Jogamos

Análise: Star Wars Jedi: Fallen Order (Multi) traz o melhor do universo de Guerras nas Estrelas para o mundo dos jogos

Desvende segredos que podem restaurar a Ordem Jedi enquanto é perseguido por inquisidores do Império em uma emocionante aventura repleta de ação.


A franquia Star Wars marcou os anos 80/90 e até hoje se faz presente na vida da nova geração através de novos filmes, séries e animações lançadas. Mexer com um universo tão querido traz uma responsabilidade muito maior ao time de desenvolvimento. Felizmente, a Respawn Entertainment soube adaptar muito bem diversos conceitos estabelecidos na indústria, dentro do contexto da disputa entre Imperialistas e a Resistência Galáctica. O resultado é uma experiência inédita e envolvente que faz jus a todo o legado que carrega.

Não pedi para ser herói

Em Star Wars Jedi: Fallen Order entramos na pele de Cal Kestis. Ainda em fase de treinamento, o jovem padawan teve o azar de vivenciar um dos momentos mais tenebrosos da história dos Jedis: a Ordem 66, manobra política do então chanceler Palpatine para tirar os Jedis de seu encalço, transformando-os em inimigos da galáxia sob pena de morte. Em meio a esse fogo cruzado, nosso protagonista é permanentemente marcado pela tragédia que dizimou grande parte dos Jedis pela galáxia.

A vida de Cal e dos demais Jedis nunca mais seria a mesma com a Ordem 66


A campanha tem início no planeta Bracca, onde Cal é obrigado a reprimir seu vínculo com a Força para esconder sua presença dos inquisidores do Império – soldados de elite treinados no confronto com Jedis – e viver como um sucateiro. Ao lado do alienígena Prauf, ele leva uma vida comum até que é obrigado a usar suas habilidades para salvar a vida de seu amigo. Isso o coloca no radar do Império, que rapidamente entra em seu encalço para eliminá-lo. Tem início uma eletrizante sequência de fuga que dá início a nossa jornada, colocando inimigos temíveis e aliados marcantes em nosso caminho.



Bons aliados, boa aventura!

Durante uma jornada, é fundamental contarmos com apoio de aliados para tornar a tarefa mais prazerosa e satisfatória. O título consegue inserir personagens com muita presença e de muita personalidade. No desenrolar da história, mais da faceta de cada um deles vai sendo revelada e descobrimos personagens com muito conteúdo para agregar na qualidade do enredo. Fiquei com o desejo de conhecer mais de cada um deles, embora o jogo saiba encaixar um pouco do passado de cada um em pontos chave da trama.

Cere Junda

Uma das sobreviventes do expurgo Jedi, Cere foi responsável por salvar a vida de Cal Kestis durante a perseguição do Império. Por seus motivos, a mestre Jedi cortou os laços com a Força, recusando-se a recorrer às habilidades que a consagraram no passado. Ainda assim, ela é detentora de muito conhecimento, não só sobre os aspectos que envolvem sua antiga ordem, mas de diferentes culturas pelo período em que esteve em treinamento com seu mestre, Eno Cordova. Através dela, recebemos a missão de restabelecer a Ordem Jedi e, por meio de seus conselhos, iremos reatar nossa afinidade com a Força e entender mais sobre sua natureza.



Greez Dritus

O piloto veterano e capitão da nave Mantis é um apostador incurável da raça Latero. Embora tenha seus vícios, ele equilibra muito bem a relação séria entre Cal e Cere, com tiradas engraçadas, uma personalidade extremamente cautelosa devido a seu porte físico e um amor excessivo por sua nave. Acima de tudo, Greez se mantém como um leal companheiro.



BD-1 

A franquia Star Wars já nos provou que as melhores amizades podem vir de humanos, alienígenas e até mesmo droides. BD-1 é a personificação de amizade verdadeira. O simpático droide aparece de forma repentina em nossa aventura, trazendo à tona segredos importantes para o futuro da Ordem Jedi e desde então permanece ao lado de nosso herói durante toda a trama. Através de melhorias, podemos incluir novos aparatos a ele para nos dar acesso a locais antes inacessíveis.



Eno Cordova 

Um lendário Jedi que permaneceu nos bastidores até os eventos contados no jogo. Enquanto a Ordem era presente nos eventos que envolviam a luta da República Galáctica, Eno Cordova optou por permanecer em exílio, estudando as diversas culturas espalhadas pela galáxia e descobrindo ainda mais segredos sobre a Força e o futuro de sua casta. Embora falecido, ele pode ser a chave para o futuro dos Jedis.



Saw Gerrera

Um veterano das guerras clônicas, esse guerrilheiro agora lidera um grupo de rebeldes no planeta Kashyyyk. As inúmeras batalhas vivenciadas apagaram o brilho do antigo soldado repleto de otimismo e gentileza para com os seus e deram lugar a uma densa crosta de frieza e calculismo que agora dominam sua personalidade. Sua atuação é marcada pelo talento do ator Forest Whitaker.



Ação por toda a galáxia

Até agora estaríamos falando de qualquer epopeia galáctica se não desse as devidas atenções para a ação e combates de tirar o fôlego presentes na franquia Star Wars. Na missão de reconstruir a Ordem Jedi, iremos percorrer por diversos planetas, cada um apresentando fauna e flora características. Os cenários trazem diversos níveis de exploração, já que Cal Kestis usa e abusa de sua agilidade Jedi. Iremos nos deparar com etapas que exigem uma bela escalada, salto em plataformas e até mesmo corrida na parede no melhor estilo Prince of Persia.



 E por falar nas habilidades acrobáticas de Cal, elas são igualmente impressionantes quando se trata do combate. O jogo conta com um progresso de evolução baseado no acúmulo de experiência ao eliminar inimigos ou encontrando coletáveis. Ao completar a barra de progresso, ganhamos um ponto que pode ser gastado em nossa árvore de habilidades no círculo de meditação. É nele que adquirimos novos poderes e descansamos para recarregar nossos itens de cura, ao preço de ressuscitar todos os inimigos derrotados. Prepare para acumular muito XP, pois nosso Jedi conta com uma vasta lista de golpes especiais a serem desbloqueados e eles serão um diferencial positivo na sua diversão. Através de um sistema que lembra jogos da série Souls ou até mesmo o Assassin’s Creed Origins, é um desafio prazeroso sobressair a dificuldade inicial (que pode ser ajustada durante o jogo) devido ao nosso raso repertório de ataques no começo da aventura. Da mesma forma, é divertido bancar o poderoso mestre Jedi ao massacrar inimigos paralisando seus movimentos, empurrando-os para longe, puxando para nossa direção a fim de realizar uma finalização, rebatendo tiros de blasters, desferindo um golpe pesado com o sabre, entre outras opções.



Ainda assim, é necessário cautela, mesmo com níveis elevados de poder, pois cada criatura tem um comportamento específico e maneiras de contra-atacar alguns de seus golpes. Por falar nelas, os desenvolvedores capricharam no visual e na dimensão dos inimigos presentes no jogo, dos famosos stormtroopers, com diversas variações de armas, passando pelos letais inquisidores, os ardilosos caçadores de recompensas, até mesmo contra as impiedosas criatures de cada planeta que representam ameaças em potencial, desde os seres pequenos aos gigantescos. Enfrentá-los exigiu uma boa estratégia de minha parte, já que da mesma forma que eles conseguem criar brechas em nosso estilo de luta, também conseguimos explorar suas fraquezas e enfraquecê-los da maneira certa para finalizá-los com uma execução especial.



A nível de observação: entendo que esse seja um sistema de combate que está muito popular devido aos jogos da FromSoftware, entretanto, ainda acredito que o gênero que melhor casa com a proposta de movimentos plásticos e desafiadores dos Jedis seja o hack and slash. Não que a escolha dos desenvolvedores tenha sido infeliz. Muito pelo contrário. Essa pegada funcionou muito bem e, se por um lado limitou a fluidez de movimentos característica do hack and slash, por outro incutiu um combate focado na estratégia e exploração dos pontos fortes e das fraquezas dos cenários e oponentes, algo muito presente na descrição fria e calculista dos famosos cavaleiros de sabre de luz.


Distúrbios na Força!

Se existe o lado bom da Força, nos aspectos técnicos também temos o lado ruim dela. Encontrei em meu gameplay um grave problema de atraso no surgimento dos inimigos. No planeta Dathomir, por exemplo, em certa etapa temos um ponto de save próximo de alguns inimigos que, ao serem revividos, demoram alguns bons segundos para reaparecem. É possível ir até o local onde aparecem para presenciar o evento bizarro deles caindo do ar repentinamente. Fora isso, em trechos muito longos entre um ponto de salvamento e outro, a tela congela do nada para carregar a parte seguinte do mapa. Isso era algo muito comum nos jogos de antigamente, mas hoje isso pode ser facilmente disfarçado durante a jogatina, a título de comparação: Resident Evil já fazia isso através da animação de abrir e fechar portas entre as salas para disfarçar o tempo de loading.

Mantenha sempre o seu jogo salvo antes e depois de enfrentar inimigos poderosos


Outro erro severo cometido pelos desenvolvedores é a instabilidade em seu processamento. Ao longo da campanha, presenciei o jogo fechando sozinho e a tela de erro surgindo por diversas vezes. Essa eu considero uma falha grave. Mesmo após algumas atualizações lançadas, o problema continua ocorrendo. Em algumas ocasiões, essa situação ocorreu no término de um trecho de dificuldade elevada, me obrigando a recomeçar desde o último save.

O jeito é ter paciência até que tudo seja corrigido através das atualizações


“Poderosa a Força continua sendo” 

Mesmo pecando em pontos cruciais para uma experiência agradável, Star Wars Jedi: Fallen Order se sobressai por seu belos acertos: uma trama envolvente, personagens carismáticos e uma ação extremamente divertida que explora muito bem os recursos da geração atual para aplicar no contexto dos Jedis. Vale ressaltar a excelente dublagem realizada com vozes que caem como uma luva nos trejeitos de cada figura aqui apresentada.



Para os fãs da franquia, esse jogo é uma pedida obrigatória, principalmente pelo belo fan service que ele traz. Inclusive, uma empolgante surpresa é reservada para os momentos finais da história. Já aqueles que não conhecem a fundo esse universo, encontrarão aqui uma ótima alternativa que une muito bem aquilo que já vimos em jogos como Uncharted e Dark Souls, sendo um prato cheio para os aficionados por esses gêneros.

Prós

  • Personagens carismáticos;
  • Muitas habilidades e combates que permitem explorar a fundo o poder de um Jedi;
  • Enredo envolvente e que encaixa muito bem no contexto dos filmes;
  • Totalmente localizado ao idioma português.

Contras

  • Atraso no aparecimento de inimigos ao ressurgir no ponto de salvamento;
  • Loadings mal programados no meio dos cenários;
  • Má performance no processamento do jogo, fechando automaticamente e prejudicando o progresso do jogador.
Star Wars Jedi: Fallen Order – PS4/XBO/PC – Nota: 7.5
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: Ives Boitano
Análise produzida com cópia digital adquirida pelo próprio redator

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook