Blast Test

Fortnite (Multi) combina cooperação e rivalidade numa ótima experiência online

O novo game da Epic Games chega para rivalizar com o famoso PUBG, mas com alguns acréscimos interessantes nas mecânicas.

Em março de 2017 chegava ao Steam o jogo Playerunknown's Battlegrounds (PC), um título com um modo de jogo focado no multiplayer online competitivo, em que 100 jogadores eram largados em um território o qual se fecha cada vez mais com o passar do tempo. O objetivo? Sobreviver até o final e ser o grande campeão da partida. Esse formato lembra bastante a obra transmídia Jogos Vorazes e, desde então, o game faz cada vez mais sucesso, se tornando recentemente o jogo com o maior número de jogadores simultâneos no Steam, superando o icônico Dota 2 (PC).

Esse novo gênero de jogo online está começando a atrair cada vez mais novos jogadores. Há algum tempo, o pessoal do Studio Wildcard, responsável por ARK: Survival Evolved (Multi), lançou um spin-off nesse mesmo estilo, chamado ARK: Survival of the Fittest, que não vingou muito bem. Agora, a Epic Games, que trabalhou com a Bluehole Studio no motor gráfico do PUBG, lança sua própria versão do gênero chamado Fortnite (Multi), com mais modos de jogo e uma experiência sandbox que acrescenta bastante para a jogatina online.


Primeiramente, um co-op divertido...

Fortnite, em seu acesso antecipado, contava com apenas um modo de jogo cooperativo no qual os jogadores eram organizados em times num esquema que se assemelha bastante a um tower defense com mecânicas de sandbox. Neste modo de jogo, que lembra bastante uma espécie de campanha cooperativa, os jogadores precisam defender bases, mecanismos e outros artefatos de ordas de zumbis que aparecem de tempos em tempos.

Entre as ondas de inimigos, é preciso coletar recursos no mapa aberto para construir barricadas, paredes, tetos, escadas, armadilhas e muitas outras coisas, sempre com o intuito de atrasar os inimigos ou ajudar os aliados a vencê-los mais rapidamente. A cada missão vencida, novos recursos são adquiridos, bem como NPCs que ajudam na evolução da sua conta. Também são liberadas aos poucos plantas que permitem ao jogador produzir novas armas e construções cada vez mais fortes, bem como outros personagens que ele pode usar durante as partidas, cada um com habilidades diferenciadas.



O modo é bem divertido e pede um trabalho em equipe considerável por parte dos jogadores, mesmo que sem diálogo entre eles, além de um nível de dificuldade que tende a se tornar desafiador, principalmente com o acréscimo paulatino de novos zumbis com habilidades diferentes. Entretanto, o modo pode se tornar monótono em alguns momentos, principalmente em comparação com a sua contraparte que coloca jogadores contra jogadores.

Mas principalmente um PvP sensacional

É em seu modo chamado Battle Royale que Fortnite mostra todo o seu potencial. Neste modo lançado recentemente, até 100 jogadores são colocados em uma ilha com cerca de 8km² com o intuito de matar uns aos outros enquanto o mapa vai obrigando-os a se fecharem em um espaço cada vez mais reduzido. O modo de jogo lembra bastante o já citado Playerunknown's Battlegrounds, mas não é uma mera cópia deste primeiro, pois acrescenta bastante coisa em sua jogabilidade, principalmente no que tange suas mecânicas de sandbox.



Praticamente qualquer coisa do cenário que estiver acima do solo é passível de ser destruída para coleta de recursos ou então para abertura de caminhos. Somado a isso, os jogadores possuem a habilidade de construir do zero estruturas complexas feitas de madeira, tijolos ou metal, bem como também modificar as já existentes, fortalecendo-as, criando aberturas para usos estratégicos ou, então, construindo armadilhas complexas para pegar os mais desavisados.

Essa mecânica de sobrevivência competitiva combinada com sandbox funciona muito bem e torna o jogo muito mais divertido. Além disso, como Fortnite é ambientado numa espécie de futuro fantasioso, alguns mecanismos e até armas são tecnologicamente mais avançados, permitindo uma liberdade criativa maior. A título de exemplo, somente o fato das paredes se construírem sozinhas após o comando do jogador já torna a jogabilidade diferenciada. Combates em que armas e crafting são combinados com proeza se tornam muito criativos e animados também.



Entretanto, ao contrário do modo cooperativo, o modo Battle Royale não possui conteúdo disponível fora das partidas para coleta, subida de nível ou construção. Parte disso, obviamente, é por conta da intenção do modo de jogo, que perpassa pela lógica de que os jogadores são soltos na ilha “com a cara e a coragem” (e uma picareta), todos começando no mesmo nível de jogo. Porém, uma espécie de rank ou histórico de colocações do jogador fora das partidas seria um acréscimo interessante que faz falta em Fortnite.

Visual carismático e estabilidade invejável

Outro aspecto muito agradável de Fortnite é o seu visual. As texturas lembram uma animação da Pixar e seus traços simples permitem que o jogo alcance um arco muito maior de configurações de PC do que os seus concorrentes. Além disso, a otimização do jogo está em um nível bem avançado, sem travamentos gráficos ou uso exacerbado das configurações do PC. Isso torna o jogo bem acessível e muito mais fácil de ser jogado do que os seus dois concorrentes de maior peso.



Em questão de estabilidade dos servidores da Epic Games, não temos o que reclamar. Em alguns momentos o lag é presente no título, mas muito mais por instabilidades da conexão com a internet de quem joga do que por um problema geral ligado ao servidor. Claro que, como o jogo foi testado em um acesso antecipado, o número de jogadores ainda é bem reduzido, mas com seu lançamento poderemos ter mais certeza sobre a estabilidade desses servidores.

E por falar em servidor, outro aspecto interessante que está acontecendo, ao menos no acesso antecipado do jogo, é o fato de que jogadores de PS4, XBO e PC estão jogando juntos. Exatamente isso que você leu, por algum motivo ainda não explicado pelas empresas, a Epic Games conseguiu estabelecer um cross-play entre os grandes rivais do mundo dos games, algo que nem Rocket League (Multi) conseguiu ainda.



Se isso permanecer, somado ao fato do jogo ser distribuído gratuitamente, pode fazer com que Fortnite se torne bastante popular. Mas essa informação ainda não foi confirmada pelas empresas responsáveis pelo jogo ou pelos consoles, o que faz com que essa capacidade seja possivelmente barrada futuramente. Principalmente o pronunciamento da Sony é que vai ditar uma possível decisão sobre o caso, pelo fato de ser a empresa a se mostrar mais relutante com a possibilidade até agora.

Quantidade excelente de conteúdo com suporte

Outro aspecto muito positivo que Fortnite está apresentando é a vastidão de conteúdo que possui. A quantidade de armas, armadilhas e objetos passíveis de serem colecionados ou construídos no jogo já é bem extenso. Isso permite que os jogadores tenham uma liberdade maior do que fazer nas partidas, bem como uma manipulação mais variada do ambiente ao seu redor, construindo e destruindo o cenário da forma que melhor lhe convier.



Junto a isso, temos uma postura muito aberta da empresa, com atualizações constantes para a melhoria do jogo, bem como menus e legendas totalmente em português brasileiro e acesso fácil a recursos como dúvidas e denúncias de feedback, sempre com o intuito de tornar o jogo o melhor possível para aqueles que o jogam. Inclusive, um novo modo de jogo já foi anunciado pela empresa, possibilitando a disputa Royale entre times ao invés de individualmente.

Acima de tudo, uma ótima experiência multiplayer

Seja cross-play ou não, seja competitivo ou cooperativo, seja sozinho ou com os amigos, Fortnite possui uma excelente experiência tanto competitiva como colaborativa online — esse é, sem dúvidas, o seu maior acerto. Jogar Fortnite é divertido e permite que o jogador experiencie desde boas sensações de trabalho em equipe como também a tensão de poder ser acertado, traído ou encontrado por qualquer pessoa de qualquer lado.



Muitos o comparam com o já famoso e bem citado Playerunknown's Battlegrounds e inclusive a desenvolvedora do primeiro game está avaliando possíveis posturas legais a tomar contra a Epic Games. Mas a verdade é que Fortnite não é uma mera cópia de seu “rival”. Além de possuir mecânicas e visuais muito diferenciados de PUBG, Fortnite possui outros modos de jogo e uma abrangência de jogadores muito distinta da proposta do pessoal da Bluehole Studio.

Seja para o bem ou para o mal, Fortnite está disponível gratuitamente para o PS4, XBO e para o PC (através do launcher próprio da Epic Games). Suas mecânicas de sandbox são um acréscimo muito benéfico para este “novo” gênero de sobrevivência competitiva que está surgindo com bastante força na indústria. Vamos ver os próximos passos e esperar somente boas coisas vindas desse lançamento. No mais, quanto mais variedade de títulos de um mesmo gênero, mais ainda o jogador poderá escolher qual lhe agrada mais. 



Revisão: Ana Krishna Peixoto
Gilson Peres é Psicólogo e Mestrando em Comunicação pela UFJF. Está no Blast desde 2014, onde é Redator e Diretor. Começou sua vida gamer bem cedo no NES e hoje divide seu tempo entre games antigos e novos. Pode ser visto por aqui sempre escrevendo algum texto polêmico, instrutivo ou nostálgico. Geralmente é visto em alguma discussão no Facebook ou no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook