Blast from the Past

Blast from the Past: Splash (Web)

Mônica , a gorducha baixinha mais famosa do Brasil, faz 50 anos hoje e se você acha que a empreitada mais famosa da sua Turma no mundo do... (por Gabriel Toschi em 03/03/2013, via GameBlast)

Mônica, a gorducha baixinha mais famosa do Brasil, faz 50 anos hoje e se você acha que a empreitada mais famosa da sua Turma no mundo dos jogos foi Mônica no Castelo do Dragão pra Master System, os jogos para o falido Zeebo ou aquele jogo social do Chico Bento lançado para o Facebook, você está muito enganado. Sim, existe um jogo da Mônica que você jogou muito e não lembra. Feito no mais puro HTML, disponível até hoje para jogar no site oficial da Turma e que devia ter virado quadrinho a muito tempo: vamos relembrar hoje do Splash!

O tamagotchi da Mônica

Antes de tudo, é bom dizer que esse jogo tem um alto valor sentimental pra mim e pra muitas outras pessoas que passavam o dia inteiro sem nada para fazer quando eram crianças. Nessa época, não tinhamos as mesmas preocupações que hoje. Se algumas vezes os jogos violentos passavam longe por influência dos nossos pais, a ideia era achar algo fofinho, bonitinho e divertido. Sim, a minha primeira opção era o site da Turma da Mônica.

Quem nunca?
Orgulho do papai!
Uma das maiores turminhas dos quadrinhos: histórias, músicas, wallpapers e jogos no site. Tinha outra coisa pra pensar? Havia alguns jogos de pintar, outros de ligar os pontos, mas o sucesso era mesmo um joguinho chamado Splash. Um bichinho virtual em forma de ameba que você devia cuidar para formar uma ameba firme e forte que teria uma profissão. Pode parecer idiota, mas essa versão bem legal do tamagotchi já fez muito sucesso.

Simples, porém objetivo

Splash era um jogo em certa parte complexo, principalmente se pensar que foi feito para crianças. O jogo consistia em cuidar do seu Splash todos os dias dando comida, bebida, carinho e mandando ele estudar (algo que as crianças não faziam naquela época por jogar, paradoxo legal esse). Existia um nível diferente para cada um destes atributos e, de acordo com o desempenho deles, você conseguia um final diferente para seu bichinho.

Qualquer criança se orgulhava ao ver todos os atributos cheios
Além disso, você podia brincar de pedra-papel-tesoura com seu bichinho, conseguindo pontos com isso: ao ganhar a partida, 10 pontos eram creditados; ao perder, 5 eram retirados! E como havia um ranking de pontos por Splash, isto se tornava a parte mais viciante da brincadeira.

Jo-Kem-Po: um clássico, desde sempre


O jogo pensava até nos possíveis castigos (ou viagens, para os mais comportados) que as crianças poderiam sofrer e disponibilizavam a Baba Eletrônica, uma espécie de “pause game” por algumas semanas, onde a criança podia deixar seu bebê lá e voltar depois. Ainda tem a chance de seu Splash ficar sujo e precisar de um bom banho e de ficar doente e precisar de remédio. Chega até ao ponto de diminuir a saúde dele se der remédio fora de hora, acredita?

Muitas horas gastadas nisso para uma boa infância: se você conhece alguma criança pequena que quer se divertir no computador ou um marmanjo que quer relembrar os tempos de moleque, saiba que o Splash ainda está disponível firme e forte no site oficial da Turma da Mônica. Vamos brincar com nosso bichinho virtual?

Revisão: Ramon Oliveira de Souza

Cientista da computação em formação pela USP São Carlos, sempre encontra tempo para falar sobre jogos, tecnologia, viagens no tempo e outras loucuras. Desenvolve jogos, aprecia chocotones, escreve para o Deviante e faz piadas ruins em seu Twitter (pode ser que tenham coisas legais também).

Comentários

Google
Disqus
Facebook