Blast Test

Conan Exiles (Multi) melhora a cada dia e tem ótimas mecânicas

O novo jogo da franquia Conan, ainda em desenvolvimento, agrada pelas características de sobrevivência combinadas com RPG.

Desde a abertura do seu acesso antecipado, Conan Exiles (Multi) tem dado o que falar por vários motivos. A nudez totalmente explícita, a capacidade de escolher o tamanho do órgão genital do personagem e os problemas de processamento são algumas das fofocas que fizeram o jogo correr a internet durante os últimos meses, seja para o bem ou para o mal. Agora, com mais algumas boas atualizações, o jogo está finalmente mais polido e, mesmo que ainda com alguns bugs, podemos considerá-lo uma ótima experiência da junção do RPG com o gênero survival.

Exilado no Deserto

A história de Exiles nos coloca na pele de um personagem — criado por nós mesmos — que foi exilado de seu povo por cometer uma lista aleatória de crimes. Largados no deserto para morrer, somos resgatados pelo bárbaro Conan, que prossegue em seu caminho e nos deixa livres para traçarmos o nosso. Aqui, no próprio deserto escaldante, começamos a aventura. A experiência inicial lembra bastante o jogo Ark: Survival Evolved (Multi), principalmente pela capacidade de pegar itens do chão como pedras, galhos e revirar arbustos.



Tal como em Ark, precisamos também prestar atenção na saúde do nosso personagem para além dos meros pontos de vida. Os níveis de sede, fome, temperatura e até a chance de adquirir alguma doença são riscos consideráveis que precisam ser dominados para que a jogatina, de fato, renda. Entretanto, Conan Exiles se distingue bastante de Ark em um aspecto específico: a quantidade de criaturas no mundo.

O mundo de Conan é muito extenso e cheio de coisas para se explorar, mas não chega a ter sequer metade da fauna e flora de Ark. Parte disso é explicado pela desolação onde nos encontramos. Boa parte do território é desértico, com áreas próximas a rios tendo mais vegetação, mas nada muito além disso. Somente nos níveis mais altos conseguimos alcançar os territórios mais fortes, com florestas mais frias e montanhas cobertas de neve.


Um mundo bem interativo

Como citado, o mundo de Conan Exiles é bem extenso e imersivo. Os visuais do jogo são muito agradáveis, mesmo em configurações médias ou baixas, além do seu processamento estar bem mais estável do que o de outros concorrentes, como o próprio Ark. Além disso, a interatividade entre o jogador e mundo é bem complexa e detalhada, de pedras trincando e quebrando com a batida de nossas picaretas a folhas mexendo quando passamos por elas além da capacidade de escalar pedras, que lembra bastante a mecânica inserida em The Legend of Zelda: Breath of the Wild (Wii U/Switch). 

Se Conan Exiles possuía problemas de otimização, estes não existem mais. O jogo recebe atualizações constantes e atualmente está bem mais concreto e complexo do que em suas primeiras versões. Como todo bom jogo de sobrevivência, ferramentas são construídas para se coletar recursos e construir mais mecanismos que te fazem alcançar novos recursos antes impossíveis de serem coletados. Tudo funciona de forma bem coesa, proporcionando ao jogador a sensação de estar, pouco a pouco, dominando aquela vastidão.


Mecânicas de construção e sobrevivência bem didáticas

Um ponto muito positivo do jogo é a forma bem organizada de como os sistemas de construção e de sobrevivência funcionam. Não se engane: Conan Exiles não é um jogo fácil, mesmo se você estiver jogando nos níveis de dificuldade normais. Entretanto, seus sistemas são muito bem explicados, sem enrolação, com textos claros e explícitos. Suas mecânicas de construção são lógicas e bem estruturadas, de modo que, através de dedução, o jogador consiga dominar boa parte das opções que o jogo dá.

A árvore de habilidades, um dos aspectos derivados do gênero RPG do qual o game também bebe, é bem clara e expositiva. Mesmo com uma imensa quantidade de itens a serem construídos, o jogador não se perde entre eles, como ocorre em outros títulos do gênero. Isso acontece por conta da organização dos materiais em grupos de habilidades e também graças a informações instintivas, a exemplo de como quando você coloca o cursor em cima de uma habilidade e todas as que serão desbloqueadas com ela se acendem também.



Essa organização torna a experiência de jogar Conan Exiles muito mais prazerosa. Jogos com sistemas de sandbox em mundo aberto geralmente possuem sistemas complexos que necessitam de horas de tutoriais na internet para que o jogador os domine. Conan ainda tem alguns desses, como o sistema de captura de escravos, mas, ao menos, você demora uma dezena de horas para começar a encontrar tais artifícios não tão óbvios assim na sua jornada.

Exploração pouco incentivada

Isso é um dos pontos que ainda podem ser passíveis de modificação com o passar do tempo, mas Conan Exiles possui muitos pontos chatos em sua exploração. O jogo é repleto de lugares curiosos, como ruínas antigas e cavernas misteriosas entretanto, muitos desses locais somente aguçam nossa curiosidade de longe, visto que quando chegamos perto, não existe absolutamente nada de diferente que nos recompense pela jornada ou pela curiosidade em explorar novos ambientes.



Isso, para um jogo focado em exploração e coleta de recursos, é um tanto problemático. O jogador pode, inclusive, ficar entediado ou desmotivado em explorar as paisagens, principalmente em aventuras solo. Além disso, foi identificado um problema ainda recorrente do jogo fechar sozinho quando muitos elementos do mapa começam a ser carregados ao mesmo tempo (quando o personagem está correndo em linha reta, por exemplo).

Sistema de multiplayer on-line bem sólido

Se em uma coisa Exiles surpreende, é em seus servidores on-line. Muito bem organizado e com várias opções distintas, o jogador pode favoritar os servidores onde mantém um personagem, bem como filtrá-los por região, o que torna o acesso a pings mais baixos muito mais fácil. Jogar on-line torna a experiência muito mais agradável e divertida, seja nos servidores onde os jogadores podem matar uns aos outros, ou naqueles PVE, onde os jogadores são incentivados a se unir para a sobrevivência de todos.



Como o nível de desafio do jogo é considerável, mesmo sem ser tão punitivo, jogar on-line permite que o domínio do mundo e o tempo gasto para alcançar determinadas funções da jogatina sejam bem otimizados. Mesmo assim, desbravar determinadas masmorras e encontrar locais específicos do jogo são ainda são desafios à parte. Seja por conta de elementos do terreno que criam dificuldade, seja por conta das ameaças existentes no local.

O universo de Conan de um jeito interessante

Conan Exiles possui ótimos sistemas, não só de sobrevivência como também de combate, RPG e ação. Mesmo que a exploração ainda não seja tão interessante assim, principalmente no início da jornada, o título já é muito rico e intrigante. A tradução para o português do jogo ainda possui problemas: aparentemente,ela ainda não foi concluída, pois alguns trechos de itens ou de pergaminhos ainda se encontram em inglês, embora aquela que já foi executada esteja com ótima qualidade.



Conan Exiles é um retorno cativante da franquia do rei dos bárbaros. Esperamos que o pessoal da Funcom saiba guiar suas atualizações da melhor forma possível, tornando o jogo ainda melhor. Sua versão final sofreu alguns atrasos, mas está agendada para início de 2018. Tomara que aspectos como os fechamentos repentinos e os problemas com a exploração sejam resolvidos para que, assim, o jogo receba toda a glória que merece.

Revisão: João Pedro Boaventura
Gilson Peres é Psicólogo e Mestrando em Comunicação pela UFJF. Está no Blast desde 2014, onde é Redator e Diretor. Começou sua vida gamer bem cedo no NES e hoje divide seu tempo entre games antigos e novos. Pode ser visto por aqui sempre escrevendo algum texto polêmico, instrutivo ou nostálgico. Geralmente é visto em alguma discussão no Facebook ou no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook