Blast Test

Call of Duty: Black Ops 4 (Multi) - Blackout e a integração da franquia ao gênero battle royale

Uma experiência diferente e positiva para novatos e veteranos.


O gênero battle royale ganhou bastante destaque no último ano, especialmente com Playerunknown’s Battlegrounds (XBO/PC) e Fortnite (Multi). É claro que ninguém quer ficar de fora desse sucesso. Call of Duty: Black Ops 4 (Multi) trará sua versão desse modo neste ano, intitulado Blackout. Com período de testes entre os dias 14 e 17 de setembro, pudemos conferir um pouquinho daquilo que o game trará em sua versão completa, com lançamento marcado para 12 de outubro deste ano.

Sobrevivendo

A premissa é a mesma de PUBG: 88 jogadores são lançados de helicópteros em uma ilha imensa e o objetivo final é ter apenas um sobrevivente. Um círculo vai se fechando e exigindo que os jogadores sigam para regiões específicas do mapa, aumentando ainda mais a tensão e as chances de combates.

Há armas e equipamentos de defesa e explosivos espalhados por todo o mapa, incluindo os famosos Perks, habilidades passivas características da franquia. Saquear itens e se equipar bem é fundamental e exigem bastante exploração dos cenários.



Call of Duty: Black Ops 3 (Multi), introduziu os Operadores e suas habilidades especiais. Em Black Ops 4, além das habilidades, temos equipamentos únicos de cada Operador. Dentro de Blackout, os equipamentos dos Operadores podem ser encontrados como saque, mas são bastante raros. Oferecem bastante vantagem de defesa e ataque e podem ajudar a virar a batalha a favor de quem usá-los.

Adicionando uma pitada a mais do DNA de Call of Duty ao modo, temos a presença da Mistery Box, uma caixa de armas típica do modo Zombies. Um feixe azul ajuda a localizá-la no mapa de Blackout. Guardada por zumbis, a caixa oferece saques valiosos, como armas equipadas com anexos de mira e munição, armaduras e kits médicos. Enfrentá-los exigirá gastar munição já coletada, mas vale a pena se arriscar para ter acesso à caixa.

Sobrevivendo em equipe

É possível jogar solo, em duplas ou em um esquadrão de quatro pessoas. Cada modalidade oferece seus próprios desafios, mas a dinâmica é muito semelhante entre elas. O maior desafio de se jogar acompanhado fica por conta da opção de fogo amigo. A questão aqui não é matar o amigo por acidente, mas ter um membro da equipe decidindo se virar contra o jogador, matando-o propositalmente para saquear seus itens. Fica registrado a importância de se jogar os modos em equipe com amigos ou conhecidos. A chance de frustração e descrença é bem menor.

Durante o período de testes, modos de jogo específicos ficaram disponíveis, oferecendo características únicas em suas configurações, como a presença apenas de submetralhadoras, pistolas e explosivos. Introduzir novas regras e características ao modo battle royale é um dos fatores que poderão distinguir Blackout dos concorrentes, tornando-o uma experiência sempre renovada e dando razão ao jogador para que sempre volte para mais algumas partidas.



A sensação de se estar jogando um Call of Duty é muito forte e algo difícil de explicar. Mas também há uma sensação de novidade no ar, especialmente no que diz respeito aos tiroteios. O tempo exigido para matar pareceu bem mais alto que no modo multiplayer convencional.

Talvez seja a presença dos itens de defesa, mas ainda assim é uma diferença muito bem vinda para o modo. O dinamismo e rapidez característicos das partidas tradicionais de Call of Duty não caberiam tanto aqui. Muito tempo é gasto buscando se equipar e seria frustrante morrer sem ter uma única chance de reação.

Por terra, mar e ar

A semelhança de Blackout com PUBG é inegável, passando também pela estética e paleta de cores neutra e acinzentada. O mapa de Blackout é composto por localidades icônicas de Call of Duty, que já foram mapas de outros jogos da franquia, como Nuketown, Turbine e Firing Range.

No geral, a variedade na composição dos elementos do cenário é boa, com o mapa geral sendo ligado por regiões áridas ou de vegetação de tamanho mediano. Há diversas oportunidades de conflitos a longo, médio e curto alcance. Para quem é fã de carteirinha da série, percorrer cenários icônicos enquanto busca por equipamentos e itens de sobrevivência é uma experiência deveras nostálgica e agradável.

Para facilitar a locomoção pelo mapa, temos a presença de veículos terrestres, aéreos e aquáticos. Havia um certo receio de que a presença de veículos pudesse causar algum tipo de desbalanceamento dentro do jogo, mas isso não ocorre. Estão ali com o simples propósito de oferecer agilidade na hora de explorar. Servem, com toda certeza, como opção de defesa, porém são vulneráveis a tiros de qualquer arma e isso os impossibilita de serem fortalezas ambulantes impenetráveis.



Call of Duty: Black Ops 4 (Multi) ofereceu uma experiência muito positiva com seu modo Blackout. Talvez ele seja parecido demais com outros concorrentes, adicionando pouquíssimas novidades à jogatina em battle royale, mas no fim das contas, é sábio jogar no seguro e, possivelmente, deixar para experimentar quando já estiver se consolidado dentro do gênero.

Revisão: Marília Carvalho
Francisco Camilo é ex-viciado em platinas na família PlayStation e sonha em ser escritor no futuro. Divide suas jogatinas entre jogos de todos os tipos e partidas de Battlefield e Call of Duty.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook