Vem aí

Prévia: Far Cry Primal (Multi) e a árdua tarefa de sobreviver no período Mesolítico

Novo spin-off da série traz uma ambientação pouco explorada nos games e promete dar novos ares à franquia.



Já faz pouco mais de um ano desde que Far Cry 4 (Multi) foi lançado e todos nós já esperávamos que, cedo ou tarde, um novo título da franquia seria anunciado. Afinal, a Ubisoft ficou conhecida (e também foi bastante criticada) por lançar diversas sequências de suas séries mais famosas em pouco tempo, como aconteceu com Assassin's Creed. Mesmo assim, a empresa conseguiu surpreender a todos com a revelação de Far Cry Primal (Multi), um spin-off da série que se passará no período Mesolítico, dez mil anos a.C. A ideia de termos um Far Cry ambientado numa época tão distante parece incrível e, ao mesmo tempo, difícil de imaginar. Será que o jogo conseguirá inovar enquanto mantém a qualidade da franquia?

Sobreviva à Oros

O game se passará na terra de Oros, lugar que surgiu a partir do derretimento de uma antiga geleira durante o fim da Era do Gelo. Consequentemente, Oros tornou-se uma terra fértil, com grande variedade de ecossistemas e habitada por muitos animais, feras gigantes e tribos. É neste ambiente que você fará o papel de Takkar, um caçador experiente e último sobrevivente de seu grupo, que precisará lutar pela sua sobrevivência em uma época em que os humanos não estavam no topo da cadeia alimentar e eram presas fáceis de diversas espécies de animais, como tigres dentes-de-sabre. E esta missão não será nada fácil: segundo Jean-Sebastien Decant, diretor narrativo do game, você estará em um lugar desconhecido, onde tanto animais quanto humanos podem representar os mesmos perigos.

Bem-vindo à Idade da Pedra

A história e a ambientação são os principais pontos que vêm chamando a atenção no título. E não é para menos: afinal, quantos jogos você conhece que se passam na Idade da Pedra? Representar elementos deste período em um jogo, principalmente da franquia Far Cry, parece uma tarefa bastante difícil, mas a equipe responsável pelo game promete ser bastante fiel à época retratada. Por isso, esqueça das armas de fogo, granadas, torres de rádio e veículos: em Primal, tudo isso será substituído por elementos bastante abstratos, dificultando ainda mais a sua tarefa de sobreviver sozinho no mundo.



As armas, por exemplo, estarão limitadas a lanças, arcos e flechas e lâminas. E não pense que, assim como nos jogos anteriores, você poderá comprar ferramentas em uma loja; lembre-se, estamos na Idade da Pedra, época em que o homem construía suas próprias armas a partir de ossos e rochas. E isso é justamente o que você fará aqui. Essa ideia parece bastante limitada à primeira vista, mas a boa notícia é que a Ubisoft prometeu entregar aos jogadores diversas possibilidades de customização: conforme você progride no game, Takkar ganhará habilidade e recursos para construir armas cada vez mais complexas e poderosas.

Já as famosas torres de rádio, que facilitavam nossas vidas servindo como modo de viajar rapidamente a diferentes pontos do mapa, não estarão presentes em Primal por razões óbvias. Mas não há motivos para preocupações: no lugar delas, teremos fogueiras que cumprirão o mesmo papel. Elas serão protegidas por inimigos, e só serão liberadas depois que o jogador derrotar todos que estiverem ao seu redor.

Infelizmente, a forma que a equipe encontrou para substituir os veículos dos games anteriores ainda não foi totalmente esclarecida, mas já sabemos de algo que é suficiente para nos deixar empolgados: os animais também poderão ser utilizados como montaria, inclusive dando ao jogador a chance de destruir vários oponentes enquanto percorre Oros.

Temos que domar todos

Enfrentar seus adversários, aliás, será uma das atividades mais interessantes e divertidas do game. Quem experimentou os Far Cry anteriores sabe que o jogador precisava combater pessoas e animais utilizando somente armas. Mas e se eu te dissesse que, em Primal, alguns animais poderão ser seus aliados? Esse é o conceito por trás do Beast Master, um novo sistema que permite ao jogador domar os predadores ferozes que encontrar e utilizá-los a seu favor para atacar seus oponentes, coletar recursos e explorar regiões.

Conforme progride no jogo, você adquire habilidades para dominar até 17 espécies diferentes de animais, como caninos (cães e lobos), felinos (jaguar, panteras e tigres), entre outras, sendo que cada uma delas possui uma habilidade específica: um urso, por exemplo, pode nadar e atacar os inimigos, enquanto que o lobo pode te alertar sobre perigos que estejam por perto.


A mecânica que envolve essa domesticação é bastante simples, mas administrá-la pode ser mais difícil do que parece. Ao encontrar um predador no mapa, você deve usar iscas para distraí-lo e, assim, conseguir se aproximar dele sem ser atacado. Uma vez dominado, o bicho pode ser curado ou revivido em qualquer ocasião, desde que você possua certos recursos (que são relativamente difíceis de serem conquistados, diga-se de passagem).

Outro detalhe importante é que os animais poderão ser convocados a qualquer momento do jogo, mas somente uma espécie de cada vez poderá ser utilizada. Portanto, saber como administrar recursos e qual o momento certo de agir é essencial para sobreviver em Oros. "Nós trabalhamos para ter a certeza de que a mecânica de domar animais seja fácil e rápida. O objetivo não é criar uma mecânica difícil, pois a dificuldade real está na habilidade do jogador de conseguir domesticar todos os animais” — disse o diretor de criação do game, Maxime Béland, à imprensa americana.

E quem sofria com as irritantes águias em Far Cry 4 vai gostar de saber que finalmente teremos a oportunidade de fazer os nossos inimigos sentirem na pele o que nós sentíamos quando éramos atacados por elas. Em Primal, Takkar pode convocar uma coruja a qualquer momento para ter uma visão aérea do ambiente e, com isso, criar estratégias e ter uma boa vantagem sobre os adversários. Será possível, por exemplo, localizar mais facilmente uma fogueira, marcar os inimigos que estiverem por perto e atacá-los utilizando os voos rasantes da coruja.

Convenhamos: utilizar o Beast Master durante toda a aventura parece bastante tentador, já que ter animais ferozes lutando ao seu lado parece bem mais fácil e divertido do que usar as armas convencionais. Porém, a equipe deixou claro que esse sistema não foi criado com a intenção de ser a única ferramenta que o jogador vai utilizar. "Nós tivemos o cuidado de fazer com que essas feras sejam eficientes e flexíveis, mas, ao mesmo tempo, que não sejam vistas como o único modo de se vencer no jogo" — disse Thomas Simon, diretor do game. "Elementos stealth e armas de longo alcance também poderão ser usadas, garantindo ao jogador uma maior variedade de opções".

Um legítimo Far Cry

Não se engane: apesar de Primal ser um spin-off da série (assim como Far Cry 3: Blood Dragon), a Ubisoft está se esforçando para que o jogo tenha o mesmo tamanho, complexidade e diversão que um jogo principal da franquia apresenta. O diretor Maxime Béland definiu Primal como “o próximo Far Cry”, pois o título terá um single player tão grande e extenso quanto o quarto jogo da franquia, além de missões extras que prolongarão sua duração.

Isso também será possível graças à ausência do modo multiplayer, permitindo à equipe se dedicar exclusivamente ao modo principal do game. “Essa foi uma decisão difícil, mas que foi tomada logo no início do desenvolvimento do jogo” — declarou Jason Paradise, gestor de comunidade da Ubisoft. “Dar vida à Idade da Pedra e dar aos jogadores uma experiência de jogo forte, baseada no legado Far Cry, significou reinventar o nosso ciclo do gameplay principal. Não foi uma tarefa fácil. O nosso foco era entregar uma fantástica experiência, o que ditou prioridades claras para a equipe.”

Pelo que foi demonstrado, Far Cry Primal tenta provar que é possível criar um spin-off de uma franquia consagrada sem cair na mesmice, aproveitando vários dos elementos que tornaram a série famosa e adicionando mecânicas que não são muito comuns em outros jogos atuais: caçar seu próprio alimento, dominar o fogo e enfrentar tribos e predadores. "O mundo está mais denso do que nunca na série, porque pudemos intensificar a relação entre predador e presa, criando sistemas de gameplay muito interessantes" — Maxime Béland afirmou, durante uma entrevista. Estamos ansiosos para conferir como esses sistemas nos ajudarão a sobreviver na magnífica e perigosa Oros.
Far Cry Primal — PC, PS4, XBO
Desenvolvimento: Ubisoft Montreal
Gênero: FPS / Mundo Aberto
Lançamento: 23 de fevereiro de 2016
Expectativa: 4/5
Revisão: Vitor Tibério
Capa: Diego Migueis 
July Dourado é aspirante a jornalista e redatora no GameBlast. Sua paixão por games começou com o Nintendo 64 e só tem crescido desde então. Além dos games, também é viciada em séries de TV e gatos.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais