Jogamos

Análise: Heavenstrike Rivals (PC/Mobile) é um card game simples e divertido

Jogo da Square Enix traz personagens famosos em batalhas emocionantes.


Há cerca de 18 anos, quando eu era um mero adolescente, um dos meus hobbies favoritos era jogar card games, mais especificamente Magic: The Gathering, o mais popular e o único que havia alcançado o interior paulista.


Quando percebi o quanto estava investindo para ser um bom jogador e que esse alto custo estava me privando de outras “atividades nerds”, como RPG de mesa e até mesmo videogames, resolvi parar e vender toda a minha coleção. Desde então, nunca mais tinha me aventurado em jogos desse gênero. Bem, pelo menos não até me deparar com Heavenstrike Rivals (PC/Mobile).

Este novo jogo é um free-to-play desenvolvido pela Mediatonic e distribuído pela famosa Square Enix que mistura card game e estratégia por turnos. Ele foi lançado originalmente para Android e iOS, e recentemente também chegou ao PC. Seu grande destaque é a presença de boa parte dos personagens dos jogos e animes da própria distribuidora, como Final Fantasy e Fullmetal Alchemist, entre muitos outros, totalizando atualmente mais de 700 figuras, cada uma delas representando um dos personagens.

O reino do céu

“Há muito tempo, uma terra dependurava-se entre as nuvens suspensa por correntes monolíticas: Lunnain. O país era vigiado por um guardião, uma existência sagrada que residia no topo das correntes.

A cada 100 anos, as sete irmãs divinas despertavam para escolher um novo guardião, e sob seu cuidado, Lunnain prosperou por 600 anos, tornando-se uma movimentada metrópole industrial.

E assim foi, até que o destino chegou: monstros impiedosos que pareciam saídos de pesadelos começaram a atacar as correntes diariamente.

Sobrepujado, o exército de Lunnain não teve outra escolha senão retirar-se e focar na defesa de pontos estratégicos, e assim a cidade foi dividida em duas: o céu seguro e os desprotegidos esquecidos.

Punidos pela sua divindade e abandonados pelo seu governo, os esquecidos lutam para sobreviver a cada dia. Suas vidas, sua cidade, meras sombras do passado.

É na adversidade que nascem os heróis, e aquele que moldará o destino desta terra amaldiçoada está para surgir”.

Em suma, Lunnain era um reino flutuante que transbordava prosperidade até sofrer um ataque de monstros cruéis, cujo único objetivo é a sua completa destruição. A população não se conformou com esse destino e resolveu revidar.

A nostalgia dos board games

O game possui uma bela arte feita à mão, cujo visual lembra muito os atuais jogos do gênero visual novel, de modo que não há de fato animações, mas uma transição de imagens levemente animadas com pequenos movimentos.

Apesar de o próprio jogo incentivar que você associe seus personagens às cartas, não tem como negar a influência e semelhança das figuras com o board game Heroclix.

Heroclix é um jogo de miniaturas colecionáveis que utiliza um sistema chamado Clix. Do mesmo modo que HSR, ele é composto de vários personagens famosos, principalmente os heróis do universo da Marvel e DC Comics. Seu objetivo é que cada jogador construa uma equipe com estas figuras e partam para um confronto por turnos em um tabuleiro ou cenário quadriculado. 

Escolha seus rivais

As regras são fáceis e rápidas de serem compreendidas. Cada jogador deve montar uma equipe com 15 personagens; não há magias, encantamentos, artefatos ou qualquer outro tipo de carta, o que torna o jogo muito mais simples quando comparado a outros card games, como as versões eletrônicas de Magic: The Gathering.

Existem seis classes diferentes de personagem: Fighter, Scout, Defender, Mage Gunner e Priest. Cada um dos personagens possui uma habilidade padrão referente à sua classe e outra única. Aliado a isso, cada figura tem um determinado custo e movimentação. Não há muito mais o que se aprender para começar a batalhar.

Outro diferencial é a presença de vários modos e desafios distintos que permitem que você progrida e adquira novas figuras sem necessariamente ter que entrar em batalhas no modo PvP.

Para começar, Heavenstrike Rivals possui um modo história, que não é meramente ilustrativo, rendendo pelo menos 20 horas de jogatina. Este modo ajuda a memorização das regras e a conhecer boa parte dos personagens, além de premiar tanto com figuras como com moedas.

Há também desafios diários e semanais, nos quais você pode adquirir itens e personagens raros que dificilmente poderiam ser adquiridos de outra maneira. Nesse modo, você geralmente pode escolher o nível de dificuldade, de modo que quanto maior a dificuldade, melhor a recompensa, o que torna o desafio interessante tanto como para os novatos como os mais experientes.

Infelizmente, não há um modo exclusivamente cooperativo. Porém, recentemente, HSR trouxe alguns desafios coop, nos quais você se alia a um amigo ou outro jogador aleatório e confronta um inimigo poderoso controlado pelo computador, concorrendo a valiosos prêmios.

Ele é um dos poucos jogos free-to-play que honra o significado do termo “free” (grátis), pois não é obrigatório investir qualquer quantia de dinheiro real para progredir e, principalmente, para se divertir. No início, o jogo possui quatro tipos diferentes de moeda. Todas elas podem ser adquiridas dentro do jogo, inclusive no modo história, com exceção dos Shields, que só podem ser adquiridos através de PvP ou compra com dinheiro real.

Heavenstrike Rivals é um game cross-plataform (PC-Android-iOS), pois, além de poder jogar com usuários de plataformas diferentes, você também mantém todos os seus personagens, seu progresso, enfim, todos os dados da sua conta, jogando no mobile ou no PC.

Um card game quase perfeito

No geral, Heavenstrike Rivals é balanceado, elemento importantíssimo no que se refere a jogos competitivos. Entretanto, a última grande atualização, cujo grande destaque foram os personagens do mangá e anime Fullmetal Alchemist, trouxe desequilíbrio às jogatinas, contendo algumas das cartas mais poderosas de todo o jogo. A Mediatonic já está ciente deste inconveniente e promete resolvê-lo o mais breve possível.

Atualmente, HSR está livre de problemas, mas é normal que um jogo possua bugs e erros, principalmente na véspera de lançamento ou quando ele é implementado em uma nova plataforma. Foi o que ocorreu no lançamento na Steam, quando o servidor apresentou algumas instabilidades, prejudicando alguns jogadores. O Team HSR rapidamente veio a público e tratou não somente de se desculpar como também presenteou todos os jogadores com cinco cristais, o que pode ser considerado um bom valor dentro do game, o suficiente para comprar um novo personagem, por exemplo. Uma atitude justa e madura que serve de exemplo às demais desenvolvedoras.

Heavenstrike Rivals é tão prazeroso e acessível que me fez retornar de vez ao gênero card game, e eu com certeza não fui o único. Seu sucesso se deve ao fato de ele atender a todo o tipo de público, desde aqueles que preferem o modo história até os jogadores mais competitivos que passam horas e horas tentando alcançar a melhor colocação no ranking. Seu sistema é simples e rápido de aprender. É claro que é preciso ter um mínimo de atração por card games e estratégia para poder apreciá-lo.

Prós

  • Presença dos personagens da Square Enix;
  • Regras simples e fáceis de compreender;
  • Distintos modos de jogo;
  • Não é necessário gastar dinheiro para progredir. 

Contras

  • Instabilidade do servidor (versão PC);
  • Desbalanceamento temporário.
Heavenstrike Rivals — PC/Mobile — Nota 7.0
Versão utilizada para análise: PC
Revisão: Henrique Minatogawa
Capa: Peter Barros
Manoel Siqueira Silva é formado em Análise de Sistema e Filosofia pela UFSCar. Aprecia games de todos os gêneros, mas confessa ter uma queda por RPG e jogos de mundo aberto. Está sempre em busca de games de qualidade que foram subestimados ou são desconhecidos. Este ser pode ser encontrado no Twitter e no Facebook.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais