até inexistente, causado pela falta de disponibilidade para jogar pode causar desânimo e frustração ao jogador, o que pode ocasionar a desistência pelo título e mais um jogo na lista dos não terminados.
Death Stranding (PC/PS4): média de 39 horas para finalizar
Um jogo longo precisa de tempo e até paciência, em alguns casos, para ser concluído. Colocar a culpa nele pela falta de progresso do jogador chega a ser injusta se o motivo for simplesmente a escassez de tempo para jogá-lo. Organizar-se para este tipo de jogo apenas quando se tem mais tempo para dedicar a ele é a solução mais simples e eficaz para isso. Jogue no seu dia de folga do trabalho, ou deixe para suas férias da faculdade.

Tempo é dinheiro?

“O valor pago por um jogo é diretamente proporcional ao tempo que você vai jogá-lo”. Quem dera se essa afirmação fosse levada ao pé da letra e os jogos valessem em tempo o quanto pagamos por eles, principalmente aqui no Brasil. Algumas pessoas pensam assim e isso também pode gerar uma frustração ao jogador. Comprar um jogo no lançamento, pelo preço cheio, e terminá-lo rapidamente, em um dia ou dois, é motivo de sobra pra deixar alguém que pensa dessa maneira revoltado e com a sensação de que foi lesado financeiramente.

Uma experiência mais longa em um jogo ser medida em centavos é algo que considero extremamente injusto. É como comprar uma passagem de ônibus para outra cidade e não chegar no horário previsto. Você não pagou exclusivamente para chegar no horário, mas para chegar ao destino em segurança. Se chegar no horário previsto, vejo como um ponto positivo para a eficiência da empresa e pela sorte de não ter passado por nenhum perrengue pela estrada durante a viagem.
Star Wars Jedi: Fallen Order (Multi): média de 16 horas para finalizar
Da mesma maneira que não se deve pagar por um jogo esperando que ele te entretenha durante dias, semanas ou até mais tempo, comprar um jogo significa adquirir uma experiência e cabe ao jogador como essa experiência vai ser aproveitada.

Capa e conteúdo

Algo que vejo como obrigatoriedade em um jogo mais longo é a quantidade de atividades que tenho para interagir. Nisso os jogos de mundo aberto tem uma pequena vantagem em relação aos que possuem uma campanha mais linear. Jogos como The Witcher 3: Wild Hunt, Batman: Arkham Knight ou The Legend of Zelda: Breath of the Wild são exemplos de títulos que se beneficiam da quantidade de atividades disponíveis para estender a experiência do jogador. Tarefas secundárias, muitas vezes não obrigatórias, tiram o foco nas missões principais que fazem a história progredir levando o jogador ao final da campanha principal.
The Witcher 3: Wild Hunt (Multi): média de 51 horas para finalizar, sem as expansões
Outros jogos também longos, mas não tanto quanto os supracitados como Uncharted 4: A Thief’s End, The Last of Us ou Gears of War, se aproveitam das narrativas mais elaboradas para estender o jogo e assim proporcionar outro tipo de experiência, muitas vezes mais imersiva e emocionante, fazendo com que o jogador se empenhe em jogar para ver a progressão da história. Alguns títulos, como Detroit: Become Human e Until Dawn elevam essa imersão, fazendo com que as decisões do jogador influenciem diretamente a narrativa e possibilitem o retorno para realizar novas decisões e ver novos resultados, proporcionando uma extensão no tempo dedicado ao jogo.
Assassin's Creed Odyssey (Multi): média de 40 horas para finalizar, sem as expansões
Existem ainda os jogos que não usam bem a mecânica de tarefas secundárias e acabam proporcionando uma experiência repetitiva e monótona com muitas atividades com o mesmo objetivo, mesmas recompensas e às vezes nenhuma progressão real, colocadas ali simplesmente pra estender o tempo e não agregar em nada à experiência. Antes um jogo curto mas divertido do que um longo sem nada para me entreter.

O importante é ter tempo para aproveitar

Independente de quanto tempo você tenha para dedicar aos seus jogos, em especial aos mais longos, é importante ter em mente que o tempo investido neles seja proveitoso. Se o título não está te agradando de alguma forma, o importante é não forçar a barra. Falo por experiência própria, pois já terminei um jogo simplesmente por terminar. Já estava ficando irritado com o fato de que ele não acabava. Ao terminar eu simplesmente soltei um “Finalmente terminei esta m...” e nunca mais toquei no jogo.

Gosto de terminar um jogo que dediquei muito do meu tempo com a sensação de que foi uma aventura divertida, e até emocionante. Uma história que gostei de acompanhar. Isso gera um afeto e boas lembranças da época em que joguei aquele título e também me ajuda a recomendar e escolher novas aventuras para jogar.
Persona 5 (PS3/PS4): média de 96 horas para finalizar
E você, leitor? Como costumam ser suas experiências com jogos que necessitam de um investimento maior do seu tempo? Que jogos costumam jogar e recomendar? Compartilhe sua opinião nos comentários e até a próxima.

Revisão: Thiago Monte

Tecnólogo em Gestão Ambiental, produtor do BlastCast e sincero até demais. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Adora jogos multiplayer que causam discórdia e fogo no parquinho. @XelaoHerege


Disqus
Facebook
Google