Blast Test

Call of Duty: Black Ops 4 (Multi) — pequenas tentativas de inovação

A versão beta do novo capítulo na franquia tem a mesma qualidade dos anteriores, mas reforça seus sinais de fadiga.


Call of Duty: Black Ops 4 (Multi) recebeu um teste beta privado entre os dias três e seis de agosto. Sendo um título voltado completamente para modalidades online, era certeza de que a Treyarch, desenvolvedora do jogo, traria parte de seu conteúdo principal para que os fãs pudessem testá-lo e ajudá-los a identificar problemas e dar críticas e sugestões ao conteúdo que será oferecido pelo título.

Em busca da evolução através de pequenas mudanças

O teste beta de Black Ops 4 trouxe cinco modos tradicionais de jogo e bem conhecidos dos fãs da franquia. Team Deathmatch, Kill Confirmed, Hardpoint, Domination e Search & Destroy. Todos eles funcionaram bem e não demonstraram mudanças drásticas em suas estruturas com relação aos outros jogos da série.

O modo mais interessante, porém, se chama Control, que consiste em partidas de times de ataque e defesa. cada equipe possui um total de 30 vidas. Para vencer, os atacantes devem capturar as zonas marcadas no mapa dentro do tempo estipulado ou acabar com as vidas inimigas. Capturar uma zona estende o marcador de tempo. O mesmo vale para os defensores, que podem vencer eliminando todas as vidas do outro time ou com o cronômetro zerado. Espero que este seja o indício de mais modos de jogo focados no trabalho em equipe e inéditos na franquia.

Assim como em Call of Duty: Black Ops 3 (Multi), temos a presença aqui dos Operadores, que talvez seja a maior particularidade introduzida por BO3 e trazida para os jogos mais recentes da série. Diferentemente de seu antecessor, BO4 entrega Operadores com uma habilidade especial e única, além de um equipamento especial.



As possibilidades são imensas na hora de se montar um time, com Operadores ideais para ataque, defesa e suporte, e cabe aos jogadores usar do bom senso na hora de escolher seu personagem. Para evitar desbalanceamentos, o game não permite a presença de Operadores repetidos nas equipes, algo que era muito comum em Black Ops 3. Há um nível de estratégia dentro de Black Ops 4, e algo um tanto quanto inédito na franquia, mas não tão forte quanto em outros shooters.

Modos cujo objetivo seja capturar, atacar e/ou defender zonas exploram de forma muito mais competente a existência dos Operadores e suas capacidades específicas. Já os modos focados em dizimar o time inimigo acabam tirando um pouco do brilho estratégico dos personagens, mas ao menos serve de variedade para os jogadores. Quem quiser sair dando tiro e matando todos sem se preocupar com mais nada terá modalidades de jogo ideais para isso.

Uma nova mudança introduzida aqui é que não temos mais regeneração automática de HP. Cada soldado possui 150 pontos de vida, e devem se recuperar ao usar um injetor médico, que é acionado com um dos “botões de ombro” (L1 no PS4). Tal mecânica funciona e introduz um senso de cuidado maior nos jogadores, que devem ficar atentos à sua saúde a todo momento. Infelizmente, os combates armados de Call of Duty não mudaram muito, e a grande maioria das armas possui força absurda, matando com grande velocidade e, às vezes, não dando chance nem mesmo de se pensar em recuperar os pontos de vida.

Mais do mesmo

Embora tenhamos novidades muito positivas com relação ao senso estratégico introduzido em determinados modos de jogo e a presença refinada dos Operadores e suas especialidades, Black Ops 4 oferece o mesmo estilo de conflitos armados presente na grande maioria dos jogos da franquia. São conflitos rápidos, dinâmicos, repletos de soldados deslizando, pulando e deitando pelo cenário. Ao menos os combates são mais “pé no chão”, então não há preocupação com inimigos andando pelas paredes ou usando propulsores em saltos.



Com uma bela seleção de armas, incluindo o retorno de algumas já conhecidas dos jogadores de Black Ops 3, as opções para se montar um conjunto de equipamentos são inúmeras. As armas possuem diversos adicionais que podem ser desbloqueados ao subirmos seus níveis, assim como nosso personagem, que desbloqueia novos equipamentos e perks (habilidades especiais passivas) conforme sobe de patente.

Uma das maiores sacadas de Black Ops 4 é utilizar o sistema Pick 10. Tal sistema exige que o jogador tenha um limite de dez itens para montar seu conjunto de equipamentos. Porém, ao optar por utilizar um equipamento especial de Operador, o jogador não gasta um de seus espaços, tendo a liberdade de alocar outra opção em um espaço vazio. O ideal é aprender a utilizar tais equipamentos, pois são fundamentais na conquista dos objetivos e no auxílio do time.

Versão beta e seus bugs

Para uma versão de testes beta, Black Ops 4 apresenta um quesito técnico de respeito, ao menos no aspecto da qualidade visual. Ainda que não tenha nenhuma diferença gritante com relação ao jogo de 2017, Call of Duty: WWII (Multi), BO4 oferece cenários muito bem detalhados e personagens carismáticos, distintos à sua própria maneira. Infelizmente, não temos nenhuma opção de customização da aparência dos Operadores ou das armas, mas espera-se uma bela variedade de opções estéticas no lançamento do jogo.

Como é um produto ainda em desenvolvimento, esperava-se que encontraríamos alguns bugs pelo caminho. Pontos de interesse e captura que somem da tela, fogo de um lança-chamas saindo do cano de um rifle de assalto e sons de armas sendo recarregadas que tocam completamente fora de sincronia, quase minutos após a ação de recarga são apenas alguns dos defeitos que ainda precisam ser corrigidos. Felizmente, não há nenhum problema impeditivo, e a expectativa é que tudo esteja bem para o lançamento oficial do game.



Call of Duty: Black Ops 4 (Multi) busca evoluir através de pequenas inovações, mas segue ainda em uma zona de conforto, e uma zona bastante segura. Explorar táticas com os Operadores, suas habilidades e equipamentos especiais é divertido, mas não destaca o game em meio a franquia. Call of Duty precisa se arriscar mais. A qualidade é alta aqui, mas a inovação e as novidades precisam ter mais relevância. O gosto que fica, em um primeiro momento, é de repetição e cansaço. Por tudo o que é, Call of Duty merece muito mais.

Nota: um novo teste beta privado irá acontecer no PS4, Xbox One e PC entre os dias 10 e 13 de agosto.

Revisão: Link Beoulve
Matéria produzida com chave cedida pela Activision
Francisco Camilo é formado em Serviço Social pela PUC-MG e até hoje não entende a verdadeira razão de ter feito tal curso. Apaixonado pelo mundo dos jogos eletrônicos, tem em sua mente um futuro ideal cuja existência é incerta e o leva a questionar se o que imagina é parte de um sonho ou ilusão. Pode ser encontrado aqui principalmente em análises e buscando troféus na PlayStation Network.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook