Vem aí

Prévia: Hitman 2 (Multi) destacará alvos elusivos do Agente 47

Novo título da franquia Hitman aposta na mecânica de contratos exclusivos.

Primeiro jogo da franquia, após a aquisição dos direitos autorais da obra pela IO Interactive, o stealth Hitman 2 (Multi) possui a tarefa de inaugurar uma nova era de contratos do Agente 47 sobre o comando da veterana produtora dinamarquesa.

Caçando sombras

Apresentado em Hitman (Multi), de 2016, a busca do Agente 47 pelo atual vilão deste arco da franquia, Shadow Client, continua em Hitman 2. A sequência foca nos esforços do assassino profissional em identificar e dar um fim ao assassino desconhecido que lidera uma milícia particular contra a organização Providence.

Hitman 2 trabalha com vários enredos, personagens e eventos do jogo anterior, situando o jogador no novo contexto de conspirações e intrigas políticas ao qual o Agente 47 está inserido. O título aprofunda a história e o envolvimento da Providence, mostra mais do vilão e coloca o assassino da Agência frente contratos inéditos enquanto lida com uma ameaça maior.


Fim da série e retomada de alvos especiais

Apesar de inovar na franquia com o sistema episódico do jogo anterior, para Hitman 2, a IO Interactive decidiu extinguir o formato por episódios e lançar o jogo completo desde o início. Tal como ocorria com os títulos prévios a Hitman: Absolution (Multi), de 2012, o novo jogo segue o então formato padrão com todos os contratos do Agente 47 disponíveis.

A mecânica de jogabilidade sandbox de Hitman continua, a sequência traz um gameplay com um grande número de opções e decisões para serem tomadas a fim de dar fim aos alvos estipulados pela Agência. A liberdade em escolher diferentes abordagens de assassinato se mantém como carro-chefe do título.

Aliado a essa liberdade para escolher diversos métodos para cumprir a mesma missão, Hitman 2 também destaca a mecânica inaugurada em Hitman: os alvos alusivos. O sistema de contratos especiais, por tempo limitado e com uma tentativa única, volta com força no novo título, que começa com um contrato cujo alvo é protagonizado pelo ator britânico Sean Bean.


Os alvos elusivos são contratos de assassinato inéditos. Eles não aparecem no mapa ou no modo instinto do Agente 47, apenas poucas pistas sobre esses alvos especiais são disponibilizadas, cabendo ao jogador investigar e identificar a pessoa a ser morta.

Por se tratar de contratos especiais, os alvos elusivos são únicos. Os alvos ficam disponíveis para os jogadores durante uma semana ou menos. Caso a missão falhe, não há novas tentativas e se o jogador perder o prazo para assassinar o alvo elusivo, o contrato desaparece e não há como retomá-lo.

A manutenção e ampliação do sistema de contratos especiais através dos alvos elusivos abre inúmeras possibilidades futuras para Hitman 2. Esse tipo de mecânica é algo sempre em movimento, capaz de trazer novidades periódicas para o título como a inclusão de novos vilões e personagens.


Cooperando nos contratos

Outra grande novidade que faz sua estreia em Hitman 2 é o modo cooperativo online, intitulado Sniper Assassin. Pela primeira vez, a franquia stealth permitirá missões além do modo single player, disponibilizando missões conjuntas entre os jogadores.

O sistema de progressão mantém a evolução do jogador pautada pelo ganho de experiência ou através de desafios. Nessa mecânica, o nível de dificuldade escolhido auxilia na obtenção de pontos extras e, da mesma maneira, o contato com inúmeros métodos e disfarces geram experiência e pontos bônus para evolução do personagem.


Hitman 2 faz grandes mudanças de formato, aperfeiçoa mecânicas de contratos e estreia modos de jogo inéditos, mas promete manter a essência da franquia stealth. Trabalhando na franquia a mais de 15 anos, desde o original Hitman: Codename 47 (PC), de 2000, a IO Interactive é a produtora certa para dar continuidade ao legado do Agente 47.

Hitman 2 — PC/PS4/XBO
Desenvolvedor: IO Interactive
Gênero: Stealth
Lançamento: 13 de novembro de 2018
Expectativa: 5/5

Revisão: Link Beoulve
Karen K. Kremer é mestre jedi em história pela UEPG e game designer pela Universidade Positivo. Viajante do tempo e cinéfila, considera Quantum Break uma obra-prima. Cresceu fazendo Meteoro de Pégasos e jogando videogame. Apaixonada por literatura, ilustração e dinossauros. Diz a lenda que com um bat-sinal no Twitter ou DeviantArt ela aparece.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook