Jogamos

Análise: Blair Witch (PC/XBO) traz sustos e tensão na dose certa

Inspirado em um gênero que está meio sumido da indústria, Blair Witch entrega o terror psicológico inquietante, mas sofre de problemas técnicos


Em 2018 a Microsoft já havia anunciado investimento pesado em estúdios para entregar mais jogos exclusivos aos seus fãs, demanda antiga da comunidade. Ela não estava de brincadeira, e Blair Witch chega como um dos primeiros títulos dessa nova leva de exclusivos. Inspirado em Outlast e Alan Wake, será que a nova aposta da Bloober Team entrega o jogo de terror que o Xbox One estava precisando? Venha conferir conosco as nossas impressões da Bruxa de Blair.


Da tela dos cinemas para o seu controle

Blair Witch é baseado no filme homônimo de 1997 que revolucionou o cinema norte americano ao entregar uma obra competente, diferente de todo o clichê do gênero, e com baixo orçamento. A Bloober Team tenta repetir o feito no mundo dos vídeo games misturando ingredientes de Outlast, Alan Wake, Slenderman e até mesmo P.T (ou o que esperávamos dele).

A mitologia de Blair Witch segue o que foi popularizado na franquia cinematográfica, e tem como foco a sombria floresta de Black Hills - um lugar supostamente amaldiçoado, onde a noção de tempo e espaço se fundem em uma loucura sem sentido. O jogo traz uma pitada de originalidade ao fazer com que esse ambiente entre em correlação direta com os problemas de ansiedade do protagonista, o inspetor de polícia Ellis.

O cruzamento é tão acertado que, durante as primeiras horas de jogatina, você desconfia que o suposto "ambiente malassombrado" é apenas fruto dos problemas psicológicos de Ellis. Os flashbacks constantes trazendo detalhes dos traumas pessoais do protagonista ajudam a deixar mais nebuloso esse cenário. Porém, a dúvida dura pouco, e logo o jogador descobre que realmente existe alguma coisa errada naquela floresta.


Ellis é levado para a floresta de Black Hills em busca do garoto Peter Shannon, desaparecido. Apesar de todas as sugestões para que ele não pegasse o caso (principalmente por conta de seus problemas de ansiedade), ele resolver abraçar a causa e leva consigo seu fiel companheiro Bullet, um carismático pastor alemão.

Um adendo especial deve ser feito em relação a presença do cachorrinho no jogo: ele não só é o alívio cômico em relação ao ambiente opressor e angustiante da floresta, como serve de HUD para o jogador, deixando a jogabilidade mais "raiz". Não demora muito para o jogador se apegar ao "doguinho", já que ele é a única criatura com quem iremos interagir durante a jornada.


Caso você esteja interessado em se aprofundar na mitologia da franquia, saiba que o jogo se passa três anos antes do primeiro filme. Não é necessário assistir aos filmes para entender a história do jogo, mesmo por que a história é passada de uma maneira um tanto quanto confusa. Na verdade, acredito que a intenção da Bloober Team foi criar uma narrativa que transmitisse a sensação de incerteza, desorientação e paranoia. Mas vale a pena para entender um pouco mais o "lore" da franquia, e entrar no clima, claro.

Uma jogabilidade pouco amigável

Em Blair Witch você possuí, para auxiliar sua jornada, o cãozinho Bullet, uma mochila para guardar itens, um Walkie Talkie, um celular no estilo Nokia Tijolão (nostalgia anos 90?), e claro, uma lanterna. No celular, o jogador tem acesso às mensagens e ligações da companheira de Ellie, e essa mecânica ajuda a desenrolar o enredo intrincado do game.

Mais para frente, o jogador encontra uma estranha câmera que pode moldar a realidade. Existem fitas espalhadas pela floresta e o jogador pode vê-las na câmera e trazer itens dos filmes para a realidade, além de interagir com eventos passados. A câmera também ajuda a enxergar melhor no escuro, no mesmo estilo Outlast.

De vez em quando, aparece algum puzzle para resolver, mas nada muito complicado. Mas, como nem tudo são flores, o jogo tem sim alguns problemas. O primeiro deles, a meu ver, é a falta de orientação ambiental, o famoso HUD que mostra onde você deve ir e onde você está.


Ok, existem as discussões sobre como essa facilidade impacta no desafio do jogo, mas jogos em ambientes abertos sem um mapa e um sistema de orientação acabam travando a fluidez da experiência. Claro, o cachorro está lá, e a ideia era fazer com que o jogo se afastasse da lógica "point and go". Mas, os menos pacientes podem se perder muito facilmente e ficar horas e horas andando em círculos.

Não é à toa que uma das principais críticas comparam o jogo a um "walking simulator" ou um simulador de caminhada. Você vai andar, andar, se perder, se perder de novo, e esse ciclo pode testar sua paciência. Outro ponto que merece destaque é a maneira como o cenário interage com o gameplay. Você simplesmente não pode ir onde quiser, e as velhas paredes invisíveis estão por todo o lado.


Por fim, muitas críticas apontam a má otimização do jogo e problemas de desempenho. Eu particularmente vi algumas travadinhas aqui e ali, uma leve queda de frame, mas nada muito sério, o que me leva a crer que esses problemas sejam mais proeminentes na versão do PC. Por fim, os gráficos, muitos reclamam dos gráficos do jogo, dizendo que a modelagem ficou muito simples.

Eu particularmente não vi nenhum grande problema nisso, levando em consideração que esse é um jogo indie de baixo orçamento. Acredito que as críticas devem condizer com a proposta do projeto, e se formos analisar ícones indies do gênero, como os dois primeiros Outlast, a simplicidade gráfica também estava presente. Mas, como isso é uma análise técnica, e o visual é importante para muita gente, devemos levar isso em consideração.


Mesmo que essa simplicidade possa incomodar alguns, acredito que o trabalho ambiental com iluminação mais "dark", ambientes totalmente escuros, e a paleta bege/esverdeada fazem com que a simplicidade nos gráficos nem seja percebida depois de algum tempo de jogatina. Alguns jogadores relataram “flicagem” de elementos do cenário, e travamentos de save, porém eu não sofri desses problemas.

Uma experiência sensorial única

Blair Witch não é um jogo de terror convencional, onde você vai atirar em criaturas assustadoras e ver sangue jorrando para todos os lados. Não é isso. Logo no começo, o jogador se depara com a mensagem de que a experiência ficará otimizada caso sejam utilizados fones de ouvidos. Isso acontece graças ao sistema de som binaural. que faz com que pequenos sons ambientes, como galhos e folhas, barulhos de pedras, vozes sombrias, etc. sejam melhor sentidos com o headset.

O jogo é curto, em 6 ou 8 horas no máximo você consegue terminá-lo, isso se não ficar perdido andando em círculo por falta de um sistema de orientação. Provavelmente a Bloober Team tenha tido o objetivo de fazer o jogador ficar perdido, como parte da experiência do jogo. Porém, para mim isso atrapalhou um pouco, pois não gosto de me sentir desorientado, sem saber onde ir ou o que fazer. Por isso, esteja atento a esse detalhe para avaliar se pretende investir no jogo ou não.

A proposta da Bloober Team é entrega uma experiência sensorial – você escuta vozes enquanto anda na floresta, vê aparições medonhas, toma pequenos sustos, enquanto viaja pelos flashbacks dos problemas pessoas do protagonista, entrando na sua mente e nos seus medos, refletidos e intensificados pelo ambiente sombrio competentemente construído pela desenvolvedora. Sim, você vai sentir medo, vai se assustar, e vai entrar no clima de terror da floresta da Bruxa de Blair.


O jogo em si vem recebendo avaliações mistas, os pontos positivos, como falamos, ficam com a simulação da experiência de horror e medo, e essa experiência é intensificada com a utilização de fones de ouvido durante a jogatina. Os pontos negativos giram em torna da baixa polidez gráfica, dos bugs e (para mim) a falta de um sistema de orientação dentro do jogo. Claro, a pressão em cima do lançamento faz com que os holofotes mirassem o jogo, e até acho que algumas expectativas foram exageradas.

Contudo, consigo dizer que esse jogo é o melhor já lançado da Bloober Team, é uma experiência única de terror e angústia que, porém, pode não agradar a todos. É interessante ver que a Microsoft realmente está cumprindo sua promessa de investir em jogos single player exclusivos, e Blair Witch chega em boa hora, para dar uma encorpada nesse arsenal. Como o jogo faz parte do catálogo da Game Pass, não vejo por que ele não deva ser jogado.


Esqueça um pouco a história de estourar cabeças de zumbi com arsenal do exército e embarque no terror psicológico de Blair Witch, preferencialmente utilizando fones de ouvido, durante a noite e com as luzes apagadas. Quem sabe você não leve alguns sustos e acabe curtindo a experiência. Só não vale ter pesadelos depois. Blair Witch é sim um bom jogo dentro da proposta que a Bloober Team apresentou e, caso venha uma sequência, as coisas só tendem a melhorar.

Prós

  • Ambientação assustadora e competente;
  • Efeitos sonoros dão o toque de angústia e medo;
  • Ótimo desenvolvimento de personagens;
  • História não linear casa bem com a proposta.

Contras

  • Baixa polidez nos gráficos pode desagradar alguns;
  • Alguns bugs e problemas de desempenho;
  • Falta de um sistema de orientação.
Blair Witch - Xbox One/PC - Nota: 8.0
Versão utilizada para análise: Xbox One
Análise feita com cópia cedida pela Bloober Team
Revisão: Henrique Moreno

Apaixonado por JRPG, video game, Rock'n'Roll e literatura. Fanboy de Final Fantasy, admirador nato de The Legenda of Zelda, sonha em se tornar escritor. Enquanto esse dia não chega, escreve sobre as coisas que ama na Game Blast

Comentários

Google
Disqus
Facebook