Blast from the Past

Salvando o dia do primeiro tanque bipedal a assolar o mundo: Metal Gear (MSX2)

Em 1987, Kojima publicou o jogo que daria início a uma série de sucesso que, ainda nos dias de hoje, não só continua relevante, mas ainda ... (por Unknown em 07/04/2013, via GameBlast)

Em 1987, Kojima publicou o jogo que daria início a uma série de sucesso que, ainda nos dias de hoje, não só continua relevante, mas ainda usa boa parte das fundações estabelecidas naquele ano. Metal Gear parece ser um bom exemplo de uma franquia bem balanceada, com sequências de qualidade e que agregam valor à franquia. Saiba como essa história de sucesso começou com o seu primeiro jogo para MSX2.

A Inssureição de Outer Heaven

Big Boss
O ano era 1995. O agente secreto da FOXHOUND, Gray Fox, foi enviado para uma missão secreta na África intitulada "Operation Intrude N312", onde devia se infiltrar em Outer Heaven a fim de adquirir informações sobre os planos militares e neutralizar quaisquer ameaças. Porém, pouco depois ele deixa de se comunicar com a base e seu último contato contém apenas a mensagem "Metal Gear...".

Solid Snake, um novato da FOXHOUND, é enviado para resgatar Gray Fox na "Operation Intrude N313" e descobrir o que acontece dentro da base. Sendo comandado por ninguém menos que o lendário Big Boss, Snake invade Outer Heaven de forma similar ao Incidente de Shadow Moses, através de uma inserção aquática.

Lá, ele passa a receber informações importantes dos prisioneiros que ele acaba resgatando, além de entrar em contato com o líder da resistência, Kyle Schneider, que passa a ajudá-lo. Mais a frente, Snake se deixar capturar para que possa encontrar a cela de Gray Fox e resgatá-lo. Seu plano dá certo, mas, ao encontrar Gray Fox, ele é informado sobre a ameaça que Metal Gear representa: um tanque bipedal capaz de se deslocar por qualquer terreno, munido de armas nucleares.

Snake encontra Gray Fox
Determinado a evitar uma crise nuclear, Snake é aconselhado por Gray Fox a encontrar o criador do Metal Gear e único que sabe o segredo para derrotá-lo: Dr. Drago Pettrovich Madnar. Para isso, ele deve prosseguir com a missão e enfrentar vários mercenários e os comandantes de Outer Heaven. Ao finalmente encontrar Dr. Madnar, ele descobre que sua filha, Ellen, estava sendo mantida refém e ele fora obrigado a desenvolver Metal Gear.

Após resgatar Ellen, Dr. Madnar informa que ele deve descer ao centésimo andar e plantar explosivos nos pés em uma ordem específica. Ao finalmente encontrar Metal Gear, ele consegue destruí-lo, mas a sequência de auto-destruição é ativada. Para complicar ainda mais, ele descobre que o líder de Outer Heaven era na verdade Big Boss, que o tinha enviado a fim de prover informações falsas e pegar os governos do mundo de surpresa. Tendo seus planos frustrados, Big Boss e Snake passam a batalhar, com Snake saindo vitorioso.

O primeiro Metal Gear, TX-55
Após fugir de Outer Heaven, a OTAN bombardeia Outer Heaven, matando inúmeros civis e inocentes por conta das explosões nucleares. Big Boss ainda vive, reunindo forças e se preparando para o dia em que terá sua vingança.

As fundações de uma série de sucesso

Já no primeiro jogo, é possível ver várias das fundações que serviriam para os demais jogos. Uma das marcas tradicionais da série, as mensagens por rádio, ajudam o jogador a se situar e conhecer as mecânicas dos jogos, além de contar um pouco da história. Sabendo a frequência, você pode se comunicar com vários membros da FOXHOUND, tendo que descobrir algumas durante o jogo.

Snake? This is Dog... I mean, Big Boss!
Durante sua exploração, você deve explorar a base procurando por itens, armas, keycards para portas, resgatar prisioneiros de guerra, etc. O jogo, apesar de simples, possui uma qualidade gráfica boa para a época e que não deixa a peteca cair. Há vários guardas espalhados que irão entrar em modo de alerta caso você seja visto, com a já tradicional exclamação. Dependendo do nível de alerta, você pode fugir ao mudar de tela (uma exclamação) ou ter que enfrentar todos até não haver mais ninguém na sala (duas exclamações).

Para a época, exigir que você evitasse os inimigos para poder se infiltrar furtivamente era algo inovador. Apesar de os inimigos só enxergarem em linha reta, são mais inteligentes que vários NPCs de jogos atuais (estou olhando para você, Aliens: Colonial Marines). As batalhas contra os chefes são bem diversas e divertidas, exigindo do jogador uma boa dose de estratégia e conhecimento.

Muita ação em poucos bytes
Um dos poucos problemas é que você precisa estar sempre atento às salas, tentando se lembrar por onde já passou e o que já foi feito ou visto. O jogo possui uma boa quantidade de backtracking, exigindo que você pegue um item X e volte uma boa quantidade de telas para dar prosseguimento ao jogo.

A música, apesar de simples, se encaixa bem no contexto, não deixando a desejar. Inclusive uma das músicas, Theme of Tara, acaba tocando no MGS4 brevemente, além de servir como uma das músicas colecionáveis para iPod.


Fim de uma crise, começo de uma série

Apesar de que, para quem jogou os jogos da série Solid, a história do Metal Gear 1 e Metal Gear 2 já ser de conhecimento (foram a base para os novos jogos), ainda é interessante para qualquer fã da série para conhecer como tudo começou. O jogo é simples, mas desafiador até mesmo para os padrões de hoje.
Reimaginação da arte de Metal Gear

E você, já jogou esse clássico? Ele está disponível em Metal Gear Solid 3: Subsistence para PS2 e Metal Gear Solid HD Collection para PS3, Xbox 360 e PSVita.

Revisão: José Carlos Alves
Capa: Diego Migueis

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.