A franquia Call of Duty e sua relação com as lootboxes

A chegada das microtransações na franquia trouxe muita dor de cabeça para os jogadores.


Call of Duty é uma das franquias mais populares dos videogames, tendo criado uma base de fãs bastante fiel. Ainda assim, a adoção de lootboxes como meio de monetização em jogos mais recentes fez com que inúmeras críticas caíssem sobre a série, seus desenvolvedores e, principalmente, sobre a Activision, publicadora dos títulos e dona da marca. Hoje, daremos uma breve olhada no histórico das lootboxes na série. Venha conosco e conte suas experiências com as caixas-surpresa nos comentários.



Call of Duty: Modern Warfare (2019) chega em outubro deste ano, e tem a difícil missão de revigorar uma franquia que tem estado saturada há pelo menos cinco anos. A utilização de um novo motor gráfico para a construção deste "soft reboot" é um dos principais pilares do título, juntamente com a essência mantida em seu modo multiplayer e a adoção de conteúdos extras completamente gratuitos.

A Infinity Ward, desenvolvedora do título, decidiu abandonar o modelo de Season Pass utilizado até agora pelos títulos anteriores. Em Modern Warfare, novos mapas serão adicionados de forma gratuita para todos a fim de evitar a separação dos jogadores. No entanto, os custos para DLCs gratuitas terão de ser pagos de outra forma.

As famigeradas lootboxes como meio de monetização 


Têm se tornado cada vez mais comum no mercado a presença de títulos com conteúdos adicionais gratuitos. Entretanto, a comercialização de itens cosméticos e especiais, como potencializadores de pontos de experiência ou dinheiro virtual em títulos específicos, surge como forma captar recursos e gerar lucro.

Atualmente, o mercado vê uma certa mudança no que tange a adoção dos Season Passes (ou Passes de Temporada), que vinha sendo um modelo bastante utilizado principalmente por grandes franquias como Call of Duty, Assassin's Creed e Battlefield.

A mudança de comportamento dos jogadores, que hoje são mais exigentes do que nunca e estão cada vez mais cientes do valor de seu rico dinheirinho, fez com que surgissem novas maneiras de convencê-los a gastar esse dinheiro. Já várias alternativas encontradas pelos desenvolvedores, sendo uma das principais as famigeradas lootboxes.

As lootboxes nada mais são do que caixas-surpresa, que contêm uma miríade de itens sortidos para os jogadores adquirirem. O que as torna tão lucrativas é justamente sua aleatoriedade. Para conseguirem o que desejam, muitos acabam tendo de abrir dezenas, ou até mesmo centenas dessas caixas.

Embora muitos títulos ofereçam a oportunidade de os jogadores adquirirem lootboxes através do simples ato de jogar, eles também disponibilizam opções de compra com pagamento em moeda real, capitalizando na ansiedade, curiosidade, desejo e, em casos extremos, vícios de quem joga.

A presença das lootboxes na franquia Call of Duty

Em 2014, com o lançamento de Call of Duty: Advanced Warfare (Multi), Sledgehammer Games introduziu na franquia a presença de lootboxes por meio do nome Supply Drop. Os Supply Drops ofereciam itens sortidos para os jogadores customizarem seus personagens, como novos exoesqueletos de movimentação, novas cores, armaduras, capacetes e conjuntos visuais.



Contudo, a desenvolvedora cometeu o erro de incluir variantes de armas como parte dos prêmios aleatórios. As variantes de armas continham características bônus que modificavam as estatísticas-base das armas. Era comum, no multiplayer online, a presença de armamentos com maior velocidade de disparo, precisão e controle sem a necessidade de utilizar anexos de melhorias. Isso gerou um grande desbalanceamento nas modalidades online, frustrando jogadores que não tinham a sorte de tirar variantes potentes das melhores armas.

De lá para cá, as lootboxes foram adotadas em todos os títulos da franquia, contudo adotando diferentes formas de serem adquiridas dentro dos títulos.

Em Call of Duty: Black Ops 3 (Multi), a Treyarch, desenvolvedora do jogo, adicionou as Cryptokeys como forma de aquisição para seus Supply Drops. Essas chaves são obtidas conforme os jogadores concluem partidas online e são utilizadas no Mercado Negro.

Em junho de 2016, sete meses após a chegada de BO3 ao mercado, os desenvolvedores trouxeram os Contratos para o jogo. Contratos diários e semanais oferecem 10 e 30 Cryptokeys, respectivamente, quando completados, e se tornaram uma forma adicional de os jogadores obterem Supply Drops.



Em 2017, o mesmo sistema de contratos foi adotado por Call of Duty: WW2 (Multi), que oferece tarefas diárias e semanais e têm como recompensa Supply Drops comuns e raros (assim como em BO3). A grande vantagem de WW2, porém, é oferecer itens puramente cosméticos em suas caixas. Nenhuma variante de arma oferece melhorias especiais, o que evitou a existência de um sistema pay-to-win.

Black Ops 4 e seu trem descarrilhado

Em 2018, a Treyarch lançou Call of Duty: Black Ops 4 (Multi), considerando-o como um título "live service", isto é, um título que receberia constantes atualizações de conteúdo e que contaria com eventos de temporada com diversos prêmios para os jogadores dedicados.

No entanto, além de reter mapas adicionais através do Black Ops Pass, BO4 cometeu o erro de oferecer armas que só podem ser obtidas através de seus Supply Drops. Isso enfureceu a comunidade do título, que viu o game se tornar, até certo ponto, pay-to-win, especialmente pelo fato de essas armas restritas serem extremamente potentes (leia-se desbalanceadas).

S6 Stingray, uma das armas de Black Ops 4 que só podem ser obtidas através de lootboxes


E Modern Warfare?

Para a comunidade de Call of Duty é costumeiro ser cético em relação aos novos títulos anunciados, principalmente pela atrocidade que é Black Ops 4 em termos de microtransações.

Não obstante, Modern Warfare já carrega consigo esse ceticismo. A presença de lootboxes não foi confirmada, mas é uma aposta certeira, visto que a Infinity Ward e a Activision (desenvolvedora e publicadora, respectivamente), precisarão de uma maneira para obter recursos e financiar os conteúdos gratuitos que serão lançados. A esperança que resta é para que os itens oferecidos sejam puramente cosméticos.

Para obter sucesso de fato, Modern Warfare terá de seguir um caminho de transparência com os jogadores. Além disso, deverá dar bastante atenção ao feedback da comunidade. Esses fatores serão cruciais, principalmente para arrefecer a provável chegada de microtransações no título.

Nota pessoal do redator: se eu pudesse escolher uma forma de lootboxes para Modern Warfare, adotaria o sistema de contratos de WW2. Além disso, cada Supply Drop de WW2 confere três itens sortidos, enquanto Black Ops 4 tem a audácia de oferecer caixas com apenas um item (caixas especiais com três itens custam seis caixas normais!).




Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook