Jogamos

Análise: Neptunia Shooter (PC) é um jogo simples e sem atrativos

Bullet hell da série Neptunia se contenta em fazer o "feijão com arroz" de um shoot'em up.


Apresentado originalmente como uma piada de 1º de abril, Neptunia Shooter é um shoot’em up com as personagens da série Neptunia. Apesar de se tratar de um bullet hell, seu gameplay extremamente simples e seu design antiquado fazem com que o jogo seja pouco interessante.

Nep'em up


Controlando inicialmente Neptune, o jogador precisa sobreviver aos inimigos que aparecem (e podem atirar na personagem). Derrotá-los aumenta a pontuação e ao final de cada fase há um boss que corresponde a outra personagem da série e ao ser derrotada se junta à equipe.

Esse é o ponto mais importante do jogo já que é possível alternar entre as personagens jogáveis. Cada nova fase irá apresentar um posicionamento de inimigos que exige que o jogador utilize bem as novas aliadas para sobreviver e conseguir uma boa pontuação. Por exemplo, Compa atira pílulas que são boas contra inimigos que surgem pelo canto inferior da tela, enquanto IF atira para trás.

A ordem de desbloqueio é sempre a mesma e não é possível começar com outra personagem. Se por um lado, isso faz com que a experiência seja repetitiva, por outro, esse é justamente o ponto do título. Fazer várias e várias vezes as mesmas fases até decorar o posicionamento dos inimigos e construir reflexos e memória muscular ao longo do tempo para lidar com as fases.


Como esse é exatamente o modelo mais comum de shoot’em up, o título tem um bom apelo retrô para fãs do gênero. O problema é que, apesar de fazer o “feijão com arroz”, ele não apresenta nada que o diferencie de outros jogos. Pelo contrário, até mesmo quesitos básicos que costumam ser utilizados para que o jogador se sinta recompensado pelos seus esforços, como power-ups, estão ausentes.

Uma experiência básica e pouco atrativa

Uma outra coisa que chama a atenção é a pixel art dos personagens e inimigos que é bem feita e colorida. Ela reflete bem o espírito da série, que também pode ser visto no uso de referências a outros jogos. Por exemplo, uma das personagens atira blocos de Puyo Pop (jogo originalmente desenvolvido pela Compile), outra usa pílulas que são facilmente associadas a Dr. Mario, etc.

Infelizmente esse detalhe e a variação entre personagens não são suficientes. Mesmo em termos gráficos, o jogo peca por rodar apenas em uma resolução baixa e cuja proporção 4:3 faz com que bordas pretas cubram o resto da tela. Além disso, a trilha sonora é composta por praticamente duas músicas a ponto do menu inicial ser silencioso.


De forma geral, o seu maior valor e também seu grande problema é fazer apenas o básico do gameplay de um shoot’em up e se esforçar em seguir a moda antiga com altas doses de desafio e repetição sem oferecer ao jogador controle sobre o aspecto dificuldade.

Com isso, o jogo acaba se tornando uma experiência mais valiosa para fãs do gênero. São essas pessoas que melhor podem aproveitar sua alta dificuldade e aparência retrô, além de se esforçar para conseguir boas pontuações nos leaderboards. Mas pessoalmente acredito que mesmo elas estariam mais bem servidas com os clássicos ou jogos que se arriscam mais em inovar.

Prós

  • Poder alternar entre personagens após cada fase é interessante;
  • Pixel art de personagens e inimigos bem feita.

Contras

  • Faz apenas o básico de um shoot’em up, não contando nem mesmo com power-ups;
  • Dificuldade única, sem opções para o jogador;
  • Trilha sonora com pouquíssima variação;
  • Jogo roda apenas em resolução 4:3.
Neptunia Shooter – PC – Nota: 5.0
Análise produzida com cópia digital cedida pela Idea Factory International

é formado em Comunicação Social pela UFMG e costumava trabalhar numa equipe de desenvolvimento de jogos. Obcecado por jogos japoneses, é raro que ele não tenha em mãos um videogame portátil, sua principal paixão desde a infância.

Comentários

Google
Disqus
Facebook