Jogamos

Análise: Fishing Strike (Android/iOS) surpreende com uma pegada de ação em um game de pesca

Com habilidades especiais e trilha sonora agitada, o jogo pode agradar até mesmo quem não gosta de pescaria.


Existe a opção de comprar novos tanques usando gemas (dinheiro real). Cada novo aquário adquirido libera funções especiais, mas dispensáveis. Uma delas é adicionar mais slots na armadilha de pesca, uma opção que permite pegar alguns peixinhos automaticamente sem precisar de intervenções, mas que não acrescenta em nada na experiência.



Antes de prosseguir com o texto eu vou lhe recomendar fortemente que pare agora mesmo, baixe o jogo e jogue o tutorial. Acredito ser a melhor forma de entender qual é a pegada do game e porquê ele se diferencia tanto de outros do gênero. Depois que tiver esta experiência volte à nossa análise.

Jogou? Bem diferente e inesperado, né? Se você não jogou, azar o seu. Daqui em diante é uma zona de spoilers.

História de pescador (descrição do tutorial para preguiçosos)

O jogo começa bem tranquilo: ensina a lançar a isca no mar e não demora muito para que o primeiro peixe morda a isca. Neste ponto somos apresentados às barras de vida do futuro sushi, as quais precisamos zerar para uma pesca bem sucedida. Mantendo pressionado o botão do molinete nós o puxamos em direção a um redemoinho que causa o dobro de “dano” no peixe e, caso ele dê um salto para fora d’água, basta deslizar o dedo na tela na direção apropriada.



Tudo normal e sem desafio à primeira vista, mas isso muda quando um enorme tubarão branco resolve roubar a nossa janta abocanhando o peixe que antes era nossa vítima. Neste ponto temos a chance de puxar o próprio intrometido, que ficou preso ao nosso anzol. Obviamente o peixão é forte demais com suas quase 200 barras de vida e entram em cena os pescadores de suporte.

Para evitar que o bichão saia da tela e arrebente nossa linha, Eva e  Ângela surgem como opções de “especiais” na parte de baixo da tela. Cada um carrega com um determinado tempo e não demora muito para que possamos usar o furacão de Ângela ou pedir a Eva que invoque uma baleia azul para jogar todo o seu peso contra o tubarão ladrão.

Ação onde menos se esperava

Pescaria é conhecida por ser um “esporte” monótono e sem muita graça, cujo objetivo seria relaxar enquanto se tortura alguns pobres peixes lhes dando buracos na boca (e alguns piercings involuntários quando a linha arrebenta). Fishing Strike vai na contramão disso, fazendo a pesca parecer uma batalha épica com direito a deslizadas de dedo na tela e golpes especiais. E é justamente isso que “fisga” o jogador desavisado.



Em meio a tantos RPGs e Hack and Slashes genéricos no mobile, Fishing Strike se destaca por oferecer a sensação de um game de ação em um cenário completamente inesperado. O game é baseado em timing, sendo  necessário saber a hora certa de usar os especiais, e não é particularmente difícil até chegar aos níveis mais avançados, mas a experiência é extremamente satisfatória. Entretanto pode se tornar repetitivo em longas sessões de jogo.

Temos que pegar

Com centenas de espécies distribuídas por localidades ao redor do mundo, o game também desperta aquele espírito colecionista presente na franquia Pokémon, com direito a peixes lendários. E cada espécime capturado tem a sua utilidade, pois podem ser armazenados em tanques onde irão crescer e aumentar o seu valor de venda. Além disso, pegar um certo conjunto de peixes pré-determinados libera premiações especiais no catálogo.

Existe a opção de comprar novos tanques usando gemas (dinheiro real). Cada novo aquário adquirido libera funções especiais, mas dispensáveis. Uma delas é adicionar mais slots na armadilha de pesca, uma opção que permite pegar alguns peixinhos automaticamente sem precisar de intervenções, mas que não acrescenta em nada na experiência.



A forma mais interessante de pegar peixes raros é através do Torneio de Clubes, onde diferentes missões ficam disponíveis para jogadores em torno dos níveis 25, 45, 65 e 80. Porém o desafio é bem elevado, não sendo um local para jogadores despreparados.

Dicas de veterano

Apesar da jogabilidade simples há diversos fatores que influenciam na eficiência da sua pescaria. O mais notável deles é a Maestria em Pesca, um valor indicativo que aumenta de acordo com seus pescadores, vara e barco. Vamos falar de cada um rapidamente.
  • Pescadores - Adquirir novos pescadores é uma questão de sorte (ou muitas gemas), pois depende das “licenças de pesca” que você obtiver nos baús conquistados ao longo do jogo. Para subir o nível de um pescador há um sistema de melhorias em que é necessário juntar um determinado número dessas licenças mais algum ouro.

    É possível utilizar até um máximo de seis pescadores, sendo três principais, que lhe permitem usar os “especiais”, e três auxiliares, que ajudarão apenas com suas habilidades passivas e valor de Maestria em Pesca.
  • Vara - Varas melhores podem ser compradas com ouro (obtido no jogo) ou gemas, elas acrescentam ao valor de Maestria e algumas possuem habilidades passivas. Podem receber melhorias utilizando “Peças do Equipamento de Pesca” e mais uma quantidade abusiva de ouro a partir do nível 10.
  • Barco - Semelhante às varas, podem ser obtidos com ouro ou gemas e acrescentam ao valor de Maestria, da mesma forma alguns podem ter habilidades passivas. Sua melhoria depende de “Peças de Melhoria do Barco” e se divide entre quatro categorias: Convés, Leme, Tanque de Combustível e Motor. Porém, não há diferenças em nenhuma delas.
Como todo game Free to Play, essa grande quantidade de itens e ouro necessários para melhorias serve para regular o avanço do jogador e tentar fazê-lo sentir a necessidade de gastar no jogo. Entretanto, Fishing Strike em nenhum momento é forçado neste sentido e oferece uma experiência relativamente justa e agradável na maior parte do tempo.

Minha recomendação é deixar os pescadores na base da sorte e economizar suas gemas para varas e barcos, pois é bem grande a diferença entre um item “grátis” e um “pago”. As melhores habilidades passivas estão nos itens comprados com gemas.


Pegamos um peixão

O game é acompanhado de uma trilha sonora muito bem ambientada nos momentos de calmaria (menu e lançamento da isca), como nos de ação (a pesca em si e Torneios de Clube) e ainda conta com um modo PvP pouco interessante, mas que não deixa de ser uma opção para jogadores mais competitivos.

Fishing Strike é uma experiência muito divertida e diferente, capaz de agradar os mais variados tipos de jogadores ao misturar um gênero de simulação com pegadas de ação. Com certeza foi uma jogada arriscada mas certeira da Netmarble e pode muito provavelmente ditar o gênero de pesca daqui pra frente, pelo menos nos smartphones.

Prós

  • Jogabilidade simples, porém dinâmica. Baseada em timing;
  • Centenas de tipos de peixes, incluindo espécies pré-históricas;
  • Pescadores carismáticos e muito bem desenhados;
  • Fluidez no começo do jogo, pouca sensação de “ficar preso” em uma parte;
  • Trilha sonora agradável e bem ambientada;
  • Ação inesperada para um game de pesca.

Contras

  • Cobrar somente gemas por mais tanques é limitador;
  • Jogar por longos períodos de tempo pode tornar a experiência repetitiva;
  • PvP pouco interessante.
Fishing Strike ㅡ Android/iOS ㅡ Nota: 8,00
Versão utilizada para análise: Android
Revisão: Francisco Camilo

Mestre Pokémon de longa data, salvador de Hyrule em todas as encarnações do herói e ocasionalmente um encanador de bigode grosso.

Comentários

Google
Disqus
Facebook