Jogamos

Análise: Naruto Shippuden: Ultimate Ninja Storm 4 (Multi) é uma explosão de batalhas

Embarque em uma tempestade de golpes e emoções envoltos por uma bela história, mas que tropeça ao longo de um tortuoso caminho.


Se há um gênero em que a Namco Bandai é mestre no mundo dos games, esse é o de ação, presente nos títulos baseados nos mais famosos animes. A série Naruto Shippuden: Ultimate Ninja Storm está aí para confirmar esse fato. Qual seria a melhor forma de contar a história desse ninja cheio de determinação e de seus amigos se não fosse através da luta? Vamos descobrir se esse novo capítulo dessa franquia consegue capturar a emoção das aventuras de Naruto, Sasuke e Sakura e inovar ao mesmo tempo.

Uma guerra ninja sem fim

Antes de começarmos a falar sobre os vários modos que o game oferece para o jogador explorar, vamos dar uma olhada no prato principal: a história. Todos os capítulos são compostos por longas cutscenes que apresentam o pano de fundo da trama e preparam o campo de combate. O jogador pode pular essas sequências da história, mas elas são ótimas para aqueles jogadores que, assim como eu, não têm paciência ou tempo para acompanhar o anime e querem saber mais sobre o enredo de uma forma resumida. Por outro lado, os fãs que já sabem de tudo, de trás para frente, podem se sentir incomodados em ter que esperar tanto para poder lutar.
Sakura, Naruto e Sasuke estão prontos para lutarem juntos novamente.

Mas, essa questão não envolve apenas o tempo de duração dessas cutscenes, mas também a qualidade delas. O que poderíamos esperar do jogo é que ele utilizasse a sua própria animação gráfica existente nos combates para, então, criar as cenas da história. Porém, a maioria das cutscenes são apenas colagens de imagens do anime, o que passa a sensação de que você está lendo um mangá. Isso pode desanimar um pouco o jogador, esgotando a sua paciência ao obrigá-lo a aguardar pelo início do combate. Os únicos momentos em que as cutscenes animadas graficamente se tornam verdadeiramente épicas são na introdução e nos últimos capítulos do jogo, onde as lutas tomam proporções maiores e, felizmente, os desenvolvedores perceberam que apenas jogar imagens na tela não transmitiria o verdadeiro espírito da série.
A história e luta eterna entre Madara e Hashirama é uma das tramas mais fortes da série.

Outro problema relacionado às cutscenes, que pode incomodar muito os jogadores mais atentos, é a sincronização entre os lábios e as falas dos personagens. Eu joguei o game em inglês mas, pelas opiniões de outros jogadores, percebe-se que isso ocorre em outras línguas também. Em compensação, a dublagem em inglês é de ótima qualidade e dá o tom certo aos momentos mais dramáticos da história. Além disso, mesmo que você fique sempre atento aos movimentos do seu oponente durante o combate, preste um pouco de atenção às falas dos combatentes, elas revelam muito mais do que se pode imaginar.
As cutscenes podem ser longas, mas as sequências de golpes especiais são épicas!

Desperte seu Sharingan!

Todo game da série traz uma inovação, e o grande trunfo por trás de Naruto Shippuden: Ultimate Ninja Storm 4 fica por conta da mecânica dos combates, em que três personagens podem se alternar entre si durante o confronto. A forma de utilizar estes personagens é muito simples, mas no calor da batalha é sempre bom pensar em uma estratégia. Quando se está no modo de combate livre, é possível ficar um bom tempo na tela de seleção de personagens escolhendo o seu time. Afinal, diferentes membros criarão diferentes combos e a quantidade de danos que eles provocam varia muito.
Poder contar com outros personagens para lhe auxiliar em um combate é a melhor das adições do game.

Por mais que os níveis mais avançados em qualquer modo de combate do game ofereçam lutadores que provoquem danos mais elevados, o que realmente irrita durante as lutas é a Inteligência Artificial pobre utilizada para controlar os oponentes. Isso não quer dizer que os inimigos não consigam se defender ou que eles apenas ficam parados tornando os combates fáceis. O problema está na previsibilidade de seus movimentos. A mecânica parece tão simplória que a impressão que fica é a de que os personagens apenas calculam onde você irá atacar e desviam para o lado oposto. Não existem surpresas.
A IA é muito previsível, mas não quer dizer que ela não irá te dar trabalho.

O modo multiplayer do game é bom e, ao mesmo tempo, ruim. Enquanto a variedade de personagens impressiona (são 61 opções de lutadores, além de vários jutsus e combinações de ataques), a dificuldade em se conseguir uma partida online estável é irritante. O lag é outro problema que limita o desempenho dos combates e faz com que o jogador desista depois de falhar mais de uma vez na execução daquele golpe especial, só porque a tela congelou e o inimigo pulou para longe por conta  da diferença de quadros de exibição.
Encontrar uma partida multiplayer que não sofresse com problemas de conexão foi complicado.

Quase um Shinobi

Naruto Shippuden: Ultimate Ninja Storm 4 é o próximo passo que poderíamos esperar da franquia do nosso ninja preferido, mas não é o melhor deles. Seu mérito é ter reunido tudo o que há de bom dos games anteriores da série (atendendo aos pedidos dos fãs), criando essa nova mecânica dos combates em equipe. Apesar da frustração de possuir um modo história com cutscenes longas e uma animação reciclada diretamente do anime, ela é compensada com diversos modos de combate que irão entreter o jogador por várias horas jogando sozinho ou com outros competidores. É como um jutsu bem executado que atinge em cheio o inimigo, mas não consegue provocar um critical hit.
Podem não ser as melhores batalhas, mas em grupo tudo fica melhor.

Prós

  • Lutas com três personagens ao mesmo tempo;
  • Belas animações dos golpes;
  • Grande variedade de lutadores.

Contras

  • IA mal implementada;
  • Cutscenes longas e mal-feitas;
  • Problemas de conexão.
Naruto Shippuden: Ultimate Ninja Storm 4 - Multi - Nota: 7.0
Versão utilizada para análise: PS4
Revisor: Érika Honda
Capa: João Leal
Luís Antônio Costa é graudado em Ciência da Computação pela UFRGS. Apaixonado por games desde que ganhou seu primeiro Master System e conheceu Sonic, também é amante da ciência e um devorador de livros. Além do GameBlast, também faz alguns textos para o Medium e pode ser encontrado no Facebook e Twitter.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais