Nolan Bushnell: a trajetória do pai dos videogames do Atari aos celulares

Responsável por popularizar a cultura gamer e percorrer as mais diversas áreas da tecnologia, Bushnell hoje se dedica ao futuro dos jogos eletrônicos no ambiente mobile.



Em qualquer conversa que tenhamos sobre a origem dos videogames, não há como deixar de lado o nome de Nolan Bushnell e sua carreira atrelada à Atari, ícone das desenvolvedoras nos anos 1970 e 1980 e que foi uma das grandes responsáveis pela popularização dos jogos eletrônicos. Se hoje voltamos nossos olhos ao recente retorno da empresa ao mercado de consoles com o anúncio do Ataribox, não é só a nostalgia que percorre o imaginário, mas também toda a trajetória dos videogames até chegarmos aos dias atuais.


E essa trajetória passa diretamente por Nolan Bushnell, já que provavelmente não estaríamos aqui sem o papel desempenhado pelo, então, engenheiro eletricista que se tornou o “pai dos videogames”. Mesmo não tendo originado os consoles como os conhecemos, Bushnell conquistou seu mérito na história por ter semeado a ideia de uma cultura na qual as pessoas estivessem juntas para se divertir com os jogos eletrônicos. No decorrer de sua vida profissional, deparou-se inclusive com situações relacionadas a outros grandes momentos do entretenimento.

De Spacewar! ao nascimento da Atari

A alcunha de “pai dos videogames”, rejeitada por Nolan em diversas entrevistas, não possui seu sentido ao pé da letra, pois ele não foi o criador dos videogames propriamente ditos. Um dos primeiros projetos de jogos eletrônicos foi desenvolvido por estudantes do Massachusetts Institute of Technology (MIT), em 1961, encabeçado por Steve Russell. Tratava-se de Spacewar!, jogo programado num computador do tamanho de uma mesa (o DEC PDP-1) e sem fins lucrativos.

Tudo isso era o DEC PDP-1, computador que rodava Spacewar!, desenvolvido por estudantes do MIT
Outras informações ainda revelam que a primeira menção ao termo videogame remonta a 1947, patenteada no ano seguinte por Thomas T. Goldsmith Jr. e Estle Ray Mann. Nessa época, a tecnologia empregada nos radares –– com dispositivos analógicos que controlavam pontos vetorizados na tela como se fossem mísseis –– fez surgir o conceito de “dispositivo de entretenimento com tubo de raios catódicos”. Além dessa, mais possíveis origens para o termo passam pelo computador NIMROD (1951), o jogo da velha eletrônico OXO (1952) e o Tennis for Two, criado por William Higinbotham em 1958.

Mas o que então torna Bushnell tão importante para a história dos videogames? Justamente o fato de ser um apaixonado por jogos eletrônicos e ter se esforçado ao máximo para popularizar essa cultura. Nascido em 1943 em Ogden, Utah, nos EUA, Nolan Kay Bushnell demonstrava aptidão com aparelhos eletrônicos desde a infância, quando consertava rádios, televisores e máquinas de lavar.

A morte do pai, um contratante de cimento, o fez assumir os compromissos deixados e o preparou para o mundo dos negócios ainda na adolescência. Durante os tempos de faculdade na University of Utah College of Engineering, trabalhava num parque de diversões como encarregado do setor de arcades, que já eram conhecidos desde as primeiras máquinas de pinball e jogos eletromecânicos como Periscope, da Sega (1966).

Nolan sempre foi aficionado por tecnologia e vivia aprofundando sua curiosidade nos mais diversos aparelhos
Todo esse contato com os eletrônicos chamou a atenção de um de seus professores, que o introduziu às recentes pesquisas de computação gráfica desenvolvidas na universidade. Em meio aos estudos, Nolan passava horas e horas nas diversas versões de Spacewar! disponíveis aos estudantes. Sua ideia era levar o jogo de míseros 2Kb para casa e transformá-lo numa versão mais compacta, possibilitando assim o acesso aos jogos eletrônicos para uma audiência maior. A primeira barreira encontrada foi justamente o alto valor dos computadores, que ainda não eram tão populares.

Ao terminar a universidade, fundou, em 1969, a Syzygy em parceria com o amigo Ted Dabney e juntos criaram uma versão mais simplificada de Spacewar! que pudesse rodar num dispositivo específico construído a partir de peças de máquinas de pinball quebradas. Assim nascia Computer Space, o primeiro jogo a base de moedas fabricado em massa para os arcades.

As máquinas de Computer Space, todas coloridas e com visuais futuristas, certamente chamavam atenção
A ideia foi um sucesso instantâneo? Claro que não. Ao vendê-la, em 1971, para o dono da empresa de engenharia Nutting Associates, Bill Nutting, com larga experiência no ramo de máquinas de jogos eletromecânicos, Nolan foi contratado para gerir o projeto de Computer Space, mas que culminou na venda de cerca de 1500 máquinas apenas, um fracasso considerável.

Com a falha em sua primeira investida no ramo dos videogames, Nolan não desistiu e buscou novas formas de tornar os aparelhos mais populares. Enfrentou, primeiramente, um empecilho envolvendo o nome da companhia, já utilizado por outra empresa. Ao rebatizá-la, escolheu uma denominação que viria a se tornar o símbolo dos videogames no futuro próximo: a Atari Inc., fundada em 27 de junho de 1972.



O termo Atari vinha do jogo estratégico de tabuleiro Go, originalmente chinês, mas que era muito popular no Japão e cuja expressão era usada de modo semelhante ao “cheque” no xadrez, quando encurralamos o adversário. O jogo era considerado o favorito de Bushnell.

O sucesso de Pong

Com a nova empresa estabelecida, era hora de contratar funcionários para o desenvolvimento de jogos. O primeiro a ser chamado foi o engenheiro Allan Alcorn. Pouco tempo depois, Nolan teve um desentendimento com Dabney, o que ocasionou a saída do sócio.

A ideia que originou o primeiro grande sucesso da Atari, o jogo de tênis de mesa Pong, na verdade não foi tão original quanto se pensa. Durante o evento de demonstração do primeiro console doméstico da história, o Magnavox Odyssey (1972), Nolan estava entre os convidados e observou de perto o conceito trabalhado em Table Tennis. Ao voltar à Atari, orientou Alcorn a desenvolver um jogo semelhante e que utilizasse o sistema de moedas dos arcades.

Pong explodiu em vendas e tornou-se o primeiro grande sucesso da Atari, popularizando de vez a cultura dos jogos eletrônicos
Alcorn fez o que Nolan pediu e incluiu ainda a mecânica de aceleração da bola de ping-pong de acordo com o tempo de jogo. Em novembro de 1972, Pong era oficialmente lançado, garantindo sucesso absoluto no mercado de arcades, com inúmeras versões produzidas nos anos seguintes. Tamanha repercussão chamou a atenção da Magnavox, que entrou com uma ação na justiça alegando plágio em relação ao conceito de Table Tennis. Foi o primeiro processo judicial da história envolvendo videogames.

O acordo rendeu o pagamento de 700 mil dólares à Magnavox, além dos direitos sobre os produtos da Atari durante um ano. Isso gerou o atraso proposital de Bushnell para o lançamento de novos jogos, bem como a omissão de informações quando a Atari recebia a visita de representantes da Magnavox.

Que legal as pessoas jogando Pong. Errado! Esse era o Table Tennis do Magnavox Odyssey. Qualquer semelhança é mera coincidência

O Atari 2600 e a saída de Bushnell

Um fato curioso é que, em 1976, Nolan recebeu a visita de um de seus funcionários, ninguém menos que Steve Jobs, o fundador da Apple. Naquela época, o jovem programador buscava investidores para a criação de sua empresa e ofereceu um terço da companhia caso Nolan concordasse em injetar 50 mil dólares no negócio. Em entrevistas posteriores, o fundador da Atari disse que “foi esperto ao dizer não”, e que “era meio engraçado pensar naquilo quando não estava chorando”. A história é retratada no livro Steve Jobs, lançado em 2011.

Em 1976, a Atari estava focada no mercado de arcades e desenvolvia seu protótipo de console doméstico para alcançar um público maior. Contudo, Nolan não possuía em mãos o dinheiro necessário para finalizar o projeto. As circunstâncias vieram de encontro às pretensões de outra gigante do entretenimento, a Warner Communications, que demonstrava grande interesse no setor de videogames. Nolan fechou o acordo e vendeu a Atari por 28 milhões de dólares, conseguindo assim os recursos para o lançamento do Atari VCS (Video Computer System), que viria a se tornar o nosso querido Atari 2600, lançado em 1977.

As caixas dos videogames e suas artes incríveis. Essa era a do Atari 2600 quando lançado em 1977
O Atari 2600 tornou-se um ícone e popularizou a cultura gamer a proporções nunca antes vistas. Vários foram os jogos que imortalizaram o console e sua nostalgia, como Enduro, Pitfall, River Raid, Pac-Man, Space Invaders, Keystone Kapers e muitos outros. O grande sonho de Nolan, enfim, se tornava realidade, mas o fundador da Atari nunca viu de perto o crescimento da companhia.

O console levou alguns anos para alcançar bons números de venda e a cobertura dos prejuízos iniciais ficou por conta da Warner Communications, cujas discussões culminaram na saída de Bushnell. Apenas em 1979 o Atari 2600 decolou de vez e tornou-se o presente de natal mais vendido do ano.

Enquanto a Atari Inc. multiplicava seus lucros no mercado, Nolan voltou suas atenções a outro negócio que havia adquirido há pouco tempo: o Chuck E. Cheese’s Pizza Time Theatre, espaço voltado para alimentação e entretenimento, que em 1981 mudou para um restaurante executivo. Ao mesmo tempo, investia na companhia Sente Technologies, voltada ao mercado de máquinas de jogos operadas por moedas; e na Kadabrascope, direcionada à criação de animações em computação gráfica. Esta última foi vendida à Lucasfilm, que futuramente mudou seu nome para um dos estúdios de animação mais conhecidos atualmente: a Pixar Animation Studios.


O Chuck E. Cheese era um espaço que oferecia praça de alimentação, e claro, jogos eletrônicos para as crianças

Depois de 1983

Assim como a Atari passou por sérios problemas financeiros com o famoso crash de 1983, Nolan Bushnell também enfrentou dificuldades naquele ano. O Chuck E. Cheese não tinha mais dinheiro para custear as atividades já consideradas “mais do mesmo” em relação à forte concorrência. Demitiu-se em 1984, mesmo ano em que a empresa declarou falência e foi adquirida pela rede ShowBiz Pizza Place.

Mesmo longe da Atari, Nolan ainda queria focar seu trabalho nos videogames e para isso fundou a Catalyst Technologies, dividida em quatro companhias: Androbot, Etak, Cumma e Axlon. Esta última chegou a produzir jogos para o Atari 2600 como forma de renovar a biblioteca do console após a forte queda nas vendas. Já a Etak, criada em 1984, foi uma das primeiras empresas a desenvolver sistemas de mapas digitais, tornando-se a base para o hoje popular Google Maps.

No início dos anos 1980, a Androbot lançou no mercado a linha de robôs pessoais Topo, desenvolvidos para auxiliar em pequenas tarefas domésticas
Nos anos 1990, outras investidas no mercado fizeram com que Nolan assumisse o cargo de consultor sênior na Aristo International, posteriormente denominada PlayNet, que dedicou-se à criação de versões de Urban Strike (Multi) e Jungle Strike (Multi) com suporte online, além de dispositivos com tela touchscreen. Na virada do século, Nolan fundou a uWink, outra proposta de oferecer espaços de alimentação e entretenimento com o uso de dispositivos avançados, como a própria tela de toque. A ideia não vingou e até 2008 as filiais estavam fechadas.

A chegada ao mercado mobile

Nolan Bushnell chegou a assumir, em 2010, uma das cadeiras dos membros diretores da Atari SA, adquirida em 2001 pela Infogrames Entertainment, mas ficou por pouco tempo. Em entrevista ao jornal The Guardian concedida em 2016, ele afirmou que a venda da Atari Inc. à Warner foi um erro e, caso não precisasse da ajuda financeira para lançar o Atari 2600 no mercado, sua pretensão seria tornar a companhia pública.

Que rumos a história dos videogames teria tomado se Nolan não tivesse deixado a Atari?
Seus investimentos nos últimos anos passaram pela fundação da Modal VR, dedicada ao desenvolvimento da tecnologia de realidade virtual em dispositivos portáteis. Também faz parte atualmente da Anti-Aging Games, empresa focada em jogos que auxiliam nos processos de memória, foco e concentração. Outra companhia que investe pesado em conteúdos educacionais é a BrainRush, fundada por Nolan em 2012.

Ao todo, o fundador da Atari já passou por mais de 20 companhias de tecnologia, adquirindo grande experiência tanto no desenvolvimento de games quanto na criação de ambientes e dispositivos que facilitem o entretenimento, acessibilidade e o desempenho educacional. Sua vida dedicada às inovações tecnológicas lhe rendeu premiações no Video Game Hall of Fame e no Consumer Electronics Association Hall of Fame, bem como o prêmio BAFTA Fellowship. A revista Newsweek também o listou como um dos 50 homens que mudaram a América.

Nolan durante a premiação do British Academy Video Games Awards, em 2009
A sabedoria do pai dos videogames o fez embarcar em sua mais nova jornada a partir de 2016, desta vez no mercado de jogos para celular através de uma parceria com a Spil Games. Na visão de Bushnell, a maneira como os jogos mobile são desenvolvidos atualmente é muito semelhante ao que os arcades representavam nos anos 1970 e 1980. Uma expressão que ficou famosa na época, a “Lei de Bushnell”, vai de encontro ao novo mercado, que desenvolve títulos fáceis de jogar, mas difíceis de dominar.

A Spil Games soube lidar muito bem com as referências ao fechar sua parceria com Bushnell
Contudo, uma crítica crucial feita por Nolan é em relação a falta de estruturas de design criativas nos jogos para celular. Na entrevista ao jornal britânico, ele ainda afirmou que existem muitos jogos mobile que carecem desse elemento fundamental, justamente numa época em que os avanços tecnológicos oferecem inúmeras possibilidades.

“Há o efeito de rede, que eu sempre quis usar nos tempos do Atari, mas nunca tivemos essas ferramentas. Eu acredito que exista uma viralidade no modo player vs player, principalmente se você o desenvolver assincronamente, e isso é muito poderoso”, disse ele ao jornal sobre o potencial dos jogos sociais competitivos.

Além de atuar como produtor e designer na Spil Games, Nolan também serve de conselheiro, oferecendo dicas sobre o que foi tirado de bom e ruim em sua trajetória. Seu contrato prevê o desenvolvimento de três novos títulos, ainda sem nome ou data de lançamento.

Estamos ansiosos para saber como Nolan pretende utilizar as novas tecnologias em seus projetos de jogos para o mercado mobile
Hoje com 74 anos, Bushnell é um exemplo de profissional que dedicou uma vida inteira a buscar novas maneiras de levar os videogames ao maior público possível, além ter sido determinante para os rumos que a indústria dos jogos eletrônicos tomou ao longo de sua história. O melhor disso tudo é que nós, brasileiros, teremos a chance de vê-lo de perto na Brasil Game Show, que o receberá na edição deste ano em todos os dias da feira. Uma oportunidade de ouro!

E você, leitor, tem algo a dizer sobre a vida e trajetória de Nolan Bushnell na história dos videogames? Não deixe de comentar.

Revisão: Ana Krishna Peixoto
Renan Rossi escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook